Perceção de ruído urbano na cidade do Porto

167  Descargar (0)

Texto completo

(1)

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE 2016/2017

P

ERCEÇÃO DE RUÍDO URBANO NA CIDADE DO

P

ORTO

TATIANA LEMOS TEIXEIRA LOPES

Dissertação submetida para obtenção do grau de

MESTRE EM ENGENHARIA DO AMBIENTE

Presidente do Júri:

Manuel Fernando Ribeiro Pereira

(Professor Doutor do Departamento de Engenharia Química da Faculdade de

Engenharia da Universidade do Porto)

___________________________________________________________

Orientador académico:

Cecília Alexandra Abreu Coelho da Rocha

(Professora Doutora do Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia

da Universidade do Porto)

(2)
(3)

M

ESTRADO

I

NTEGRADO EM

E

NGENHARIA DO

A

MBIENTE

2016/2017

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Tel. +351-22-508 1901 Fax +351-22-508 1446

 catc@fe.up.pt

Editado por

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Rua Dr. Roberto Frias 4200-465 PORTO Portugal Tel. +351-22-508 1400 Fax +351-22-508 1440  feup@fe.up.pt  http://www.fe.up.pt

Reproduções parciais deste documento serão autorizadas na condição que seja mencionado o Autor e feita referência a Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente - 2016/2017 - Departamento de Engenharia Química, Faculdade de Engenharia da

Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2017.

As opiniões e informações incluídas neste documento representam unicamente o ponto de vista do respetivo Autor, não podendo o Editor aceitar qualquer responsabilidade legal ou outra em relação a erros ou omissões que possam existir.

(4)
(5)

À Clarinha, a melhor avó do mundo!

Ter a dúvida é saber exatamente o que estou a dizer. José de Almada Negreiros

(6)
(7)

AGRADECIMENTOS

Tudo começou na primeira aula de Acústica Ambiental em que aprendi que o ponto onde se altera a pressão é muito mais do que música e muito mais do que a maneira como comunicamos uns com os outros. Nunca me vou esquecer dessas aulas, que mudaram a maneira de encarar o meu percurso académico e me fizeram perceber que…”Tudo isto é acústica”. Obrigada Professor António Carvalho por ser professor na verdadeira aceção da palavra e ensinar a arte de engenharia aliada à arte de saber fazer rir.Nunca me vou esquecer também do momento em que conheci a professora Cecília Rocha e no qual este projeto começou a ser semeado. Esse foi o ponto de partida para o maior projeto da minha vida até então, mas, principalmente, para aprender, através do seu exemplo, que não se é engenheiro só das 9 às 5 e que o sucesso só se constrói com muito trabalho. Durante todos estes meses, a professora desafiou-me sempre a ser melhor e isso fez-me crescer... Muito! Obrigada, por tudo! Obrigada à Professora Cristina por ter sido uma grande aliada neste projeto, pelas suas palavras sempre sábias, sensatas e marcantes e, acima de tudo, pela sua disponibilidade incansável. O meu muito obrigada também à Doutora Isabel Pereira por me ter aberto a porta e ao Engenheiro Nuno pela boa-vontade de sempre. Agradeço também a todos os inquiridos que, sem qualquer tipo de recompensa, participaram nesta investigação e sem os quais não haveria nada sobre o que falar! Esta dissertação é dedicada à melhor avó do mundo porque nada disto seria possível sem ela. Nem eu seria nada. Clarinha, obrigada por todas as vezes que te levantaste (e ainda te levantas!) para me cobrir a meio da noite, obrigada por me dares tudo, obrigada me fazeres sentir que, contigo, nunca vou ficar desamparada. Eu posso contar contigo para tudo e tu sabes que podes contar comigo para tudo…E que vou dar-te sempre aqueles abracinhos de que tu foges! Durante este projeto, acompanhaste-me e vigiaste o equipamento de medição de ruído enquanto eu recolhia os dados dos inquéritos, como fazes tudo o resto para mim: com a maior dedicação do mundo. Sabes que nunca vou esquecer isso, assim como nunca te vou esquecer! Tu fazes parte de um núcleo que é tudo para mim: a nossa família. Nunca vou esquecer os domingos em que as cadeiras faltavam, assim como nunca vou deixar de sentir saudades de quem agora falta nessas cadeiras. Muito obrigada a vocês, que fazem de mim o que eu sou hoje, e me fazem sentir tão orgulhosa por todos os genes que partilhamos! Papá, avô, tios e Tiaguinho, obrigada por serem tão especiais e me darem tanto carinho, seja do lado de cá ou de lá.

Fred, obrigada por seres o meu equilíbrio e por teres entrado na minha vida. Antes de ti… Bem, eu já nem sei o que é que eu era antes de ti. Só sei que o meu nome só faz sentido ao lado do teu. E que é assim porque não podia ser de outra maneira. Obrigada por me preencheres e por seres tão boa pessoa. Somos a melhor dupla de sempre! Não poderia deixar de agradecer ao Tozé, o melhor cão e melhor terapia do mundo! Somos a melhor tripla de sempre, melhor dizendo!

O meu muito obrigada à Tuna Feminina de Engenharia da Universidade do Porto por me ter ensinado a viver “com amizade na Faculdade de Engenharia”. Em especial, no contexto deste projeto, muito obrigada Foto por seres tão boa ouvinte, muito obrigada LOK por seres a pessoa mais sensata que eu conheço e muito obrigada à Radar por garantires o meu sorriso fácil e porque sei que posso contar sempre contigo. Um agradecimento especial Nobe, por seres essencial na minha vida. Não há nada que pague a tua amizade, tu sabes… Obrigada por estares sempre lá! (smooooooth)

Por fim, muito obrigada a todos que partilharam comigo este percurso. Em especial, muito obrigada Inês, simplesmente pelo que és. Pela melhor amiga que alguém (que não, eu claro) podia ter. Não há muito a dizer: és incrível e tu sabes! Só não sabes o quanto eu te adoro e agradeço por seres minha amiga. Esse ombro, vale tudo! Muito obrigada também à Tichinha do meu coração, por toda a ajuda que me deste e por seres sempre tão incrível comigo! E muito obrigada Joaninha por não me teres deixado vacilar quando eu mais precisei, pelo teu incentivo e pela tua força que me deu ainda mais

(8)
(9)

RESUMO

A maneira como os indivíduos percecionam o mundo é altamente influenciada pelos sons e ruídos da sua envolvente. A exposição a elevados níveis de ruído, pode influenciar negativamente o usufruto dos espaços públicos, afetando o bem-estar da população, sendo a sua gestão alvo de preocupação atual. Esta investigação baseou-se na conceção de um inquérito socioacústico, adaptado à cidade do Porto, e na sua efetiva implementação, associada a medições de ruído. O inquérito foi desenvolvido em colaboração com uma docente da FCPCEUP, tendo por base a normalização e a bibliografia existente. Desenvolveu-se um ensaio preliminar (N=65) durante duas fases: em contexto académico, na FEUP (N=38) e em contexto urbano, na Rua das Flores (N=27). Foram identificadas oportunidades de melhoria e, consequentemente, reajustou-se o referido inquérito.

Passou-se à aplicação do inquérito (N=440), em simultâneo com as medições de ruído, nos oito locais selecionados com base no trabalho de pesquisa e no estudo empírico dos mesmos, nomeadamente, Praça da Liberdade, Rotunda da Boavista, Rua das Flores, Cais da Ribeira, Praça de Lisboa, Jardins da Foz, Palácio de Cristal e Parque da Cidade. Pretendeu-se perceber a reação aos estímulos sonoros da cidade pelos frequentadores desses espaços bem como perceber como é que a cidade é percecionada sob o ponto de vista dos visitantes e não-visitantes (residentes e/ou trabalhadores) e os efeitos do ruído.

Os locais menos ruidosos foram o Palácio de Cristal (LAeq = 57,6 dB), o Parque da Cidade (LAeq = 60,0

dB) e a Praça de Lisboa (LAeq = 60,2 dB) e os mais ruidosos a Rua das Flores (LAeq = 68,7 dB), Praça

da Liberdade (LAeq = 66,6 dB) e Rotunda da Boavista (LAeq = 65,8 dB).

O cruzamento dos dados das medições com os inquéritos, demonstrou que a níveis sonoros mais elevados não estão necessariamente associados níveis de incomodidade mais severos. Identificou-se a importância de fatores não-acústicos na perceção do ruído e das características locais, obtendo-se um modelo de incomodidade: .

O ruído rodoviário dominou a identificação das fontes sonoras. O ambiente sonoro do Porto caracterizou-se como sendo urbano e os inquiridos avaliaram o ruído da cidade num nível médio (3, de 1 a 5). O contexto espacial mostrou-se altamente influente nas respostas. O Parque da Cidade foi o local com maior satisfação acústica, ao contrário da Rotunda da Boavista que foi o local que causou menor satisfação (4,28 vs 2,38, de 1 a 5).

A perceção de ruído diferiu consoante a relação com a cidade, sendo que os visitantes demonstraram ser menos incomodados em comparação com os não-visitantes, mas também consoante o motivo para a visitar, visto que os visitantes devido a atividades recreativas são menos incomodados do que os visitantes devido a atividades não-recreativas. O centro histórico e o centro tradicional foram as áreas onde os residentes manifestaram maior incómodo. Verificou-se que o ruído laboral prejudica a atividade profissional dos indivíduos, afetando o desempenho e a comunicação com as pessoas. A maioria dos inquiridos (63%) considera que o ruído afeta a saúde ou a qualidade de vida das pessoas (nível 4 e 5, de 1 a 5).

(10)
(11)

ABSTRACT

The way that individuals percept the world is highly influenced by the acoustic environment of their surroundings. The exposure of high levels of noise can negatively influence the enjoyment of public spaces, affecting the well-being of the population, and being its management a current motive to care about.

This work consisted in the creation of a socioacoustic survey, adapted to Porto city, and in its implementation, associated with noise measurements. The survey was developed in collaboration with a professor from FPCEUP, based on norms and previous studies. A preliminary trial (N=65) was developed during two stages: academic context, at FEUP (N=38), and urban context, at Rua das Flores (N=27).

Once the opportunities for improvement were identified, the survey was applied (N=440) simultaneously with noise measurements, taken place in eight sites selected based on the research and empirical study of these places, being Praça da Liberdade, Rotunda da Boavista, Rua das Flores, Cais da Ribeira, Praça de Lisboa, Jardins da Foz, Palácio de Cristal e Parque da Cidade. The work aimed to understand what is the reaction to acoustic stimuli from the user of these sites, and how is the city perceived under the perspective of visitor and non-visitors (residents and/or workers), as well as the noise effects.

The sites with the least noise were Palácio de Cristal (LAeq = 57.6 dB), Parque da Cidade (LAeq = 60.0

dB) and Praça de Lisboa (LAeq = 60.2 dB). The sites with the most noise were Rua das Flores (LAeq =

68.7 dB), Praça da Liberdade (LAeq = 66.6 dB) and Rotunda da Boavista (LAeq = 65.8 dB).

The crossing of the measurement data with the surveys showed that high levels of sound does not necessarily associates with a bigger annoyance and that the same value of noise exposure can cause different levels of annoyance. The importance of non-acoustic factors (age, subjective sensitivity and motive) was identified in the perception of noise and local characteristics.

Traffic noise dominated the identification of noise sources. The acoustic environment of Porto was characterized as urban and the interviewed evaluated the city’s noise at a medium level (3 ou of 5). The spatial context was showed as highly influent of the answers. Parque da Cidade was the site with the highest acoustic satisfaction, opposing to Rotunda da Boavista which was the site that caused the lowest satisfaction (4.28 vs 2.38, from 1 to 5).

Noise perception differs according to the relation with the city (visitors were less annoyed than non-visitors) and also according to the motive of the visit (visitors that perform recreational activities are less annoyed than visitors that perform non-recreational activities). The historical and traditional centers were the sites were residents showed a higher annoyance. It was showed that labor related noise negatively influences the individual’s professional activity, affecting their performance and communication.

Most of the interviewed (63%) consider that noise affects health and life quality (levels 4 and 5, from 1 to 5).

(12)
(13)

ÍNDICE GERAL

AGRADECIMENTOS ... III RESUMO ... V ABSTRACT ... VII ÍNDICE DE FIGURAS ... XIII ÍNDICE DE QUADROS ...XVII

1 INTRODUÇÃO ... 1

1.1. ENQUADRAMENTO ... 1

1.2. OBJETIVOS E METODOLOGIA GERAL DA DISSERTAÇÃO ... 2

1.3. ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO ... 2

2 ACÚSTICA AMBIENTAL... 5

2.1. INTRODUÇÃO ... 5

2.2. CONCEITOS GERAIS ... 5

2.2.1.SOM &RUÍDO ... 5

2.2.2.CARACTERIZAÇÃO E DESCRIÇÃO DO SOM ... 6

2.2.3.PROPAGAÇÃO DO SOM ... 10

2.2.4.FONTES SONORAS ... 12

2.3. PERCEÇÃO DO RUÍDO ... 13

2.3.1.INTRODUÇÃO ... 13

2.3.2.SISTEMA AUDITIVO ... 13

2.3.3.EFEITOS DO RUÍDO NA SAÚDE ... 14

2.3.4.RECOMENDAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE... 17

2.4. ENQUADRAMENTO LEGAL DO RUÍDO ... 19

3 ESTADO DA ARTE ... 21

3.1. INTRODUÇÃO ... 21

3.2. PERCEÇÃO DE RUÍDO EM AMBIENTE URBANO ... 23

3.3. AVALIAÇÃO DO AMBIENTE SONORO EM CONTEXTO RESIDENCIAL E LABORAL ... 28

4 ELABORAÇÃO DO INQUÉRITO SOCIOACÚSTICO ... 31

(14)

4.2. CONCEÇÃO DO QUESTIONÁRIO ... 32

4.2.1.PRINCÍPIOS... 32

4.2.2.PROCESSO DE FORMULAÇÃO E SELEÇÃO DAS QUESTÕES ... 34

4.2.3.ENSAIO DO TESTE-PILOTO ... 38

4.2.4.IDENTIFICAÇÃO DAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA ... 39

4.3. ESTRUTURA FINAL DO INQUÉRITO... 41

5 A CIDADE DO PORTO COMO LABORATÓRIO VIVO:

DESCRIÇÃO DO CASO DE ESTUDO ... 45

5.1. CARACTERIZAÇÃO DA CIDADE DO PORTO ... 45

5.2. O RUÍDO NA CIDADE DO PORTO ... 50

5.2.1.INTRODUÇÃO ... 50

5.2.2.INFORMAÇÃO REPORTADA PELO MUNICÍPIO ... 51

5.2.3.CARACTERIZAÇÃO SONORA ATUAL ... 53

5.3. CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS DE ESTUDO ... 54

5.3.1.CONTEXTUALIZAÇÃO ... 54

5.3.2.LOCAL 1–PRAÇA DA LIBERDADE ... 56

5.3.3.LOCAL 2–ROTUNDA DA BOAVISTA /PRAÇA MOUZINHO DE ALBUQUERQUE ... 58

5.3.4.LOCAL 3–RUA DAS FLORES ... 60

5.3.5.LOCAL 4–CAIS DA RIBEIRA ... 63

5.3.6.LOCAL 5–PRAÇA DE LISBOA ... 65

5.3.7.LOCAL 6–JARDINS DA FOZ ... 68

5.3.8.LOCAL 7–JARDINS DO PALÁCIO DE CRISTAL ... 70

5.3.9.LOCAL 8–PARQUE DA CIDADE ... 73

5.4. CARACTERIZAÇÃO GLOBAL DA AMOSTRA ... 75

5.4.1.SÍNTESE DA AMOSTRA ... 75

5.4.2.ANÁLISE DESCRITIVA DA AMOSTRA ... 77

6 ANÁLISE E DISCUSSÃO DE RESULTADOS ... 81

6.1. INTRODUÇÃO ... 81

6.2. ANÁLISE NA GENERALIDADE ... 81

6.3. ANÁLISE DE RESULTADOS ASSOCIADA AOS LOCAIS DE ESTUDO ... 87

6.3.1.INTRODUÇÃO ... 87

(15)

6.3.3.CONTRIBUIÇÃO DAS FONTES SONORAS PARA A PERCEÇÃO DO RUÍDO ... 93

6.3.4.SATISFAÇÃO ACÚSTICA E SATISFAÇÃO RELATIVA ÀS CARACTERÍSTICAS DO LOCAL ... 99

6.4. ANÁLISE POR CLASSES DE INQUIRIDOS ... 100

6.4.1.INTRODUÇÃO ... 100

6.4.2.VISITANTES VSNÃO VISITANTES ... 101

6.4.3.RESIDENTES ... 104

6.4.4.TRABALHADORES ... 107

6.5. EFEITOS DO RUÍDO ... 109

7 CONCLUSÕES ... 113

7.1. CONCLUSÕES ... 113

7.2. RECOMENDAÇÕES PARA TRABALHOS FUTUROS ... 117

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ... 119 ANEXOS ... 127 ANEXO I ... 129 ANEXO II ... 130 ANEXO III ... 140 ANEXO IV ... 142

(16)
(17)

ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 1 - Metodologia geral utilizada no desenvolvimento da presente dissertação. ... 2

Figura 2 - Representação da propagação do som [19]. ... 5

Figura 3 - Som versus ruído [23]. ... 6

Figura 4 - Representação de uma onda de baixa frequência (A) e de alta frequência (B) (adaptado de [27]) . ... 7

Figura 5 - Gamas de frequências captadas pelo ouvido humano [24]. ... 7

Figura 6 – Amplitude do campo auditivo, com destaque da zona de maior sensibilidade do ouvido humano (adaptado de [28]). ... 8

Figura 7 - Curvas de igual sensibilidade auditiva, em fone (adaptado de [29]). ... 8

Figura 8 - Representação das curvas de ponderação (filtros) A, B, C e D (adaptado de [30]). ... 9

Figura 9 - Representação do nível de pressão sonora equivalente (Leq) (adaptado de [20]). ... 9

Figura 10 - Exemplo ilustrativo das diferenças entre L50, L95 e Leq [24]. ... 10

Figura 11 - Representação de uma onda sonora. (A) Ar no equilíbrio, com ausência de onda sonora; (B) compressões e rarefações que constituem uma onda sonora; (C) representação transversal da onda com referência a pressão atmosférica (adaptado de [33]). ... 11

Figura 12 - Movimento das partículas durante a propagação do som (adaptado de [21]). ... 11

Figura 13 - Níveis de pressão sonora e frequências típicos de fontes de ruído comuns (adaptado de [34]). ... 12

Figura 14 - Diagrama esquemático da experiência acústica (adaptado de [25]). ... 13

Figura 15 - Estrutura do ouvido humano (adaptado de [35]). ... 14

Figura 16 - Efeitos do ruído na saúde (adaptado de [38]). ... 15

Figura 17 - Pirâmide da OMS dos efeitos do ruído na saúde (adaptado de [41]). ... 16

Figura 18 – Resultados da sondagem realizada a nível europeu, em 2010, sobre a perceção dos europeus sobre a afetação da sua saúde pelo ruído (adaptado de [38]). ... 16

Figura 19 - Número estimado de indivíduos, na União Europeia, expostos a Lden superior a 55 dB, em 2012 (adaptado de [43]). ... 17

Figura 20 - Representação das fontes sonoras mencionadas no primeiro inquérito sobre ruído ambiental [50]. ... 21

Figura 21 – Diagrama da resposta dos visitantes dos locais de estudo à incomodidade induzida pelo ruído rodoviário, segundo Mohapathra et al.[9]. ... 25

Figura 22 - Diagrama da resposta dos residentes dos locais de estudo à incomodidade induzida pelo ruído rodoviário, segundo Mohapathra et al.[9]. ... 26

Figura 23 - Representação da influência na satisfação acústica da idade (a), ocupação (b), duração da estadia e (c) do motivo para estar no local (d), segundo Zhou et al. [10]. ... 27

Figura 24 - Exemplo de questão com resposta aberta no inquérito. ... 33

Figura 25 - Exemplo de questão com resposta de item de seleção no inquérito. ... 33

Figura 26 - Exemplo de questão com resposta de item de escala em forma de estrela no inquérito. ... 33

Figura 27 - Exemplo de questão com resposta de item de escala em forma de slide no inquérito. .... 33

Figura 28 - Painel inicial do inquérito socioacústico. ... 34

Figura 29 - Mapa das diferentes secções do questionário. ... 35

Figura 30 - Resultados da questão "O que é que lhe agrada mais no Porto?" obtidos na primeira etapa do teste-piloto (FEUP). ... 39

Figura 31 - Resultados da questão "O que acha que é mais importante numa cidade?" obtidos na primeira etapa do teste piloto (FEUP). ... 39

(18)

Figura 32 - Resultados da questão "Habitualmente, o ruído causa-lhe:" obtidos na primeira etapa

do teste-piloto (FEUP). ... 40

Figura 33 -Resultados da questão "Em geral, como lida com o ruído que o incomoda?" obtidos na primeira etapa do teste-piloto (FEUP). ... 40

Figura 34 - Divisão territorial da região: NUTS III e Municípios [98]. ... 45

Figura 35 - Mapa da cidade do Porto por zonas de interesse [via QGIS]. ... 46

Figura 36 - Evolução da população residente no Porto de 1900 a 2011 [111]. ... 48

Figura 37 - População residente no concelho do Porto em 1981, 1991, 2001 e 2011 [111]... 48

Figura 38 - Evolução do emprego no Porto por setor de atividade em 1991, 2001 e 2011 [112]. ... 49

Figura 39 - Evolução dos fluxos casa/trabalho internos, de entrada no Porto e de saída do Porto [112]. ... 49

Figura 40 - Evolução do número de dormidas e hóspedes no Porto de 2001 a 2011 [112]. ... 50

Figura 41 - Mapas de ruído do concelho do Porto para o período diurno (7h-23h), de acordo com o RGR2007, em 2009 [114] e 2014 [115] . ... 51

Figura 42 - Mapas de ruído do concelho do Porto para o período noturno (23h-7h), de acordo com o RGR 2007, em 2009 [114] e 2014 [115]. ... 52

Figura 43 – Sonómetro 3M, modelo SoundProSE/DL, classe 1, com microfone [118]. ... 53

Figura 44 – Tripé de fixação portátil Hama Star 63 [119]. ... 53

Figura 45 - Localização dos espaços públicos selecionados para a presente investigação [via Google Earth]. ... 55

Figura 46 - Parâmetros de análise dos locais de estudo abordados na presente investigação. ... 55

Figura 47 - Enquadramento geográfico do Local 1 – Praça da Liberdade [via Google Earth]. ... 56

Figura 48 - Classificação acústica da Praça da Liberdade, segundo o PDM do Porto, como zona mista [126]. ... 57

Figura 49 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado na Praça da Liberdade [fotografias da autora]. ... 58

Figura 50 - Enquadramento geográfico do Local 2 - Rotunda da Boavista (Praça Mouzinho de Albuquerque) [via Google Earth]. ... 58

Figura 51 - Classificação acústica da Rotunda da Boavista segundo o PDM do Porto como zona mista [126]. ... 59

Figura 52 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado na Rotunda da Boavista [fotografias da autora]. ... 60

Figura 53 Enquadramento geográfico do Local 3 – Rua das Flores [via Google Earth]. ... 61

Figura 54 - Classificação acústica da Rua das Flores segundo o PDM do Porto como zona mista [126]. ... 62

Figura 55 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado na Rua das Flores [fotografias da autora]. ... 62

Figura 56 - Enquadramento geográfico do Local 4 – Cais da Ribeira [via Google Earth]. ... 63

Figura 57 - Classificação acústica do Cais da Ribeira segundo o PDM do Porto como zona mista [126]. ... 64

Figura 58 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado no Cais da Ribeira [fotografias da autora]. ... 65

Figura 59 - Enquadramento geográfico do Local 5 – Praça de Lisboa [via Google Earth]. ... 66

Figura 60 - Classificação acústica da Praça de Lisboa segundo o PDM do Porto como zona mista [126]. ... 66

Figura 61 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado na Praça de Lisboa [fotografias da autora]. ... 67

(19)

Figura 62 - Enquadramento geográfico do Local 6 – Jardins da Foz [via Google Earth]. ... 68

Figura 63 - Classificação acústica da zona dos Jardins da Foz (Avenida Brasil), segundo o PDM do Porto, como zona mista [126]... 69

Figura 64 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado nos Jardins da Foz [fotografias da autora]. ... 69

Figura 65 - Enquadramento geográfico do Local 7 – Jardins do Palácio de Cristal [via Google Earth]. ... 71

Figura 66 - Classificação acústica da zona dos Jardins do Palácio de Cristal segundo o PDM do Porto como zona sensível [126]. ... 71

Figura 67 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado no Palácio de Cristal [fotografias da autora]. ... 72

Figura 68 - Enquadramento geográfico do Local 8 - Parque da Cidade [via Google Earth]. ... 73

Figura 69 - Classificação acústica da zona do Parque da Cidade segundo o PDM do Porto como zona sensível [126]. ... 74

Figura 70 - Registo fotográfico do trabalho de campo realizado no Parque da Cidade [fotografias da autora]. ... 75

Figura 71 – Distribuição da amostra total por género. ... 77

Figura 72 - Distribuição da amostra total por faixa etária. ... 77

Figura 73 - Mapa de distribuição da amostra total por país de origem... 78

Figura 74 - Distribuição da amostra total por nível de escolaridade. ... 78

Figura 75 - Distribuição dos inquiridos por classe de atividade profissional. ... 79

Figura 76 - Distribuição da amostra total por estado profissional dos inquiridos. ... 79

Figura 77 - Distribuição da amostra total baseada na relação dos inquiridos com a cidade. ... 80

Figura 78 – Distribuição das respostas relativamente à incomodidade devido ao ruído segundo a escala verbal, escala numérica e escala numérica colapsada. ... 82

Figura 79 – Relação entre o nível de incomodidade manifestado com a escala verbal e os níveis sonoros medidos. ... 83

Figura 80 – Relação entre o nível de incomodidade manifestado com a escala numérica e os níveis sonoros medidos. ... 83

Figura 81 - Incomodidade média e respetivo desvio padrão sentida pelos inquiridos, devido ao ruído ambiente, em função de: (a) Sexo; (b) Grupo etário (faixa etária); (c) Nível de escolaridade; (d) Sensibilidade subjetiva ao ruído; (e) Motivo para estar no local. ... 84

Figura 82 - Identificação das diferentes fontes sonoras, para diferentes níveis de exposição ao ruído ambiente... 85

Figura 83 - Incomodidade manifestada pelos inquiridos, segundo a escala verbal, consoante a fonte sonora identificada. ... 86

Figura 84 - Coeficiente de correlação  de Kendall, entre a incomodidade geral manifestada pelos inquiridos e a incomodidade manifestada em relação a cada fonte. Nota: (**) A correlação é significativa para α ≤ 0,01. ... 87

Figura 85 - Vista aérea os locais de estudo em análise [via Google Earth]. ... 88

Figura 86 – Avaliação subjetiva do ruído na cidade do Porto. ... 89

Figura 87 – Avaliação subjetiva da intensidade sonora em cada local de estudo. ... 89

Figura 88 - Valores médios do nível sonoro contínuo equivalente (LAeq), do nível sonoro excedido em 50% (LA50) e do nível sonoro excedido em 95% (LA95) obtidos em cada local de estudo... 90

Figura 89 - Relação entre os níveis de exposição ao ruído, a avaliação subjetiva média da intensidade sonora e a incomodidade devido ao ruído. ... 91

(20)

Figura 90 – Relação entre o nível sonoro contínuo equivalente (LAeq) e a incomodidade sonora,

reportada na escala verbal, para cada local de estudo ... 92

Figura 91 - Variação do nível de pressão sonora contínua equivalente (LAeq) em cada local de estudo. ... 94

Figura 92 - Fontes sonoras identificadas pelos inquiridos em cada local de estudo... 95

Figura 93 - Incomodidade causada pelas fontes sonoras identificadas em cada local de estudo. ... 97

Figura 94 - Nível de satisfação em relação ao ambiente sonoro de cada local de estudo. ... 99

Figura 95 - Coeficiente de correlação B de Kendall entre a satisfação relativa aos sons locais e a satisfação relativa às outras características. (**) Correlação significativa para ρ ≤ 0,01. ... 100

Figura 96 - Características da cidade do Porto mais apreciadas pelos residentes e/ou trabalhadores e os visitantes da cidade. ... 101

Figura 97 - Avaliação subjetiva do ruído na cidade do Porto segundo residentes e/ou trabalhadores, visitantes por turismo/lazer, visitantes por outras atividades e todos os inquiridos. .. 102

Figura 98 - Incomodidade reportada pelos residentes e/ou trabalhadores, visitantes por turismo/lazer, visitantes por outras atividades e todos os inquiridos, devido ao ruído dos locais de estudo. ... 103

Figura 99 – Incomodidade média manifestada por residentes e/ou trabalhadores e para visitantes, consoante o tipo de fonte sonora. ... 104

Figura 100 - Distribuição das habitações dos inquiridos residentes na cidade do Porto [via QGis] .. 105

Figura 101 - Mapa da incomodidade manifestada, pelos inquiridos residentes no Porto, devido ao ruído em contexto residencial, segundo a repartição territorial assumida para o Porto. ... 106

Figura 102 - Fontes sonoras do exterior identificadas pelos inquiridos como sendo as que mais incomodam em contexto residencial. ... 107

Figura 103 - Respostas dos trabalhadores na cidade do Porto sobre se o ruído do local de trabalho incomoda, se prejudica o desempenha e se prejudica a comunicação com as outras pessoas. ... 108

Figura 104 - Efeitos do ruído sentidos pelos inquiridos. ... 109

Figura 105 – Relação entre os resultados manifestados pelos inquiridos à questão “Considera que o ruído afeta a saúde ou a qualidade de vida das pessoas?” e as respostas que os mesmos reportaram sobre os malefícios que consideram advir do excesso de ruído. ... 110

(21)

ÍNDICE DE QUADROS

Quadro 1 - Valores recomendados pela Organização Mundial de Saúde para ambientes

específicos e respetivos potenciais efeitos (adaptado de [37]). ... 18

Quadro 2 - Valores limite máximos de exposição em função da classificação acústica do território [31]. ... 20

Quadro 3 - Estrutura final do inquérito ... 41

Quadro 4 - Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 1 - Praça da Liberdade. ... 57

Quadro 5 - Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 2 - Rotunda da Boavista. ... 60

Quadro 6 - Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 3 – Rua das Flores. ... 63

Quadro 7 – Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 4 – Cais da Ribeira. ... 64

Quadro 8 - Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 5 – Praça de Lisboa. ... 67

Quadro 9 - Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 6 – Jardins da Foz. ... 70

Quadro 10 - Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 7 – Palácio de Cristal. ... 73

Quadro 11- Valores médios das medições de ruído realizadas no Local 8 – Parque da Cidade. ... 75

Quadro 12 - Resumo da caracterização da amostra obtida em cada local de estudo ... 76

Quadro 13 –Comparação entre a perceção do ambiente sonoro manifestada pelos trabalhadores que responderam ao inquérito nos locais de estudo e os restantes inquiridos da amostra total ... 108

(22)
(23)

SÍMBOLOS, ACRÓNIMOS E ABREVIATURAS

α – nível de significação para a obtenção do coeficiente de correlação B de Kendall

CPP – Classificação Portuguesa das Profissões dB – decibel

dB(A) – decibel, filtrado por uma curva de ponderação tipo A DEC - Departamento de Engenharia Civil

Dept - Departamento

DRA – Diretiva de Ruído Ambiente

END – Environmental Noise Directive 2002/49/EC f – frequência [Hz]

F – constante de tempo fast

FEUP – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

FPCEUP – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto GIT – grande infraestrutura de transporte

h - hora ha - hectare Hz – hertz

I – intensidade sonora [W/ m2] I – constante de tempo impulsive

I0 - valor de referência de intensidade sonora [10-12W/m2]

ICBEN – The International Commission on the Biological Effects of Noise INE – Instituto Nacional de Estatística

IPQ – Instituto Português da Qualidade

ISO – Organização Internacional de Normalização km - quilómetro

LA10 – nível sonoro excedido em 10% do tempo de medição, ponderado A [dB]

LA50 – nível sonoro excedido em 50% do tempo de medição, ponderado A [dB]

LA95 – nível sonoro excedido em 95% do tempo de medição, ponderado A [dB]

LAeq – nível sonoro contínuo equivalente, ponderado A [dB]

LAmax – nível máximo de pressão sonora, ponderado A [dB]

Ld – indicador de ruído diurno [dB(A)]

Lden – indicador de ruído diurno-entardecer-nocturno [dB(A)]

(24)

Leq – nível de pressão sonora contínuo equivalente [dB]

LI - nível de intensidade sonora [dB]

Ln – indicador de ruído noturno [dB(A)]

LN – nível de pressão sonora excedida em N% do tempo de medição [dB]

Lp – nível de pressão sonora [dB]

Lpeak – nível de pressão sonora de pico [dB]

LW - nível de potência sonora [dB]

m - metro mm - milímetro N - norte

NP – norma portuguesa

NUTS – Nomenclaturas de Unidades Territoriais, para fins estatísticos p – pressão sonora [Pa]

p0 – pressão sonora de referência [2x10-5Pa]

Pa – pascal

PDM – Plano Diretor Municipal

PMRR- Plano Municipal de Redução de Ruído Pq. - parque

Pr. - praça

OMS – Organização Mundial de Saúde Ref - Referência

RGR – Regulamento Geral do Ruído

RLPS – Regulamento Legal sobre Poluição Sonora Rot. - rotunda

s - segundo t – tempo [s]

T – temperatura em graus kelvin [K] ou graus celsius [ºC] Tab - Tabela

UNESCO - United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization VCI – Via de Cintura Interna

(25)

1

INTRODUÇÃO

1.1. ENQUADRAMENTO

Os espaços públicos funcionam como importantes elementos dos centros urbanos, proporcionando oportunidades de lazer e de interação social [1]. A utilização destes espaços envolve uma experiência multissensorial, destacando-se a experiência acústica, dado que a maneira como os indivíduos percecionam o mundo é altamente influenciada pelos sons e ruídos da sua envolvente.

Do ponto de vista da Acústica, os centros urbanos são compostos por uma diversidade de espaços, nos quais a perceção sonora pode ser afetada pela modelação dos sons, relacionada com as formas urbanas, as atividades aí existentes e até o modo de vida dos habitantes. A Diretiva nº 2002/49/EC [2], transposta para a ordem jurídica interna pelo Decreto-Lei n.º 146/2006[3], regulamenta a avaliação e gestão do ruído ambiente em contexto europeu, sendo que define os limites do ruído para cada área em função do uso do solo. Este documento formaliza a criação de zonas sensíveis nas cidades com o objetivo de propiciar espaços, dentro dos centros urbanos, favoráveis ao distanciamento da população do stress acústico típico destas áreas.

A exposição a elevados níveis de ruído, particularmente comuns em contexto urbano, pode influenciar negativamente o usufruto dos espaços públicos, afetando tanto o conforto e bem-estar da população, como a sua saúde. O ruído apresenta-se, portanto, como das principais causas da degradação da qualidade do ambiente urbano, sendo que a sua propagação e controlo é alvo de preocupação atual [4]. O presente panorama em matéria de ruído da Europa evidencia a degradação da sua paisagem sonora, principalmente devido ao tráfego rodoviário. Estima-se que, atualmente, o ruído provoca aproximadamente 10.000 mortes prematuras em território europeu, sendo que cerca de 20 milhões de europeus que se sentem incomodados pelo ruído ambiental e ainda 8 milhões experimentam perturbações durante o sono [5].

Tendo em conta a atual conjuntura, é evidente a necessidade, não só de reduzir os níveis de ruído, como também de compreender a interpretação do ambiente sonoro pela população e o efeito que essa interpretação tem sobre o bem-estar das pessoas [4].

Vários estudos têm sido desenvolvidos neste sentido nos mais diversos centros urbanos [6-12]. Os resultados evidenciam a subjetividade da avaliação do ruído, altamente dependente das características pessoais de cada indivíduo. Não se pode garantir, portanto, que um maior conforto acústico resulte apenas da redução dos níveis de ruído nas áreas urbanas. A avaliação do ambiente sonoro não é dependente apenas de parâmetros objetivos (como os níveis de ruído medidos), mas também depende de parâmetros subjetivos, nomeadamente fatores sociodemográficos (como a idade e o nível de educação) [9, 13], fatores pessoais (como sensibilidade ao ruído e o humor atual) [14, 15], a perceção

(26)

do ambiente circundante (incluindo a aparência visual, a qualidade do ar e a presença de áreas verdes) [16] e as atividades diárias dos inquiridos [17].

Com o objetivo de entender a sensação dos cidadãos e dos turistas do Porto sobre o ambiente sonoro da cidade, foram criadas condições para um estudo sobre a perceção do ruído urbano, no âmbito da presente investigação. Considerou-se a qualidade sonora dos espaços públicos e as características ambientais da cidade do Porto, desenvolvendo-se uma análise objetiva e subjetiva, através de inquéritos socioacústicos em simultâneo com medições de ruído.

1.2. OBJETIVOS E METODOLOGIA GERAL DA DISSERTAÇÃO

A presente investigação baseou-se na conceção de um inquérito socioacústico, adaptado à cidade do Porto, e na sua efetiva implementação, associada a medições de ruído.

O cruzamento da informação proveniente das medições com as respostas dos inquéritos, teve como objetivo perceber quais as principais fontes de ruído que preenchem o ambiente sonoro de diferentes espaços da cidade do Porto e a interpretação pessoal que é atribuída pelos seus frequentadores aos estímulos sonoros em presença. Além disso, pretendeu-se também perceber como é que a cidade é percecionada sob o ponto de vista dos que trabalham e residem nela, mas também sob o ponto de vista de quem a visita. O presente estudo aborda os efeitos do ruído em contexto urbano.

Para tal, desenvolveu-se a metodologia representada na Figura 1.

Figura 1 - Metodologia geral utilizada no desenvolvimento da presente dissertação.

1.3. ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO

O presente estudo encontra-se organizado em sete capítulos. Segue-se uma descrição sucinta de cada um por forma a facilitar a compreensão da temática em análise e da investigação desenvolvida. O primeiro capítulo, “Introdução, é dedicado à contextualização do trabalho, exposição dos objetivos definidos e da metodologia geral e organização da estrutura da dissertação.

(27)

No terceiro capítulo, “Estado da arte”, é desenvolvida uma revisão bibliográfica de estudos de

perceção do ambiente sonoro que envolvem análise subjetiva e objetiva do mesmo, baseados em diferentes metodologias.

No quarto capítulo, “Elaboração do inquérito socioacústico”, consta a exposição do processo de

conceção do formulário do inquérito, abordando os princípios em que foi assente e a formulação e seleção das questões, Este processo desenvolveu-se de encontro aos objetivos traçados para o projeto e com base na bibliografia revista no capítulo anterior. É descrito o ensaio do teste-piloto, identificando-se as oportunidades de melhoria decorrentes da sua aplicação. No fim deste capítulo é apreidentificando-sentado o esqueleto do inquérito final.

O quinto capítulo, “A cidade do Porto como laboratório vivo: Descrição do estudo de caso”, está

centralizado na análise da área em estudo, o concelho do Porto, através da caraterização da cidade e da descrição da gestão do ruído dentro do seu território. Nesta secção, está também patente, a caracterização dos locais de estudo e da amostra abordada durante a recolha de dados.

No capítulo 6 é efetuada a “Análise e discussão de resultados” decorrentes do trabalho de campo

desenvolvido no contexto da presente investigação. Neste capítulo são apresentados e discutidos os dados das medições de ruído bem como das respostas ao inquérito socioacústico aplicado. O cruzamento de dados é abordado primeiramente sob uma perspetiva geral seguida da análise dos dados no contexto do local de estudo. É efetuada também uma análise sob o ponto de vista dos grupos identificados como sendo visitantes e não visitantes da cidade, bem como o estudo dos efeitos do ruído..

Por fim, no capítulo 7, constam as “Conclusões”, com base nos resultados obtidos e tendo em vista o

(28)
(29)

2

ACÚSTICA AMBIENTAL

2.1. INTRODUÇÃO

Entende-se por Acústica o ramo da Física que se ocupa da “geração, transmissão e receção de energia na forma de ondas vibracionais através da matéria” [18]. Estas ondas propagam-se através da variação da pressão atmosférica sendo posteriormente detetadas pelo sistema auditivo e interpretadas pelo cérebro (Figura 2).

Figura 2 - Representação da propagação do som [19].

A Acústica, como se conhece atualmente, não existiria se os seres vivos não fossem dotados de um sistema auditivo que lhes permitisse captar sons. Esta é uma área de conhecimento de natureza interdisciplinar, cujo âmbito de estudo abrange áreas tão diversas como as Ciências Naturais, Engenharia, Ciências Sociais e Artes [20].

2.2. CONCEITOS GERAIS 2.2.1. SOM &RUÍDO

A definição de som tanto pode ser descrita como uma onda em movimento num meio elástico, sendo neste caso um estímulo, como referir-se ao impulso provocado no cérebro devido à captação pelo sistema auditivo de variações de pressão num dado meio, sendo considerado como uma sensação [21]. Neste último caso, essa sensação tem um caráter altamente subjetivo, cuja avaliação depende do recetor desse som (Figura 3) [22].

(30)

Figura 3 - Som versus ruído [23].

Quando a sensação associada a um determinado estímulo auditivo é considerada pelo ouvinte como indesejada, prejudicial ou desagradável, o recetor define-o como ruído. Percebe-se, assim, que o mesmo estímulo sonoro possa ser considerado como um som ou um ruído, em função do gosto individual do recetor e da interpretação que este lhe atribui [22].

2.2.2. CARACTERIZAÇÃO E DESCRIÇÃO DO SOM

Um dado som pode ser caracterizado pelo nível de pressão sonora, pela frequência e pelo tempo de duração [24].

A pressão sonora trata-se da variação entre a pressão ambiente instantânea e a pressão atmosférica a partir da qual o ouvido consegue captar essas variações (≈ 105 Pa). O valor mínimo da variação de pressão audível por um ser humano saudável, denominado por limiar da audição, é de 2x10-5Pa, enquanto o valor extremo, limiar da dor, é de 100 Pa. Desta forma, a amplitude da audição humana, em termos de pressão sonora, é de 107. Esta escala de variação é muito ampla, pelo que a utilização da unidade Pascal para caracterização da pressão sonora gera valores muito díspares, de difícil comparação e análise.

Recorreu-se, então, à conversão da escala linear em Pascal para uma escala logarítmica, a partir da qual se obtém o nível de pressão sonora, que utiliza uma escala em bel, denominação atribuída em honra do cientista Alexander Graham Bell. A unidade de grandeza desta escala de níveis de pressão sonora é o decibel (dB) que corresponde a 1/10 do bel [24].

O nível de pressão sonora é calculado através da Eq. 1:

Eq. 1

Em que corresponde ao nível de pressão sonora, em dB, à pressão sonora em Pa e à pressão sonora de referência , o limiar mínimo de audição [25].

(31)

(Hz) , em honra ao físico alemão Heinrich Hertz [25]. Um hertz equivale a uma vibração por segundo [26]. A um maior número de ciclos por intervalo de tempo corresponde um som de alta frequência e a um menor número de ciclos um som de baixa frequência (Figura 4).

Figura 4 - Representação de uma onda de baixa frequência (A) e de alta frequência (B) (adaptado de [27]) .

Por norma, em Acústica encontram-se categorizadas três grandes zonas de frequências: graves (20 a 355 Hz), médias (355 a 1.410 Hz) e agudas (1.410 a 20.000 Hz) [24]. O ouvido humano (genericamente de um jovem adulto de audição normal) consegue captar sons com frequências que variam entre 20 e 20.000 Hz. Os sons com frequências inferiores são considerados infrassons e os de frequência superior ultrassons Figura 5 [21, 24].

Figura 5 - Gamas de frequências captadas pelo ouvido humano [24].

A sensibilidade auditiva do ouvido humano varia em frequência. Este órgão é particularmente sensível no intervalo dos 2.300 a 2.800 Hz e muito pouco sensível para emissões sonoras de baixas frequências (Figura 6). No entanto, a sensibilidade do ouvido humano também está dependente da intensidade sonora com que o próprio som é emitido [24].

Esta sensibilidade é uma particularidade do ouvido humano, não sendo naturalmente reproduzida pelos equipamentos. Para traduzir esta limitação é necessário ajustar a sensibilidade dos equipamentos aproximando-os à sensibilidade do ouvido humano. Esse ajuste é efetuado através da aplicação de filtros eletrónicos nos aparelhos que corrigem os valores medidos através de curvas de ponderação [24].

(32)

Figura 6 – Amplitude do campo auditivo, com destaque da zona de maior sensibilidade do ouvido humano (adaptado de [28]).

As curvas de ponderação são curvas de igual perceção subjetiva da intensidade sonora, escalonadas pela unidade fone. O fone é uma unidade que assume, por convenção, o valor numérico do respetivo nível de pressão sonora na frequência de 1.000 Hz (Figura 7) [24].

Figura 7 - Curvas de igual sensibilidade auditiva, em fone (adaptado de [29]).

Os filtros atualmente existentes designam-se por filtro A, B, C e D (Figura 8) [24]. Os filtros A, B e C são uma inversão das curvas dos 40, 70 e 100 fones, respetivamente, sendo que o filtro A foi desenvolvido para ruídos de fraca intensidade (20 a 55 dB) enquanto que o B e C para ruídos mais intensos (55 a 85 dB e superiores a 85 dB) [20, 21] . Atualmente o filtro A é praticamente utilizado de

(33)

Figura 8 - Representação das curvas de ponderação (filtros) A, B, C e D (adaptado de [30]).

Os valores ponderados são obtidos através da adição algébrica dos valores medidos dos níveis de pressão sonora em dB com os valores corretivos [24].

Tendo em conta a variação dos níveis de pressão sonora para a maior parte dos sons ao longo do tempo, não é conveniente basear a sua caracterização com base em valores instantâneos. Para o efeito, recorre-se a descritores estatísticos e/ou energéticos, descrevendo com um único valor (ou um conjunto de valores únicos) o fenómeno acústico ocorrido num dado intervalo de tempo.

O principal parâmetro descritor energético é o “nível de pressão sonora contínua equivalente” Leq que

se define como um valor equivalente ao valor que seria necessário ocorrer durante um intervalo de tempo para produzir a mesma energia que o som que se deseja avaliar (Figura 9) [24].

(34)

Este parâmetro é calculado através da Eq. 2:

Eq. 2

Os parâmetros estatísticos estão associados a percentis de densidade de probabilidade. Definindo-se LN como o como o “nível de pressão sonora que num dado intervalo de tempo é excedido em N% da

duração temporal desse intervalo” [24].

No contexto da presente investigação, destacam-se como parâmetros estatísticos o LA50 e o LA95, que

correspondem ao nível sonoro (dB) excedido em 50% e 95% do tempo de medição, respetivamente. O LA50 representa a mediana dos valores dos níveis de ruído, enquanto que o LA95 é representativo do

ruído de fundo.

Estes são descritores do ruído ainda utilizados em Portugal apesar de já não constarem na legislação nacional [24] com a entrada do Regulamento Geral do Ruído [31] e do Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios [32]. A Figura 10 permite comparar as diferenças entre vários parâmetros estatísticos.

Figura 10 - Exemplo ilustrativo das diferenças entre L50, L95 e Leq [24].

2.2.3. PROPAGAÇÃO DO SOM

As ondas sonoras propagam-se de forma concêntrica e esférica em função de uma fonte sonora e através de um meio elástico, geralmente o ar [21].

A propagação do som desenvolve-se a partir de um ponto onde as partículas são estimuladas criando uma variação de pressão. Devido a esse estímulo, as partículas vão colidindo sucessivamente entre si, propagando-se através da formação de zonas de compressão (onde a pressão do ar é mais elevada do que a pressão atmosférica) e rarefação (onde a pressão do ar é mais baixa do que a pressão atmosférica), como observável na Figura 11 [21].

(35)

Figura 11 - Representação de uma onda sonora. (A) Ar no equilíbrio, com ausência de onda sonora; (B) compressões e rarefações que constituem uma onda sonora; (C) representação transversal da onda com

referência a pressão atmosférica (adaptado de [33]).

O som propaga-se no ar com as propriedades típicas das ondas longitudinais, ou seja, as partículas do meio movem-se na mesma direção que a propagação da onda [34]. Apesar do fenómeno acústico gerar a excitação das moléculas, não provoca o seu deslocamento permanente, voltando à sua posição de equilíbrio (Figura 12) [21].

Figura 12 - Movimento das partículas durante a propagação do som (adaptado de [21]).

O som obedece à lei da radiação, o que significa que a sua intensidade diminui proporcionalmente com a distância à fonte [34]. À medida que o som se afasta de uma fonte ao ar livre, é atenuado através de uma variedade de mecanismos de atenuação, como por exemplo, atenuação por divergência geométrica, devida ao ar, devida a densa vegetação e devida a ação dos gradientes de temperatura e velocidade do vento [20, 24].

(36)

2.2.4. FONTES SONORAS

Uma fonte sonora é o centro de propagação a partir do qual o som se alastra sob a forma de ondas esféricas concêntricas, através da vibração do meio elástico [18].

As fontes podem ser categorizadas como pontuais, se o emissor se assemelha a um único ponto do espaço, ou lineares, quando se desenvolvem a partir de segmento linear. Como exemplos de fontes pontuais, podem-se considerar os aviões, sinos de igreja e chaminés de fábricas. Enquanto que, como fontes lineares, apresentam-se as linhas de alta tensão e as vias ferroviárias, mas também as vias rodoviárias, uma vez que apesar de, individualmente, os carros equivalerem a fontes pontuais, no seu conjunto, tendo em conta o contexto de uma estrada com elevado tráfego automóvel, poderem ser classificados como uma fonte linear [24].

No contexto da presente investigação, são consideradas as mais diversas fontes de ruído, especialmente as definidas pela legislação nacional em vigor como a “ação, atividade permanente ou temporária, equipamento, estrutura ou infraestrutura que produza ruído nocivo ou incomodativo para quem habite ou permaneça em locais onde se faça sentir o seu efeito” [31].

Na Figura 13 estão representadas algumas das fontes de ruído mais comuns, conjuntamente com os valores de frequência que tipicamente apresentam, ilustrando a sua posição numa escala de nível sonoro.

(37)

De acordo com a sua duração e natureza da fonte podem-se individualizar três tipos de ruídos: contínuos, intermitentes ou impulsivos. O ruído contínuo é um ruído constante ao longo do tempo. Um bom exemplo de uma fonte deste tipo de ruído é uma unidade de ar-condicionado de operação contínua. O ruído intermitente processa-se por ciclos, geralmente em intervalos irregulares, sendo exemplos o uso intermitente de uma serra de madeira, o arranque de uma empilhadora num armazém ou o ruído resultante da passagem de um avião. O ruído impulsivo trata-se de um ruído súbito e brusco que decorre durante um intervalo de curta duração, sendo resultante de um impacto ou de uma explosão. São exemplos deste tipo de ruído as sirenes de veículos de emergência ou os foguetes [20]. A posição relativa na qual se encontra localizada a fonte de ruído, é um importante fator na sua propagação. Quando duas fontes estão presentes em simultâneo num meio livre, uma das fontes pode interferir com a perceção da outra. Esta interferência é reduzida se as duas estiverem localizadas em diferentes direções relativamente ao ouvinte. Se o ruído vier da mesma direção, o impacto na experiência acústica é máximo, bem como os efeitos que advém da situação, nomeadamente a incomodidade. Portanto, se uma segunda fonte não puder ser eliminada, os efeitos podem ser atenuados mudando de local uma das fontes em função da outra [25].

Como observável nos capítulos que se seguem, o processo de perceção de ruído é um fenómeno de carácter complexo, que extrapola as características físicas da propagação e dependente de múltiplos fatores.

2.3. PERCEÇÃO DO RUÍDO 2.3.1. INTRODUÇÃO

A experiência acústica é um sistema que envolve três elementos básicos: uma fonte sonora, um meio de transmissão e um recetor (Figura 14) [25].

Figura 14 - Diagrama esquemático da experiência acústica (adaptado de [25]).

Sem o recetor não existe um fenómeno acústico, o que evidencia o papel preponderante do ouvinte nesta dinâmica. É através do sistema auditivo que o recetor consegue captar a mensagem sonora para, posteriormente, a interpretar. Assim, é importante perceber como é que o sistema auditivo funciona, como é que estes mecanismos se processam, bem quais os seus efeitos na saúde humana e as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) que advêm desses efeitos.

2.3.2. SISTEMA AUDITIVO

Ouvir é uma das funções psicológicas através da qual as pessoas percecionam o meio envolvente [6]. Essa função é desempenhada pelo sistema auditivo, que engloba um conjunto de órgãos periféricos e regiões específicas no sistema nervoso central. Além do mecanismo de audição, este sistema desempenha uma importante função de sensação de equilíbrio [35].

(38)

Anatomicamente, o ouvido é constituído por três partes: o ouvido externo (pavilhão da orelha, canal auditivo e tímpano), o ouvido médio (ossículos, martelo, bigorna e estribo) e o ouvido interno (cóclea) (Figura 15) [24].

Figura 15 - Estrutura do ouvido humano (adaptado de [35]).

O ouvido externo capta o som e converte-o num movimento vibratório do tímpano. Apresenta uma estrutura cartilaginosa, o pavilhão da orelha, cuja forma ajuda na receção de sons e proporciona alguma discriminação direcional. Este pavilhão forma a entrada do canal auditivo, que por sua vez conduz ondas sonoras ao tímpano. O canal auditivo, com cerca de 5 a 7 mm de diâmetro e cerca de 27 mm de comprimento, atua como um tubo, fechado numa extremidade, no qual se forma frequência de ressonância natural de aproximadamente 300 Hz. Essa ressonância aumenta a sensibilidade da audição nesta região. No fim do canal auditivo, encontra-se o tímpano, que separa o ouvido externo do ouvido médio [25].

O ouvido médio é uma cavidade cheia de ar de cerca de 2 cm3 que apresenta um mecanismo que transmite o movimento vibratório do tímpano para o ouvido interno. Este mecanismo envolve três pequenos ossos: o martelo que está ligado ao tímpano, o bigorna que forma uma alavanca de interligação, e o estribo que se anexa à janela oval, que por sua vez serve como entrada para a cóclea [25]. Estes ossículos funcionam como um amplificador, permitindo que as ondas sonoras passem do meio aéreo para o meio líquido no interior da cóclea [24].

O ouvido interno é um sistema complexo de vários canais. Dentro dele estão localizadas as terminações nervosas sensoriais que proporcionam a sensação de equilíbrio e audição [25]. O ouvido interno contém a cóclea que constitui o órgão sensorial terminal do mecanismo da audição, onde a vibração associada ao estímulo sonoro é convertida num estímulo de natureza eletroquímica, que posteriormente irá ser interpretada pelo córtex cerebral [36].

2.3.3. EFEITOS DO RUÍDO NA SAÚDE

A Organização Mundial de Saúde (OMS) [37] define os efeitos adversos do ruído como sendo uma alteração da morfologia e fisiologia de um organismo, que resulta na diminuição da capacidade funcional e da capacidade de compensar o stress adicional, ou no aumento da suscetibilidade do

1 - Pavilhão auricular 2 - Canal auditivo 3 - Tímpano 4 - Martelo 5 - Bigorna 6 - Estribo 7 - Cóclea 8 - Tubo de Eustáquio

(39)

Os efeitos causados pelo ruído na saúde podem ser divididos em três categorias principais: psicológicos, sociais e fisiológicos [34]. Esses efeitos podem-se manifestar, direta ou indiretamente (Figura 16), podendo desencadear, doenças cardiovasculares, e, em última instância, a morte [38].

Figura 16 - Efeitos do ruído na saúde (adaptado de [38]).

A manifestação direta do ruído resulta da interação instantânea do nervo acústico com as várias estruturas do sistema nervoso central, levando à diminuição da capacidade auditiva. Esta é uma consequência direta dos efeitos da energia sonora no ouvido interno [38, 39].

Apesar de elevados níveis de exposição estarem intimamente relacionados com os efeitos diretos do ruído, tal não significa que a diminuição da exposição ao ruído neutralize o seu caráter nocivo. Segundo a OMS, são vários os estudos realizados que evidenciam que a exposição ao ruído, mesmo para um nível moderado, manifesta-se indiretamente e tem efeitos na saúde [37]. Assim, os efeitos agudos do ruído podem ocorrer mesmo em ambientes com níveis sonoros relativamente baixos,

(40)

normalmente procurados para atividades de lazer, com o intuito de propiciar o relaxamento, concentração e descanso [40].

A Figura 17 mostra a pirâmide da OMS, onde está patente a extensão dos impactes associados à exposição crónica ao ruído, desde a incomodidade à mortalidade. Os efeitos mais significativos do ruído ambiental, em termos de número de pessoas afetadas, correspondem à incomodidade sonora e a perturbações do sono. Ambos apresentam-se como fortes indutores de stress, potenciando sérios problemas de saúde [38].

Figura 17 - Pirâmide da OMS dos efeitos do ruído na saúde (adaptado de [41]).

(41)

Uma sondagem realizada a nível europeu ,em 2010 [42], revelou que 44% dos europeus acreditam que o ruído afeta a saúde humana em “grande extensão”, sendo que, no caso de Portugal, este valor é de 31% (Figura 18).

De facto, atualmente, o cenário europeu em matéria de ruído é preocupante. O ruído ambiental provoca aproximadamente 10.000 mortes prematuras por ano na Europa, sendo que cerca de 20 milhões de pessoas que se sentem incomodadas e ainda 8 milhões chegam a sofrer de perturbação no sono [5].

O tráfego rodoviário é apontado como a maior fonte de poluição sonora, tanto dentro como fora das zonas urbanas (Figura 19) [43].

Figura 19 - Número estimado de indivíduos, na União Europeia, expostos a Lden superior a 55 dB, em 2012

(adaptado de [43]).

2.3.4. RECOMENDAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE

Tendo em conta os diversos efeitos adversos na saúde humana já descritos no subcapítulo anterior, a OMS reconhece que o ruído a que estão sujeitas as populações constitui um grave problema de saúde pública [37].

Deste modo, é recomendado que em áreas residenciais o nível sonoro contínuo equivalente, no exterior, não ultrapasse os 55 dB(A). Apesar de níveis sonoros até 50 dB(A) poderem causar perturbações, a OMS reconhece que o organismo se adapta facilmente a estes valores. Em contraste, a partir de 55 dB(A) pode haver a ocorrência de stress, acompanhado de desconforto [37].

No que respeita aos níveis sonoros durante o período noturno, a OMS recomenda valores máximos de níveis sonoros de 45 dB(A) no exterior. Para além disso, os níveis de pressão sonora máxima, ponderada A, LAmax, dentro das habitações não devem exceder valores de 45 dB(A), mais do que 10 a

(42)

Para zonas de tráfego e comerciais, a OMS recomenda como limite de exposição ao ruído um valor não superior a 70 dB(A) sendo que, a partir deste limite, o ser humano pode sofrer de perda da acuidade auditiva. Além disso, a partir deste valor, considera-se atingido o desgaste do organismo, potenciando, entre outras patologias, o risco de enfarte, infeções, derrame cerebral e hipertensão arterial [37].

O Quadro 1 apresenta um sumário dos valores recomendados pela OMS para os diversos ambientes específicos bem como os possíveis efeitos adversos na saúde que lhe estão associados [37].

Quadro 1 - Valores recomendados pela Organização Mundial de Saúde para ambientes específicos e respetivos potenciais efeitos (adaptado de [37]).

Ambiente

específico Efeitos críticos na saúde

LAeq (dB) Tempo base (h) LA max (dB) Espaços abertos Incomoda seriamente, de dia e de noite

Incomoda moderadamente, de dia e de noite 55 50 16 16 - - Espaços fechados, dentro de habitações

Incomoda moderadamente de dia e de noite Afeta o sono

35 30

16

8 45

Fora de habitações Causa distúrbios durante o sono, quando a

janela se encontra aberta 45 8 60

Salas de aula e pavilhões escolares

Afeta a aprendizagem e o modo de passar a

mensagem. 35

Durante as aulas - Dormitórios e salas

de infantário Afeta o sono 30

Durante o sono 45 Recreios de escolas Incomoda 55 Durante o recreio - Salas de enfermaria

de hospitais Causa distúrbios no sono de dia e de noite

30 30 8 16 40 - Salas de tratamento

de hospitais Interfere na recuperação Áreas de tráfego,

comerciais e industriais em espaços abertos e fechados

Causa perda da acuidade auditiva 70 24 110

Cerimónias, festivais e atividades de entretenimento

Causa perda da acuidade auditiva 100 4 110

Locais públicos Causa perda da acuidade auditiva 85 1 110

Uso de

auscultadores Causa perda da acuidade auditiva 85 1 110

Ruído de fogo de artificio, brinquedos e armas

Causa perda da acuidade auditiva (adultos)

Causa perda da acuidade auditiva (crianças) - -

140 120 Parques de diversão e zonas abertas de conversa Afeta a tranquilidade

(43)

2.4. ENQUADRAMENTO LEGAL DO RUÍDO

A aprovação da END – Environmental Noise Directive [44] procurou criar alguma harmonização na gestão do ruído na Europa, considerando não apenas a utilização de indicadores de ruído comuns, mas também a sua avaliação, métodos de cálculo e de medição. Com esta Diretiva pretendeu-se estruturar os procedimentos de mapeamento de ruído, definindo mecanismos de proteção dos cidadãos contra o ruído ambiental, dentro do território da União Europeia [45].

A transposição para legislação nacional dessa Diretiva com a Diretiva do Ruído Ambiente (DRA), Decreto-Lei n.º 146/2006 [46], fez com que a legislação nacional fosse ajustada, originando a criação do terceiro Código de Ruído na História da legislação portuguesa, o Regulamento Geral do Ruído (RGR2007) Decreto-Lei n.º 9/2007 [31], que veio substituir o Regime Legal sobre Poluição Sonora

(RLPS) [47].

O RGR2007 é aplicável a atividades ruidosas permanentes e temporárias, a infraestruturas de transporte,

bem como a todas as outras fontes de ruído suscetíveis de causar incomodidade, sendo também extensível ao ruído de vizinhança [31].

Este decreto adotou um novo parâmetro de avaliação acústico, Lden, em conformidade com as

indicações da DRA, com três períodos de referência (diurno (7 h - 20 h), do entardecer (20 h - 23 h) e noturno (23 h - 7 h), aos quais correspondem, respetivamente, Ld, Le e Ln.

Os valores do indicador de ruído diurno-entardecer-noturno, Ldenpodem ser obtidos através da Eq. 3

[31]:

Eq. 3

Além desta alteração, a entrada em vigor do presente decreto introduziu várias mudanças no contexto da legislação nacional, da qual se salienta a necessidade de elaboração de mapas de ruído e de mapas estratégicos de ruído, planos municipais de redução de ruído (PMRR) e planos de ação, bem como a obrigação de informação pública.

No documento do RGR, os limites de níveis de ruído são estabelecidos em função do uso do solo. O zoneamento do ruído é definido tendo em conta duas formas distintas de ocupação: zonas sensíveis e zonas mistas [45] . Uma zona sensível corresponde à “área definida em plano municipal de ordenamento de território como vocacionada para uso habitacional ou para escolas, hospitais ou similares, ou espaços de lazer, existentes ou previstos, podendo conter pequenas unidades de comércio e de serviços destinadas a servir a população local, tais como cafés e outros estabelecimentos de restauração, papelarias e outros estabelecimentos de comércio tradicional, sem funcionamento no período noturno”. Já uma zona mista equivale a “uma área definida em plano municipal de ordenamento de território, cuja ocupação seja afeta a outros usos, existentes ou previstos, para além dos referidos na definição de zona sensível” [31].

No Quadro 2 constam os valores-limite de exposição ao ruído fixados no RGR, em função classificação de uma zona como mista ou sensível, com/sem proximidade de uma grande infraestrutura de transporte (GIT) [31].

(44)

Quadro 2 - Valores limite máximos de exposição em função da classificação acústica do território [31].

Classificação de zonas Lden Ln

Zonas mistas 65 55

Zonas sensíveis 55 45

Zonas sensíveis na proximidade de GIT existente 65 55

Zonas sensíveis na proximidade de GIT não aéreo em projeto 60 50

Zonas sensíveis na proximidade de GIT aéreo em projeto 65 55

Recetores sensíveis em zonas ainda não classificadas 63 53

As zonas sensíveis ou mistas com ocupação exposta a ruído ambiente exterior que exceda os valores-limite estabelecidos devem ser alvo de uma intervenção cujo objetivo seja a redução do ruído ambiental. Para tal, nestes casos, está estabelecido no atual RGR a elaboração de planos municipais de redução de ruído, no prazo de dois anos, cuja responsabilidade é das câmaras municipais. Este decreto prevê também, por parte dos municípios, a classificação e delimitação nos planos municipais de ordenamento de território de zonas sensíveis e de zonas mistas, sendo responsabilidade destes o acautelamento da ocupação de solos conforme a sua classificação [31].

A gestão dos problemas e efeitos do ruído, incluindo a redução de ruído, em municípios que constituam aglomerações com uma população residente superior a 100.00 habitantes e uma densidade populacional superior a 2500 hab./km2 é assegurada através de planos de ação, de acordo com a DRA [48].

(45)

3

ESTADO DA ARTE

3.1. INTRODUÇÃO

O primeiro inquérito sobre ruído ambiental, de que há registo, realizou-se em Nova Iorque, em 1930 [24] e foi realizado pela Noise Abatement Comission [49], num período de mudanças transformadoras na sociedade, devido à Revolução Industrial. Este período foi marcado pela introdução de sons artificiais no dia-a-dia da população, evidenciada nas fontes identificadas no estudo mencionado e resumidas na Figura 20.

Figure

Actualización...