EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PERCEPÇÃO DE PAIS/RESPONSÁVEIS

Texto completo

(1)EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PERCEPÇÃO DE PAIS/RESPONSÁVEIS. Jéssica Mello Lopes 1 Fernanda Gomes 2 Vânela Soares da Silva 3 Jaqueline Copetti 4 Márcio Cossio Baez 5. Resumo: O presente projeto visa analisar a percepção dos pais e responsáveis sobre as aulas de Educação Física na Educação Infantil, ministradas pelos acadêmicos do curso de Licenciatura em Educação Física da UNIPAMPA, durante o Estágio Supervisado I. Serão considerados como público alvo os pais/responsáveis dos alunos da Educação Infantil das escolas públicas de Uruguaiana-RS que receberam os acadêmicos de Educação Física UNIPAMPA. Para realização deste estudo, serão considerados e respeitados todos os aspectos éticos envolvidos na pesquisa com seres humanos, o projeto e já aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) com parecer 1.840.192.. A coleta de dados será por meio de questionários. Como resultado espera-se que a proposta deste estudo possa promover a reflexão sobre a importância das aulas de educação física ocorrer em todos os níveis de ensino e serem ministradas pelo profissional especifico, e também que os pais possam perceber a importância da EF na Educação Infantil no processo de desenvolvimento da criança.. Palavras-chave: Educação física, Pais/responsáveis, Educação Infantil.. Modalidade de Participação: Iniciação Científica. EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PERCEPÇÃO DE PAIS/RESPONSÁVEIS 1 Aluno de graduação. jessica.m.lopes.jm@gmail.com. Autor principal 2 Aluno de graduação. fernandagomes8507@gmail.com. Co-autor 3 Aluno de graduação. vanelalolo17@gmail.com. Co-autor 4 Docente. jaquecopetti@yahoo.com.br. Orientador 5 Técnico Administrativo em Educação. marciobaez@unipampa.edu.br. Co-orientador. Anais do 9º SALÃO INTERNACIONAL DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - SIEPE Universidade Federal do Pampa | Santana do Livramento, 21 a 23 de novembro de 2017.

(2) Educação Física na Educação Infantil: percepção de pais/responsáveis 1. INTRODUÇÃO A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Brasil, 1996), em seu DUWLJR SDUiJUDIR ž GHILQH TXH D (GXFDomR )tVLFD () ³LQWHJUDGD D SURSRVWD pedagógica da escola, é componente curricular da Escola Básica, ajustando-se às IDL[DV HWiULDV H jV FRQGLo}HV GD SRSXODomR HVFRODU´ 6DEH-se que a EF é disciplina obrigatória nas escolas, mas na Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental a EF vem sendo um processo construído lentamente no país em decorrência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, que determina o desenvolvimento deste componente curricular a partir do início do processo de alfabetização, mas não a presença de professor específico da área (BRASIL, 1996). Em relação à prática da EF, para os níveis de ensino de Educação Infantil não são exigidos professores licenciados na área em questão. No Estado do Rio Grande do Sul e no município de Uruguaiana (RS), ainda predomina a unidocência, onde o professor da classe exerce múltiplas funções, informativas, recreativas, motoras e plásticas. Nesse sentido, cabe destacar a importância da EF orientada por um professor da área nestes níveis de ensino, pois poderá garantir diversos benefícios para o desenvolvimento motor, social, afetivo, emocional e cognitivo, melhorando suas capacidades motoras, através das vivências práticas, socializando-os com outros colegas por meio de atividades em grupo, aprendendo a respeitar o outro, solucionar problemas, compreender o ganhar e perder e também a conviver com as diferenças. Negrine (2002) reconhece que não se consegue entender os argumentos em defesa da manutenção da unidocência na Educação Infantil. Segundo BALBÉ (2009), o que vai diferenciar a presença de um professor de EF dos demais atendentes na Educação Infantil é a comunicação, a compreensão, a leitura, a interação e o envolvimento, a promoção da evolução da criança por intermédio das manifestações corporais, do movimento, do jogo e das atividades lúdicas. Essas capacidades são exercitadas pelos profissionais que, conscientes da importância das primeiras comunicações não verbais ± através dos tônus ±entram em comunicação corporal com as crianças. Diante do exposto, os estágios obrigatórios da Universidade Federal do Pampa, do curso de licenciatura em EF são inseridos nessas etapas educacionais, sendo assim oportunizando os alunos da Educação Infantil a vivenciar as aulas de EF com o professor de EF neste nível de ensino. O estágio constitui parte integrante da estrutura curricular da habilitação cursada, licenciatura em Educação Física, sendo pré-requisito para a obtenção do diploma de conclusão. Assim, representa o momento da formação em que o graduando deve vivenciar e consolidar as competências exigidas para o exercício acadêmico profissional. Desta forma, é relevante que os pais/responsáveis tenham olhares sobre esse componente curricular, de forma em ampliar seus conhecimentos no desenvolvimento infantil, habilidades esportivas, e a cultura corporal do movimento e os demais aprendizados que a EF possa proporcionar. A escola busca aproximações com os pais/responsáveis, para que possam perceber a importância do acompanhamento escolar de seus filhos em todas as disciplinas, e não deve ser diferente para com a EF, nD TXDO PXLWRV SHQVDP TXH p VLPSOHVPHQWH ³EULQFDU H.

(3) MRJDU´ 6HQGR DVVLP R DFRPSDQKDPHQWR GD YLGD HVFRODU GRV ILOKRV PDLV especificamente nas aulas de EF pode contribuir positivamente no desenvolvimento da criança. No entanto, a EF na escola ainda representa na visão de alguns pais, ser menos importante que as outras disciplinas, ou seja, não dão importância se as notas dos filhos são baixas nesta disciplina. Simões, Bohme e Lucato (1999) citam a tendência dos pais em participarem e intervirem na vida esportiva dos filhos, muitas vezes com os ideais de vencer e ganhar a qualquer custo, deixando de lado os elementos culturais, sociais e psicológicos da formação educacional e esportiva como função das instituições educacionais onde estão inseridas. Com base nisso, quando o assunto é sobre a importância da EF na escola, é relevante levar em consideração a preocupação quanto à percepção que os pais ou responsáveis dos alunos possam ter, concedendo atenção às opiniões em relação à finalidade da EF. Diante deste panorama o seguinte estudo tem por finalidade investigar qual a visão dos responsáveis em relação a EF na Educação Infantil, com aulas ministradas pelos acadêmicos de EF da Universidade Federal do Pampa. 2. METODOLOGIA Trata-se de um estudo quantitativo de caráter descritivo, realizado nas escolas públicas do município de Uruguaiana, RS, visando apresentar a percepção dos pais ou responsáveis sobre a Educação Física na Educação Infantil, onde os discentes da Universidade Federal do Pampa do curso de licenciatura em Educação física estão inseridos pelo o estágio supervisionado obrigatório I. Dessa forma, ao final do período de estágio foi encaminhado aos pais de três turmas que receberam estagiários no ano de 2016 um questionário que faz parte de um estudo maior com registro no SIPPE sob o número 10.031.16. O objetivo deste resumo é apresentar as respostas de quarenta responsáveis que concordaram em participar da pesquisa, por meio da assinatura do TCLE. Os instrumentos foram distribuídos aos pais de forma direta, entregue pelas professoras das turmas aos mesmos, com a devida autorização das instituições de ensino, sendo que as questões utilizadas foram elaboradas pelos autores, buscando uma aproximação com os objetivos do estudo através dos seguintes questionamentos: 1. O que você acha de ter um professor de educação física atuando na educação infantil? 2. Você acha que as aulas de educação física escolar podem trazer benefícios para seus filhos? Se sim quais benefícios? O conteúdo foi classificado através da análise descritiva de frequência. Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa local sob o Parecer n° 1.840.192. 3.RESULTADOS e DISCUSSÃO Este estudo apresenta uma breve análise sobre as respostas dos 40 responsáveis que concordaram em participar da pesquisa, respondendo o questionário encaminhado e retornando o TCLE assinado. Onde, entre as questões investigadas solicitou-se a opinião sobre a presença do professor de Educação Física ministrando aula na Educação Infantil, 25 responderam ser muito importante, e 15 responderam ser importante. Sendo a assim na visão desses pais a Educação.

(4)

(5) professor especifico, e assim espera-se que os resultados possam ser compartilhados junto à comunidade escolar onde a pesquisa foi realizada, com a finalidade de melhorar a prática da Educação Física na escola. 5. REFERÊNCIAS BALBÉ, Giovane Pereira. Educação Física e suas contribuições para o desenvolvimento motor na educação infantil. Revista Digital, fevereiro, 2009. BEGGIATO, C.L. A importância da educação física na percepção de uma comunidade escolar. Dissertação de Mestrado. Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, 2009. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996 FREIRE, João Batista; SCAGLIA, Alcides José. Educação como Prática Corporal. São Paulo: Editora Scipione, 2005. NEGRINE. Fontes. Airton; O corpo na educação infantil. Caxias do Sul: EDUCS, 2002. SIMÕES, Antonio Carlos; BOHME, Maria Teresa S.; LUCATO, Sidimar. A PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA VIDA ESPORTIVA DOS FILHOS. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo, v. 13, n. 1, jan./jun. 1999..

(6)

Figure

Actualización...

Referencias

Actualización...