Uso de cone de metal trabecular tântalo para tratamento de defeitos ósseos na artroplastia de revisão do joelho

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto completo

(1)

w w w . r b o . o r g . b r

Artigo

Original

Uso

de

cone

de

metal

trabecular

tântalo

para

tratamento

de

defeitos

ósseos

na

artroplastia

de

revisão

do

joelho

Alan

de

Paula

Mozella

,

Ricardo

Reiniger

Olivero

e

Hugo

Alexandre

de

Araújo

Barros

Cobra

InstitutoNacionaldeTraumatologiaeOrtopedia,RiodeJaneiro,RJ,Brasil

informações

sobre

o

artigo

Históricodoartigo: Recebidoem7dedezembrode2012 Aceitoem12dejulhode2013 On-lineem12demarçode2014 Palavras-chave: Artroplastiadojoelho Próteseseimplantes Tântalo Osteointegrac¸ão

r

e

s

u

m

o

Objetivos:avaliaratécnicacirúrgicaedeterminarosresultadosiniciais,comseguimento mínimodedoisanos,dasrevisõesdeartroplastiatotaldojoelhonasquaisconesdemetal trabeculartântaloforamempregadospeloCentrodeCirurgiadoJoelhodoInstitutoNacional deTraumatologiaeOrtopedia(Into)ounaclínicaprivadadosautoresdejulhode2008a dezembro2010.

Métodos:foramincluídosnoestudo10pacientes,prospectivamenteemavaliac¸ãoclínicae radiográfica.

Resultados: setepacientesapresentaramevoluc¸ãosemcomplicac¸õesrelacionadasaouso deconesdetântalo,cinconegamdoretodosdeambulamsemnecessidadedemuletas. Emtodososcasos,verificamososteointegrac¸ãodosconesdetântaloenãofoiobservada migrac¸ãoousolturadeimplantes,assimcomoosteólise.

Conclusão:ousodeconesdemetaltrabeculartântaloparatratamentodedefeitosósseos tipoIIouIIIAoriapresenta-secapazdeproversuporteestruturaleficienteaosimplantes protéticosderevisãoemavaliac¸ãodecurtoseguimento.

©2013SociedadeBrasileiradeOrtopediaeTraumatologia.PublicadoporElsevierEditora Ltda.

Use

of

a

trabecular

metal

cone

made

of

tantalum,

to

treat

bone

defects

during

revision

knee

arthroplasty

Keywords:

Kneearthroplasty Prosthesesandimplants Tantalum

Osseointegration

a

b

s

t

r

a

c

t

Objectives: theaimofthisstudywastoevaluatethesurgicaltechniqueanddeterminethe initialresults,withaminimumfollow-upoftwoyears,fromtotalkneearthroplastyrevisions inwhichtrabecularmetalconesmadeoftantalumwereusedattheKneeSurgeryCenter oftheNationalInstituteofTraumatologyandOrthopedics(INTO)orattheauthors’private clinicbetweenJuly2008andDecember2010.

Methods:tenpatientswereincludedinthestudyprospectively,throughclinicaland radio-graphicevaluations.

Results:sevenpatientspresentedevolutionwithoutcomplicationsrelatingtothetantalum conesused.Fiveofthesepatientssaidthattheydidnothaveanypainandallofthemwere

TrabalhodesenvolvidonoCentrodeCirurgiadoJoelhodoInstitutoNacionaldeTraumatologiaeOrtopedia,RiodeJaneiro,RJ,Brasil.Authorparacorrespondência.

E-mail:apmozella@terra.com.br(A.d.P.Mozella).

0102-3616©2013SociedadeBrasileiradeOrtopediaeTraumatologia.PublicadoporElsevierEditoraLtda.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rbo.2013.07.002

Este é um artigo Open Access sob a licença de CC BY-NC-ND

(2)

Introduc¸ão

Desdeofimdadécadade1980observa-seelevac¸ãodeaté10% aoanononúmerodeartroplastiasdejoelhofeitasnosEstados Unidos.1Entre1990e2002,onúmerodecirurgiasprimárias

por100milhabitantesnaquelepaístriplicou.1Aelevac¸ãoda

expectativadevidaeomaiornúmerodecirurgiasprimárias feitasmotivaram, consequentemente,maiorquantidadede cirurgiasderevisão.

Em2002,maisde350milprótesesdejoelhoforam implan-tadasnosEUA.2Nomesmoano,onúmerodeprocedimentos

de revisão aumentou em7,5%.2 Kurtz et al.3 estimaram a

elevac¸ão donúmero decirurgias derevisõespara 2030em 600%.

Omanejodaperdaósseanocenáriodaartroplastiade revi-sãodojoelhorepresentaenormedesafio.Odefeitoósseopode serresultadodadoenc¸ainicial,dodesenhodaprótese primá-riausada,domecanismodefalha,deerrostécnicosnacirurgia primáriaoudadificuldadenaretiradadeimplantesfixos.4,5

Acorrec¸ãodadeficiênciaósseatorna-senecessáriapara aobtenc¸ãodeinterfaceosso-implanteestável,oquepermite corretoalinhamentodoscomponentes,manutenc¸ãode ade-quadaalturadainterlinhaarticularebalanc¸oligamentar.É, portanto,determinantenoresultadoclínico.4–6

Defeitosósseospodemsermanejadosporpreenchimento commetilmetacrilato,enxertoósseoesponjosoautólogo, frag-mentosdeenxertoestruturalautólogo,aumentosmodulares metálicos ou componentes de polietileno mais espessos. Todavia, o correto tratamento de grandesdefeitos perma-nece indefinido e podem ser usados enxertos estruturais homólogos,enxertosesponjososimpactadosouprótesenão convencional.7–10

Diversosestudosqueusaramenxertosestruturais homó-logosnomanejodasfalhasósseasdurantecirurgiasderevisão demonstramíndicedenãouniãodeaté4%,riscodeinfecc¸ão com variac¸ão de 4% a 8%e de falha entre 8% e 23%.11–14

Dessemodo,questiona-seacapacidadedeenxertos estrutu-raismanteremfunc¸ãodesuportedeformaefetivaporlongo prazo.

Aumentosdemetaltrabeculartântalo,emdiversos forma-tosdecones,representam,atualmente,opc¸ãoaomanejode falhasósseasemrevisõescomplexasdeATJesãoopc¸ãoao usodeenxertoestruturaldeBancodeTecidos Musculoesque-léticos.

Oobjetivodeste estudofoi avaliarosresultadosiniciais, comseguimentomínimodedoisanos,dasrevisõesde artro-plastia total do joelho em que cones de metal trabecular tântaloforam usados para tratamento de grandes defeitos ósseostibiaisoufemorais.

Material

e

métodos

Foram incluídosnoestudopacientessubmetidos àcirurgia de revisão de artroplastia totalde joelho de julho de 2008 a dezembro 2010, nosquais foi necessário o usode cones demetaltrabecularparaadequadotratamentodosdefeitos ósseos.

AscirurgiasforamfeitasnoCentrodeCirurgiadoJoelho doInstitutoNacionaldeTraumatologiaeOrtopedia(Into)e naclínicaprivadadosautores.Foramexcluídosdessasérie todos ospacientes submetidosàcirurgia derevisãodeATJ nosquaisosdefeitosósseosencontradosforamtratadospor outrosmétodos,comocunhasmetálicasouenxertos homó-logos,ou,ainda,aquelesemqueosconesdetântaloforam empregadosassociadosaenxertoestrutural.

Ospacientesforamacompanhadosprospectivamenteem avaliac¸ãoclínicaeradiográficanoperíodopós-operatóriocom 15dias,ummês,trêsmeses,seismeses,umanoe,apósesse período,emconsultasanuais.

Avaliac¸ão radiográficafoifeitapelacomparac¸ãode radi-ografiasemanteroposteriorcomcarga eperfildojoelhono pós-operatório imediato e nas avaliac¸ões subsequentes. A existência de reac¸ãotrabecularna interfacemetal trabecu-lardoossohospedeiro,avaliadaporradiografiassequenciais, configuradapelapresenc¸adeescleroseósseaassociadaà ine-xistênciadelinhasderadioluscência,foiocritérioparadefinir aocorrênciadeosteointegrac¸ãodosconesdetântalo.

Foram usados,durante observac¸ãoradiográfica,critérios do sistema de avaliac¸ão e escore da Knee Society15 para

determinac¸ãodesolturasoumigrac¸ãodecomponentes pro-téticosoudeconestrabeculares.

Oestudofoisubmetidoàavaliac¸ãoeaprovac¸ãodoComitê deÉticaemPesquisadoInstitutoNacionaldeTraumatologia eOrtopedia efeitopeloCentrodeCirurgiadoJoelhodesse Instituto.

Conesdemetaltrabeculartântalo

Metal trabecular tântalo (Trabecular Metal, Zimmer, War-saw, Indiana) representa um material biocompatível, que apresenta baixo módulo de elasticidade, alta porosidade e excelente potencial biológico de fixac¸ão. Tais característi-cas possibilitamdistribuic¸ãouniforme decarga,o que,em tese,reduzaocorrênciadofenômenoconhecidocomostress shielding.16

Diversostrabalhoshistológicosdemonstrambaixo poten-cialdeaderênciabacterianaeaumentodaativac¸ão leucocitá-riaquandocomparadoscommateriaishabitualmenteusados emortopedia.17,18

(3)

Figura1–(A)Defeitotibial,(B)debridamentocombrocatipobur,(C)testedoconedetântalo.

A capacidade de fixac¸ão biológica possibilita ao metal trabecular atuar como substrato para crescimento ósseo, com migrac¸ão de osteoblastos hospedeiros para as lacu-nas do metal e, consequentemente, reposic¸ão do estoque ósseo.

Em virtude dessas vantagens potenciais, é notório o interesse crescente no uso desse metal nas cirurgias de reconstruc¸ãoarticular.

Osconesforamdesenvolvidosemdiversostamanhose for-matos,parapossibilitaropreenchimentodegrandevariedade dedefeitosfemoraisdistaisoutibiaisproximais,localizados nocentrodametáfiseouassociadosàdeficiênciaóssea corti-cal.

Esses conesdevem ser impactados nos defeitosósseos, possibilitarosteointegrac¸ãodessesaoossohospedeiroe per-mitir,concomitantemente,ousodecomponentesprotéticos derevisãocomhastesintramedulares.

Técnicacirúrgica

O acesso cirúrgico foi feito conforme técnicas tradicionais comumenteusadasnacirurgiaderevisão.

Técnicapadrãopararetiradadoscomponentesprotéticos oudeespac¸adoresfoi,inicialmente,empregada.Após debri-damento,osdefeitosósseosencontradosforamclassificados comousodosistemaAndersonOrthopaedicsResearch Ins-titute(Aori).19Abordou-seseparadamentefêmuretíbia, da

seguinteforma:tipo1–apresenta ossometafisário íntegro compequenosdefeitosquenãocomprometemaestabilidade doimplantederevisão;tipo2–perdadeossoesponjosoem regiãometafisária,quepodeocorreremum(A)ounosdois(B) côndilos,femoraloutibial;tipo3–ossometafisáriodeficiente, ocasionalmente associado a destacamento dos ligamentos colaterais.

Aclassificac¸ãodafalhaóssea,assimcomoaquantidade ealocalizac¸ãodeossocorticaleesponjosoremanescente,foi consideradanadecisãoparamanejododefeitoósseocomuso deconedemetaltrabecular.Emtodosospacientesodefeito foiclassificadocomotipo2ousuperior.

Foramempregadosguiasintramedularestibialefemoral paraobtenc¸ãodecorretoalinhamentodoscomponentes pro-téticosefeituradoscortesósseos,conformetécnicapadrão. Balanc¸oligamentarfoiobtidoconformeosconceitosemvoga. Os defeitos encontrados foram adequadamente pre-enchidos com testes de diversos formatos e tamanhos representativos dos conesde metal trabecular disponíveis. Proeminênciasósseasque impossibilitavamaimpacc¸ão ou manutenc¸ãodosconestrabecularesemposic¸ãoestávelforam debridadoscom ousodebrocatipobur,comoobjetivode alcanc¸aramaiorestabilidadeeomaiorcontatoósseopossível

(figura1A-C).

A rotac¸ão dos cones de tântalo foi determinada pela localizac¸ão,peloformatoepelotamanhodosdefeitosósseos. Aestabilidaderotacionaldoconetrabecularfoiavaliadapor manipulac¸ãodocirurgiãoapósimpacc¸ãodesseimplante.

Arotac¸ãodoscomponentesprotéticosdefinitivosfoi ori-entada pelos parâmetros da técnica padrão, e não pela localizac¸ãoepelarotac¸ãodosconestrabeculares.

Áreas existentes entre a superfície externa do cone de tântaloeoossohospedeiroforamenxertadascomosso autó-logoprovenientedoscortesfeitos.Asuperfícieinternados cones trabeculares reconstituiu a região metafisária proxi-maldatíbiaoudistaldofêmureatuoucomosuperfíciepara cimentac¸ãodoscomponentesprotéticosdefinitivoscomouso dehastesintramedulares(figura2A-C).

Noperíodopós-operatórioimediato,o ganhode arcode movimentocompletofoiestimuladoeacargafoipermitida conformetolerado.

Resultados

Dadosdemográficos

Foramincluídosnesteestudo10pacientessubmetidosà cirur-giaderevisãodeartroplastiatotaldejoelhocomusodecone demetaltrabeculartântalo.Trêseramdosexomasculinoe sete, dofeminino.Amédiade idadefoi de71,1 anos, com variac¸ãoentre59e80.Acirurgiafoifeitanoladodireitoem

(4)

Figura2–(A)Conedetântaloemtíbiaproximalcomenxertiaautólogaemsuperfícieexterna,(B)cimentac¸ãonointerior,(C) comimplantac¸ãodocomponentetibial.

trêsvezesedoesquerdoemsete.Umpacientefoiperdidodo acompanhamentopós-operatóriopormortenãorelacionada àcirurgiaumanoapósarevisão;emsuaúltimaavaliac¸ãode seguimento,nãoapresentavacomplicac¸õesemantinhaboa func¸ãoarticular.Otempomédiodeacompanhamento pós--operatóriofoide34,7meses,comvariac¸ãode26a45meses. Emoitopacientes,o conedemetaltrabecularfoiusado naprimeirarevisãoeascausasdefalhaforam:infecc¸ãoem doiscasos,maualinhamentoeafundamentoemvaroemdois, osteóliseemdois,desgastedopolietilenoemumesoltura assépticaemoutro.

Em um paciente, o aumento de tântalo foi usado no segundoprocedimentoderevisãodeATJ.Aartroplastia pri-mária falhou com afundamento do componente tibial em varo.Foi,nessemomento,feitarevisãocomusodecunhade aumentometálicoconvencional.Após10dias,sofreuqueda daprópriaaltura,evoluiucomexposic¸ãodaprótese,que resul-tou eminfecc¸ão tratada com revisão emdois tempos. Foi, então,usadoconedetântalo.

Emoutrocaso,oconefoiusadonaterceirarevisão.Não identificamosacausadasduasprimeirasrevisões.Aterceira foifeitapormaualinhamentoeinstabilidade.

Dadoscirúrgicos

Noladofemoral,emtrêscasosforamusadoscones trabecula-res;odefeitoósseofoiclassificadocomoF2Bemdoiscasose F3emum.Acausadefalhafoi maualinhamentoemdois casoseosteóliseemum.Emumcaso, oimplantede revi-sãousadofoioTCIII(DepuySynthes®),quenecessitoude hastefemoral18x175mmcimentadaedeaumentos metáli-cosdistaisde12mmeposterioresde4mm.Oconetrabecular usadonessecasofoiomédio,de40mmdealtura.Nosoutros casos,oimplanteusadofoioRotatingHingeKnee(Zimmer®) efoiimplantadahaste10x145mmcimentadae15x145mm. Emambososcasos,usaram-secunhasdeaumentometálico distalde10mm.Osconestrabecularesusadosnessescasos foramdetamanhomédio.

No lado tibial, emnove casos, foram usados cones tra-beculares de tântalo.Os defeitosencontrados foramassim classificados:T2A,T2BeT3,emtrêscasoscada.

Emcincopacientesforamusadosimplantes semiconstri-tosLCCK(Zimmer®),emdois,implantessemiconstritosTCIII (DepuySynthes®)eemmaisdois,implantesconstritostipo dobradic¸a(RotatingHingeKnee,Zimmer®).

Em todos os componentestibiais foi usadahaste intra-medularcimentadaenãoforamusadascunhasmetálicasde aumento.Ocimentousadonascirurgiasderevisão,emtodos oscasos,foioSimplex,comadic¸ãode2gdevancomicinapor dosedemetilmetacrilato.

Aespessuradopolietilenovarioude10a22,5mm.Apatela foirevisadaemseiscasosenosoutrosquatrofoimantidoo implantepatelaroriginal.

Resultadosclínicosereoperac¸ões

Umpacientefaleceuaos12mesesdepós-operatóriodecausas nãorelacionadasàcirurgiaderevisão.

Ocorreu uma reoperac¸ão para drenagem de hematoma volumosonoprimeiromêsdepós-operatórioemumcaso.

Umpacienteapresentourecorrênciadainfecc¸ãoapósnova intervenc¸ãocirúrgicaparatratamentodelesãodomecanismo extensorocorridadurantequedadaprópriaalturanoprimeiro mêsapóssegundarevisãodeATJ.Essepacientefoisubmetido àretiradadoscomponentesprotéticoseàartrodesedojoelho eobtevecritériosdecuradainfecc¸ão.

Dois pacientes apresentaram fratura periprotética no fêmur.Oprimeirohaviarecebidoconedemetaltrabecularem defeitofemoraletibialeforaimplantadapróteseconstritado tipodobradic¸aummêsantes.Foisubmetidoàosteossíntesee àenxertiahomóloga,evoluiucomsolturadasínteseehouve necessidadedenovaabordagemcirúrgica.Evoluiu,então,com infecc¸ãodedifícilcontroleclínicoassociadaàperdado meca-nismoextensorenecessitou-seamputaromembro.

O segundo havia sido submetido à revisão com uso de tântaloemdefeitotibial14mesesantes.Durantequedada própriaaltura,apresentoufraturaperiprotéticafemoralsem

(5)

Figura3–(A)Implantefinalcomconedetântalo,(BeC)Rx pós-operatório.

solturadoscomponentesesinaisdeosteointegrac¸ãodocone demetaltrabecular.Foisubmetidoàosteossínteseeàenxertia ósseahomólogadeduasréguasfemoraisdeBancodeTecidos eevoluiuparaconsolidac¸ão.

Dessaforma,setepacientesapresentavamseguimento clí-nicomínimo de 24 meses.A flexão médiafoi de 95◦, com variac¸ão de 85◦ a115◦. Em seis casos, observava-se exten-sãocompletaeemumpaciente,déficitdeextensãoativade 10◦.

Seispacientes apresentavam estabilidadevaro-valgoem extensãoeestabilidadeanteroposteriorduranteavaliac¸ãoem 90◦ de flexão.Emumpaciente, após24 mesesde evoluc¸ão deimplantesemiconstritoeconedetântalonatíbia, obser-vamosevoluc¸ãodeinsuficiênciadeestruturasmediais,oque acarretouinstabilidade.Foi, portanto,indicadarevisãopara implanteconstrito.

Em um paciente observamos necrose de patela e subluxac¸ão.Contudo,evoluiucomlimitac¸ãodofimde exten-sãoativa, porém semlimitac¸ãopara as atividadesda vida diária.Osdemaispacientesnãoapresentaramcomplicac¸ões patelofemorais. Cinco dessespacientes negam dor etodos deambulamsemnecessidadedemuletas.

Resultadosradiográficos

Acomparac¸ãode examesradiográficossequenciais eviden-cioureac¸ãoóssea trabecularna interfaceosso hospedeiro--metaltrabeculareinexistênciadelinhasderadioluscência entrecone eosso hospedeironesses sete pacientes,oque configurousinaisdeosteointegrac¸ãodoimplante.

Emnenhumpacienteobservamosperdaoumigrac¸ãodo conedemetaltrabecularoudecomponentesprotéticos.Não foram observados sinais de osteólise nos casos avaliados. Duranteacompanhamentoradiográficodenossaamostra,não identificamos,até o presente,linhas de radioluscênciaque configurassemsolturadosimplantes(figura3).

Discussão

O manejo dodefeitoósseo durante arevisão de artroplas-tiatotaldejoelhoédeterminantenoresultadoclínicofinal, haja vista que possibilita a obtenc¸ão de interface osso--implanteestávelepermitecorretoalinhamentodomembro, manutenc¸ão de adequada altura da interlinha articular e balanc¸o ligamentar. A melhor técnica de tratamento de grandesdefeitosósseospermanece,atéosdias atuais,não definida.7–10

Estudos disponíveis que avaliam a seguranc¸ae a efeti-vidadedousodeenxertoshomólogosestruturaisdeBanco de Tecidos Osteo-Muscular durante cirurgias de revisão apresentamlimitado númerodecasosecarecem de acom-panhamentopós-operatóriodelongoprazo.20–22

Hockmanetal.,20queavaliaram65cirurgiasderevisãocom

deficiênciaósseaeacompanhamentopós-operatóriomínimo decincoanos,concluíramqueaumentosmetálicos modula-resnãosãoefetivosmodosdetratamentodegrandesfalhas ósseasnocenárioderevisãodeATJ.Contudo,nasrevisõesem queforam usadosenxertos estruturais,afalhaocorreuem aproximadamente20%doscasos.

EstudofeitoporEngheAmmeen21equeavaliou35

cirur-gias de revisão deartroplastia, nas quaisse apresentavam defeitos ósseos tipo II ou III Aori tratados com o uso de enxertoestruturalecomacompanhamentopós-operatóriode 4,2anos,evidenciouresultadosbonsouexcelentesem87%dos casos.Clatworthyetal.22demonstraram72%debons

resulta-dosemestudoqueusou66enxertosestruturaisparaomanejo de52cirurgiasderevisãodeartroplastiadejoelhoe corrobo-raramessesdados.

Lonner et al.23 relataram arevisãode ATJem 17casos,

nosquaisgrandesdefeitosósseosnãocontidosforam mane-jadoscomousodeenxertoósseoimpactado.Nesseestudo, nenhumafalhadaenxertiafoirelatada,emborao acompa-nhamentopós-operatórioem15casostenhasidomenordo que24meses.

Modernamente,ousodeconesdemetaltrabecular tân-talo,emdiversostamanhoseformatos,representaimportante opc¸ãoparatratamentodegrandesdefeitosósseos metafisá-riosemrevisõescomplexasdeartroplastiadejoelho.

Atécnica deimplantac¸ãodoconede tântaloé relativa-mentesimplificadaquandocomparadacomousodeenxerto estrutural e reduz,dessa forma, o tempo cirúrgico e, con-sequentemente, o risco de infecc¸ão. Outra vantagem é a eliminac¸ãodoriscopotencialdetransmissãodedoenc¸as con-tagiosasassociadasaotransplanteósseohomólogo.

Diversas características do metal trabecularsão favorá-veis a seu uso como biomaterialemcirurgias ortopédicas. Assim,destacam-se:oaltocoeficientedefricc¸ão,que possibi-litaaoconedetântaloapresentarótimaestabilidademecânica inicial,mesmocomreduzidaáreadecontatocomoosso hos-pedeiro;obaixomódulodeelasticidadedometal,queésimilar aodoossoesponjosoepossibilitamelhordistribuic¸ãodecarga e reduc¸ãodo fenômenode stress shielding; ea alta porosi-dade, quepossibilita asuperfíciede migrac¸ão de célulase osteointegrac¸ãoquandoemcontatocomossohospedeiroea interdigitac¸ãodocimentoquandoemcontatocomos implan-teseashastescimentadas.

(6)

ósseas,ostrabalhosqueavaliamaseguranc¸aeaefetividade dometaltrabecularnãosãonumerososeaamostragemé limi-tada,emboraosresultadosiniciaissejamsatisfatórios.24–27

EstudofeitoporMeneghini etal.24 queavaliou 15

cirur-giasderevisãocomdefeitotibiaissuperioresaT2B,comuso deconemetafisáriotrabecularnatíbiaproximalecom acom-panhamentomédiode34meses,nãoevidenciousolturaou migrac¸ãodosconesoucomponentesprotéticosenotaram-se sinaisradiológicosdeosteointegrac¸ãoemtodososcasos.

Damesmaforma,Radnay eScuderi,25 queavaliaram10

pacientes com defeitos tibiais proximais manejados com conemetafisáriotibialapós10 mesesdeacompanhamento pós-operatório,nãonotarammigrac¸ãoousolturade implan-tes.

Howard et al.26 estudaram 24 cirurgias de revisão de artroplastia total de joelho com falhaóssea no fêmur dis-taltratadoscom ousode conesmetafisáriosfemorais. Em acompanhamentopós-operatóriode33meses,não evidenci-aramcomplicac¸ões associadasaousodoconedetântaloe todoscom sinais radiográficosde osteointegrac¸ão. Concluí-ram,portanto,queconesmetafisáriosfemoraissãocapazes deproverefetivosuporteestruturalaosimplantesfemorais derevisão.

Lachiewics et al.27 relatam a implantac¸ão de 33 cones

detântalodurante 27cirurgias derevisãocom seguimento mínimode doisanoseverificaramsolturadosimplantese nãoosteointegrac¸ãodeconedetântalofemoralemumcaso, quenecessitou,portanto,dereabordagemcirúrgica.

Nossosdadosapresentam-seemconcordânciacoma lite-ratura.Emtodosospacientes,observamossinaisradiográficos deosteointegrac¸ãoenãonotamosqualquercasodemigrac¸ão ousolturadecomponentes.Ascomplicac¸õesocorridas,como infecc¸ãoefraturas periprotéticas,nãoforam associadasao usodometaltrabecular,massimàcomplexidadedoscasos. Emnossacasuística,amaioriadosdefeitosocorreunolado tibial.Entretanto,nãoverificamosdiferenc¸asnacapacidade deoconetrabecularproversuporteaoimplanteprotético,seja noladofemoralsejanotibial.

Conclusão

Ousodeconesdemetaltrabeculartântaloparatratamentode defeitosósseostipoIIouIIIAori,nocenáriodaartroplastiade revisãodojoelho,é,emavaliac¸ãodecurtoseguimento,capaz deproversuporteestruturaleficienteaosimplantesprotéticos derevisão.

Emavaliac¸ãodecurtoprazo,nãoverificamossolturasou migrac¸ãodecomponenteseidentificamososteointegrac¸ãoem todososcasos.Contudo,estudoscommaiornúmerodecasos emaioracompanhamentopós-operatóriosefazem necessá-rios.

1.KurtzS,MowatF,OngK,ChanN,LauE,HalpernM.

Prevalenceofprimaryandrevisiontotalhipandknee

arthroplastyintheUnitedStatesfrom1990through2002.J

BoneJointSurgAm.2005;87(7):1487–97.

2.MahomedNN,BarrettJ,KatzJN,BaronJA,WrightJ,LosinaE.

EpidemiologyoftotalkneereplacementintheUnitedStates

Medicarepopulation.JBoneJointSurgAm.2005;87(6):1222–8.

3.KurtzS,OngK,LauE,MowatF,HalpernM.Projectionsof

primaryandrevisionhipandkneearthroplastyintheUnited

Statesfrom2005to2030.JBoneJointSurgAm.

2007;89(4):780–5.

4.WhittakerJP,DharmarajanR,TomsAD.Themanagementof

bonelossinrevisiontotalkneereplacement.JBoneJointSurg

Br.2008;90(8):981–7.

5.TsahakisPJ,BeaverWB,BrickGW.Techniqueandresultsof

allograftreconstructioninrevisiontotalkneearthroplasty.

ClinOrthopRelatRes.1994;(303):86–94.

6.BushJL,WilsonJB,VailTP.Managementofbonelossin

revisiontotalkneearthroplasty.ClinOrthopRelatRes.

2006;452:186–92.

7.BradleyGW.Revisiontotalkneearthroplastybyimpaction

bonegrafting.ClinOrthopRelatRes.2000;(371):113–8.

8.LotkePA,CarolanGF,PuriN.Impactiongraftingforbone

defectsinrevisiontotalkneearthroplasty.ClinOrthopRelat

Res.2006;446:99–103.

9.HuffTW,SculcoTP.Managementofbonelossinrevisiontotal

kneearthroplasty.JArthroplasty.2007;227Suppl3:32–6.

10.BacksteinD,SafirO,GrossA.Managementofboneloss:

structuralgraftsinrevisiontotalkneearthroplasty.Clin

OrthopRelatRes.2006;446:104–12.

11.BaumanRD,LewallenDG,HanssenAD.Limitationsof

structuralallograftinrevisiontotalkneearthroplasty.Clin

OrthopRelatRes.2009;467(3):818–24.

12.MnaymnehW,EmersonRH,BorjaF,HeadWC,MalininTI.

Massiveallograftsinsalvagerevisionsoffailedtotalknee

arthroplasties.ClinOrthopRelatRes.1990;(260):144–53.

13.GhazaviMT,StockleyI,YeeG,DavisA,GrossAE.

Reconstructionofmassivebonedefectswithallograftin

revisiontotalkneearthroplasty.JBoneJointSurgAm.

1997;79(1):17–25.

14.BerreyBHJr,LordCF,GebhardtMC,MankinHJ.Fracturesof

allografts,Frequency,treatment,andend-results.JBoneJoint

SurgAm.1990;72(6):825–33.

15.EwaldFC.TheKneeSocietytotalkneearthroplasty

roentgenographicevaluationandscoringsystem.ClinOrthop

RelatRes.1989;(248):9–12.

16.LongWJ,ScuderiGR.Poroustantalumconesforlarge

metaphysealtibialdefectsinrevisiontotalkneearthroplasty:

aminimum2-yearfollow-up.JArthroplasty.

2009;24(7):1086–92.

17.SchildhauerTA,RobieB,MuhrG,KöllerM.Bacterial

adherencetotantalumversuscommonlyusedorthopedic

metallicimplantmaterials.JOrthopTrauma.

2006;20(7):476–84.

18.SchildhauerTA,PeterE,MuhrG,KöllerM.Activationof

humanleukocytesontantalumtrabecularmetalin

comparisontocommonlyusedorthopedicmetalimplant

(7)

19.EnghGA,ParksNL.Theuseofabonedefectclassification

systeminrevisiontotalkneearthroplasty.OrthopTrans.

1995;18:1136–40.

20.HockmanDE,AmmeenD,EnghGA.Augmentsandallografts

inrevisiontotalkneearthroplasty:usageandoutcomeusing

onemodularrevisionprosthesis.JArthroplasty.2005;20(1):

35–41.

21.EnghGA,AmmeenDJ.Useofstructuralallograftinrevision

totalkneearthroplastyinkneeswithseveretibialboneloss.

JBoneJointSurgAm.2007;89(12):2640–7.

22.ClatworthyMG,BallanceJ,BrickGW,ChandlerHP,

GrossAE.Theuseofstructuralallograftforuncontained

defectsinrevisiontotalkneearthroplasty.Aminimum

five-yearreview.JBoneJointSurgAm.2001;83-A(3):

404–11.

23.LonnerJH,LotkePA,KimJ,NelsonC.Impactiongraftingand

wiremeshforuncontaineddefectsinrevisionknee

arthroplasty.ClinOrthopRelatRes.2002;(404):145–51.

24.MeneghiniRM,LewallenDG,HanssenAD.Useofporous

tantalummetaphysealconesforseveretibialboneloss

duringrevisiontotalkneereplacement.JBoneJointSurgAm.

2008;90(1):78–84.

25.RadnayCS,ScuderiGR.Managementofboneloss:augments,

cones,offsetstems.ClinOrthopRelatRes.2006;446:83–92.

26.HowardJL,KuderaJ,LewallenDG,HanssenAD.Earlyresults

oftheuseoftantalumfemoralconesforrevisiontotalknee

arthroplasty.JBoneJointSurgAm.20112;93(5):478–84.

27.LachiewiczPF,BolognesiMP,HendersonRA,SoileauES,Vail

TP.Cantantalumconesprovidefixationincomplexrevision

Figure

Actualización...