EA, NAS ESCOLAS E NAS UNIVERSIDADES

0
0
5
1 week ago
PDF Preview
Full text
(1)EA, NAS ESCOLAS E NAS UNIVERSIDADES ISSN: 1887-2417 ISSN-e: 2386-4362 DOI: 10.17979/ams.2017.2324.0.3379. Reciclamos o Mundo. Atividades de Educação Ambiental em Escolas do 1º CEB na Maia We Recycle the World. Environmental Education Activities in 1st CEB Schools in Maia Teresa Filomena Pinto dos Santos. Câmara Municipal da Maia (Portugal). Resumo O presente artigo pretende dar a conhecer a importância dos projetos de educação ambiental no 1.º Ciclo do Ensino Básico, através das Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC). É nos primeiros anos de escolaridade que os alunos devem começar a trabalhar questões relacionadas com a educação ambiental, de forma a consciencializa-las para as boas práticas ambientais. Neste âmbito, surgiu o projeto “Reciclamos o Mundo” no Agrupamento de Escolas Gonçalo Mendes da Maia, em parceria com Câmara Municipal da Maia, dinamizado nas AEC. O projeto em causa teve como objetivo sensibilizar os alunos para a importância dos conceitos de reciclagem, política dos 4’RS e a importância de uma correta gestão de resíduos. Teve ainda como propósito alertar os alunos para os impactes negativos causados pela produção de resíduos e conhecer o trajeto desde a sua produção até ao destino final. Astract This article aims to show the importance of environmental education projects in the 1st Cycle of Basic Education, through Curricular Enrichment Activities (AEC). It is in the first years of schooling that students should start working on issues related to environmental education in order to raise awareness of environmental good practices. In this context, the project “Recycling the World” was born in the Gonçalo Mendes Schools Association of Maia, in partnership with Maia City Council, revitalized in the ACS. The aim of the project was to raise students’ awareness of the importance of recycling concepts, 4’RS policy and the importance of proper waste management. It was also intended to alert students to the negative impacts caused by the production of waste and to know the route from its production to the final destination. Palavras Chave Educação Ambiental; Reciclar; Reduzir; Reutilizar; Recuperar. Key words Environmental Education; Recycle; Reduce; Reuse; Recover.. UDC/ CEIDA/ UFMG. ambientalMENTEsustentable ambientalMENTEsustentable, 2017, (I), 23-24. 233. xaneiro-decembro 2017, ano XII, vol. I, núm. 23-24, páxinas 233-237.

(2) TERESA FILOMENA PINTO. DOS. SANTOS. Introdução. lúdico expressivas (ALE), que decorreu no ano letivo 2014/2015, no Agrupamento de Escolas Gonçalo Mendes da Maia em. Um dos objetivos da educação ambien-. parceria com Câmara Municipal da Maia,. tal é promover a articulação das ações. orientado pelo coordenador Nuno Go-. educativas com atividades direcionadas. mes, sendo a reutilização o principal tema. para a proteção, recuperação e melhoria. abordado.. ambiental, potencializando a função da educação para as mudanças culturais e. O objetivo geral deste projeto foi envol-. sociais, numa perspetiva de desenvolvi-. ver os alunos, e mais tarde a comunidade. mento sustentável. A escola, no âmbito. escolar, para a problemática dos resídu-. da educação ambiental, deve contribuir. os sólidos, mais propriamente o lixo do-. para a construção de valores, no aluno,. méstico e a sua correta separação, para. que conduzam a uma convivência de res-. a tomada de consciência como problema. peito pelo ambiente e as demais espécies. ambiental e também a formação cidadã e. que habitam o planeta, atendendo a que,. participativa dos alunos. Houve um con-. de acordo com SCHMIDT et al (2010), a li-. junto de iniciativas levadas a cabo, onde. teracia ambiental já faz parte, [ou deveria. a participação dos alunos era fundamental. fazer], da cultura geral de qualquer crian-. para a prossecução das várias etapas que. ça. Da posse da literacia ambiental à ação. faziam parte do referido projeto. Assim, a. propriamente dita, parece-nos existir uma. recolha de lixo e a sua correta separação. distância considerável, o que torna pre-. foi um ponto chave para dar inicio ao nos-. mente a procura incessante de estratégias. so projeto. Depois de todo material reco-. que minimizem os impactes dos resíduos. lhido foi hora de construir vários objetos. sólidos no ambiente, nomeadamente o. com material reutilizado para as nossas. lixo considerado doméstico. Foi nesta que. exposições. Com a aproximação do Natal. surgiu o projeto “Reciclamos o Mundo”. e toda a magia que o envolve e transmite. que se desenvolveu no âmbito das AEC. às crianças, os alunos construíram presé-. e que fez parte integrante das atividades. pios que posteriormente foram expostos. Figura 1: Presépios Elaborados pelos Alunos Figura 2: Presépios Elaborados pelos Alunos. 234. ambientalMENTEsustentable, 2017, (I), 23-24.

(3) Reciclamos o Mundo. Figura 3: Presépios Elaborados pelos Alunos Figura 4: Presépios Elaborados pelos Alunos. nas instalações da Câmara Municipal da. de uma garrafa de plástico ou vidro, termi-. Maia, (Figuras 1,2,3 e 4) por se conside-. nadas as bonecas foi feita uma nova expo-. rar um local estratégico para a divulgação. sição na Câmara Municipal da Maia, (Figu-. dos trabalhos e da criatividade dos alunos. ras 5,6,7 e 8) depois de esta instalada os. no âmbito da temática que estava a ser. alunos tiveram a oportunidade de a visitar.. explorada, ao mesmo tempo que as exposições criam um espaço de partilha de. As Visitas de Estudo são consideradas. conhecimento, sendo um meio de comuni-. pelo como Currículo Nacional do Ensino. cação e de aprendizagem por excelência.. Básico, como recursos dotados de inúmeras potencialidades para os alunos apren-. Um segundo momento deste projeto foi a. derem. De acordo com OLIVEIRA (2008), as. construção de bonecas africanas partindo. visitas de estudo são atividades que se. Figura 5: exposição de Bonecas Africanas Figura 6: Exposição de Bonecas africanas. Figura 7: Exposição de Bonecas Africanas Figura 8: Exposição de Bonecas Africanas. ambientalMENTEsustentable, 2017, (I), 23-24. 235.

(4) TERESA FILOMENA PINTO. DOS. SANTOS. realizam fora do contexto escolar e que. precioso para poderem apresentar um tra-. permitem aos seus intervenientes desen-. balho mais completo uma vez que é uma. volverem-se a nível conceptual, procedi-. oportunidade de construir coletivamente o. mental e de relacionamento inter-pessoal. conhecimento. O terceiro momento deste. e afetivo. Para Nespor (2000) as visitas de. projeto foi marcado pela semana da famí-. estudo são atividades basilares no proces-. lia, onde foi criado um espaço lúdico pe-. so de ensino- aprendizagem, pelo facto de. dagógico para a realização de Ateliês de. terem por base o envolvimento ativo dos. sensibilização ambiental sobre reutilização. alunos na busca de informação e na uti-. de materiais para a construção de objetos.. lização de recursos exteriores à escola,. (Figura 10). O quarto momento deste pro-. quando devidamente organizadas e pla-. jeto foi a exploração de uma história sobre. neadas.. lixo marinho “Graciosa a Baleia Vaidosa” (Figura 9). Com esta história os alunos per-. Com esta visita pretendeu-se sensibilizar. ceberam que devemos cuidar e respeitar. os alunos para a importância doa reutiliza-. os ecossistemas marinhos para não colo-. ção de materiais, ajudando a garantir um. car em risco a vida dos animais que nele. bom ambiente e qualidade de vida das po-. habitam.. pulações. Contribuiu também para a motivação dos alunos, na realização de várias. Este projeto é a prova de que acreditamos. atividades com materiais reutilizados, ao. no poder transformador da educação, que. longo do ano letivo, decorrentes da ob-. é através dela que se torna possível edu-. servação e das aprendizagens feitas no. car para a sustentabilidade, numa pers-. âmbito da referida visita. Estas atividades. petiva de preocupação com as gerações. potenciaram o trabalho em grupo, uma. vindouras.. vez que o contributo de cada aluno foi. Figura 9: Desenhos da História Figura 10: Material Utilizado nos Ateliês. 236. ambientalMENTEsustentable, 2017, (I), 23-24.

(5) Reciclamos o Mundo. Referências bibliográficas LIEURY, A., FENOUILLET, F. (s/d). Ensinar e Aprender: Motivação e Sucesso Escolar. Barcarena: Editorial Presença. NESPOR, J. (2000). School field trips and the curriculum of public spaces. Journal of Curriculum Studies, 32 (1), 25-43.. ambientalMENTEsustentable, 2017, (I), 23-24. OLIVEIRA, M. M. G. T. (2008). As Visitas de Estudo e o ensino e a aprendizagem das Ciências Físico-Químicas: um estudo sobre concepções e práticas de professores e alunos. Tese de Mestrado não publicada: Universidade do Minho. SCHMIDT, L., NAVE, J. G., GUERRA, J. (2010). Educação Ambiental. Balanço e perspetivas para uma agenda mais sustentável. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.. 237.

(6)

Nuevo documento

Amalgamation property in quasi modal algebras
Amalgamation Property It is known that the variety of modal algebras has the Amalgamation Property AP and the Superamalgamation Property SAP see [3] for these properties and the
Simultaneous approximation by a new sequence of Szãsz Beta type operators
Linear positive operators, Simultaneous approximation, Voronovaskaja-type asymptotic formula, Degree of approximation, Modulus of continuity.... and there holds the recurrence
A compact trace theorem for domains with external cusps
In [1] a different kind of trace result was obtained by introducing a weighted Sobolev space in Ω , such that the restriction to the boundary of functions in that space are in Lp ∂Ω..
A description of hereditary skew group algebras of Dynkin and Euclidean type
Λ[G] with G an abelian group and Λ an hereditary algebra of tame representation type The aim of this section is to describe all possible actions of a finite abelian group on an
Paths on graphs and associated quantum groupoids
Given any simple biorientable graph it is shown that there exists a weak *-Hopf algebra constructed on the vector space of graded endomorphisms of essential paths on the graph.. This
Drinfel’d doubles and Shapovalov determinants
The Shapovalov determinant for a class of pointed Hopf algebras is calculated, including quantized enveloping algebras, Lusztig’s small quantum groups, and quantized Lie superalgebras..
On semisimple Hopf algebras with few representations of dimension greater than one
In the paper we consider semisimple Hopf algebras H with the following property: irreducible H-modules of the same dimension > 1 are isomorphic.. Then M is the unique irreducible
Hopf algebras and finite tensor categories in conformal field theory
In more detail, one has the following Theorem: i The pair C, A, with C a modular tensor category and A a simple symmetric special Frobenius algebra in C, supplies all required
Global dimensions for Lie groups at level k and their conformally exceptional quantum subgroups
The previous equality relating global dimensions then follows from |Ak G| = |OE| and from the fact that, in the case of a quantum module E measuring a conformal embedding, the following
On twisted homogeneous racks of type D
Simple twisted homogeneous racks We now explore when Proposition 3.10 applies to a simple twisted homogeneous rack with L an alternating group An , n ≥ 5, or a sporadic group.. This

Etiquetas

Documento similar

Projeto de estímulo a docência . Um estudo sobre a inclusão nas aulas de Educação Física
Para que as aulas ocorressem de fato e para que todos os alunos pudessem participar da disciplina Educação Física de maneira indiscriminada, passou-se a explorar a criatividade e buscar
0
0
5
Enseñanza de ciencias y ciudadanía en los primeros años de la educación básica brasileña
Esta análise leva em consideração dois fatos principais: i as formas pelas quais a formação para a cidadania figura nas demandas e nas orientações curriculares para os anos iniciais da
0
0
17
O conflito nas ofocinas pedagógicas de Educação Física . Mover a planes de estudio
Embora as ocorrências e seus tipos sejam os mais variados, neste trabalho nos deteremos no problema conflito num enfoque à agressão física e verbal de alunos nas oficinas pedagógicas de
0
0
7
Sistema de apoio ao ensino de lógica e algoritmo
Essa grande dificuldade, reforçada pelas condições diárias vivenciadas nas turmas com grande número de alunos, nas quais o atendimento individual para solucionar as dúvidas é bastante
0
0
15
Avaliação da fragilidade ambiental como mecanismo de gerenciamento de bacias hidrográficas – caso da Bacia do Corumbataí, Brasil
Assim, a fragilidade ambiental na Bacia do Corumbataí será avaliada com base nas condições de relevo representado pela declividade dos terrenos, solo com base nas diferentes classes
0
0
19
A educação ambiental e a interdisciplinaridade no contexto escolar
Para se verificar a aplicação da interdisciplinaridade na Educação Ambiental nas salas de aula, analisou-se a concepção de doze professores de Ciências de 5ª série sobre o que é
0
0
33
Governança em cooperativas . Aprimoramento da estrutura social frente ao mercado
As demais atribuições viriam definidas em estatuto, para executar as diretrizes emanadas do Conselho de Administração e dar o suporte nas demais questões, envolvendo as funções de:
0
0
15
Interfaces entre as políticas educacionais e os marcadores sociais: quem são os alunos que fracassam num contexto em todos têm direito a educação?
Torres 1990 delineiam ainda, que para além da tríade: repetência, evasão e distorção idade-série fenômenos escolares, os quais, são tradicionalmente reconhecidos como sendo o
0
0
19
Diagnóstico da qualidade do solo sob cultivo de pêssego em agroecossistemas de base familiar
A infiltração de água no solo foi classificada como moderadamente rápida nos pomares, e rápida nas áreas de vegetação nativa, o que está coerente com os menores valores de DS e maior
0
0
8
Discursos jurídicos e pedagógicos sobre a diferença na educação especial
8o As escolas da rede regular de ensino devem prever e prover na organização de suas classes comuns: I - professores das classes comuns e da educação especial capacitados e
0
0
174
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA (MODALIDADE: INTEGRADO) AUGUSTO PAULO LENCKULH GABRIEL FELIPE MEYER GUILHERME CAMPOS WEEGE
Pensando nisso, escolhemos o tema a arte e suas linguagens artes visuais, música, dança e teatro nas escolas de educação básica de Jaraguá do Sul com o intuito de compreender as suas
0
0
14
Evaluación y retroalimentación en la educación superior, un estudio en la Universidad de Minho
Para os alunos é mais difícil concordarem com o feedback que recebem quando não concordam com os métodos de avaliação dos professores e consideram que a relação que mantêm com os
0
0
15
DIREITOS INDÍGENAS “DIFERENCIADOS” E SEUS EFEITOS
A situação hoje é muito simples: após mais de seis anos de reivindicações ininterruptas para que a SEED melhore sua capacidade de acompanhamento dos professores indígenas nas aldeias e
0
0
9
EA, NAS ESCOLAS E NAS UNIVERSIDADES
É neste sentido que surgiram as atividades desenvolvidas em sala de aula, numa turma de 1.º ano de escolaridade, com alunos com NEE, com recurso à metodologia enformada pelo Ensino
0
0
8
EA, NAS ESCOLAS E NAS UNIVERSIDADES
Alguns elementos de uma análise da integração da Educação Ambiental nos currículos escolares do ensino básico e secundário em Cabo Verde Some elements of an analysis of the
0
0
6
Show more