um contributo para o planeamento em saúde

160 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto completo

(1)

“P

ERCEÇÃO DO

E

STADO DE

S

AÚDE DA

P

OPULAÇÃO

I

DOSA DO

A

LTO

M

INHO

:

U

M CONTRIBUTO PARA O

P

LANEAMENTO EM

S

AÚDE

F

ÁBIA DE

J

ESUS

F

ELGUEIRAS

F

ERNANDES

Dissertação apresentada ao Instituto Politécnico de Viana do Castelo para obtenção do

Grau de Mestre em Gestão das Organizações, Ramo de Gestão de Unidades de Saúde.

O

RIENTAÇÃO

:

P

ROFESSOR

D

OUTOR

J

OSÉ

P

EDRO

A

RIEIRO

G

ONÇALVES

B

EZERRA

C

OORIENTAÇÃO

:

P

ROFESSORA

D

OUTORA

M

ARIA

C

ARMINDA

S

OARES

M

ORAIS

Esta dissertação inclui as críticas e sugestões feitas pelo Júri

(2)
(3)

“P

ERCEÇÃO DO

E

STADO DE

S

AÚDE DA

P

OPULAÇÃO

I

DOSA DO

A

LTO

M

INHO

:

U

M CONTRIBUTO PARA O

P

LANEAMENTO EM

S

AÚDE

F

ÁBIA DE

J

ESUS

F

ELGUEIRAS

F

ERNANDES

O

RIENTAÇÃO

:

P

ROFESSOR

D

OUTOR

J

OSÉ

P

EDRO

A

RIEIRO

G

ONÇALVES

B

EZERRA

C

OORIENTAÇÃO

:

P

ROFESSORA

D

OUTORA

M

ARIA

C

ARMINDA

S

OARES

M

ORAIS

(4)

Este trabalho utilizou dados de um projeto financiado por Fundos

FEDER através do Programa Operacional Fatores de

Competitividade – COMPETE e por Fundos Nacionais através da

FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia no âmbito do projeto « PTDC/DTP-DES/0209/2012 »

(5)

Lista de Publicações Relacionadas com a Tese

Fernandes, F., Rodrigues, L. P., Silva, B., Rodrigues, T.M., Costa, N.M.C., Leitão, R., Bezerra, P. (2014). Does Physical Activity and Central Obesity Influence Health-related Quality of Life in Aged Population?. Book of Abstracts: 19th Annual Congress of the European College of Sport Science (pág. 19). Amesterdam: Netherlands, 2-5 July 2014.

Rodrigues, T.M., Rodrigues, L. P., Costa, N.M.C., Silva, B., Fernandes, F., Leitão, R., Bezerra, P. (2014). Gender and Physical Activity as Determinants of Perceived Health Status in the Septuagenarians to Nonagenarians. Book of Abstracts: 19th Annual Congress of the European College of Sport Science (pág. 458). Amesterdam: Netherlands, 2-5 July 2014.

Morais, C., Fernandes, F., Bezerra, P. (2014). Distance-related influence of health facilities on self-perception in elderly. Parallel Session: Oral Communications in 2nd World Congress of health research. Aten Primaria. 2014;46(Espec Cong 1): 25-63. Viseu:Portugal, 7-8 October 2014.

Fernandes, F., Camões, M., Silva, B., Rodrigues, T.M., Costa, N.M.C., Simões, M., Bezerra, P. (2014). Exercise and Perceived Health Status in the Elderly: Different Social and Behavioral contexts. Book of Abstracts: CIDESD 2014 International Congress of Exercise and Sports Performance (pág. 60). Guarda: Portugal, 14-15 November 2014.

(6)

RESUMO

PERCEÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO IDOSA DO ALTO MINHO: UM

CONTRIBUTO PARA O PLANEAMENTO EM SAÚDE

Este estudo teve como objetivo avaliar o estado de saúde da população idosa do Alto Minho de forma a contribuir para o planeamento em saúde e emerge do projeto “Estado de Saúde e Atividade Física da População Idosa do Alto Minho”, financiado por Fundos FEDER através do Programa Operacional Fatores de Competitividade – COMPETE e por Fundos Nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia no âmbito do projeto «PTDC/DTP-DES/0209/2012».

Trata-se de um estudo transversal, quantitativo e descritivo. A amostra foi constituída por 1341 idosos (68.9% mulheres e 31,1% homens), com média de idades de 78.90 ± 6.17anos e representativos dos 10 concelhos do distrito. Foram identificados com auxílio das redes sociais e parceiros locais de cada concelho. O instrumento de recolha de informação para obtenção da perceção do estado de saúde foi a versão portuguesa do Questionário de Estado de Saúde (SF36v2), tendo-se complementado com um questionário sociodemográfico e informação através de um sistema de informação geográfica. Resultados: existem diferenças na perceção do estado de saúde entre os concelhos, com destaque para Paredes de Coura e Viana do Castelo que apresentam os melhores resultados, e Ponte de Lima e Ponte da Barca os resultados mais baixos. O sexo masculino apresenta uma perceção de saúde superior ao sexo feminino, para todos os domínios da perceção de saúde. Os idosos casados expuseram melhor estado de saúde com exceção do desempenho físico. Os idosos na faixa etária dos 80-89 apresentaram uma perceção de saúde inferior aos dos eus colegas 70-79 e mais de 90. A atividade física influencia positivamente a perceção do estado de saúde desta população. As pessoas que habitam em locais predominantemente urbanos apresentam melhor perceção de saúde, melhor desempenho físico e emocional, a dor tem menos preponderância na sua vida e apresentam melhor bem-estar psicológico. Os idosos que habitam em locais predominantemente rurais apresentam melhor função física, função social e bem-estar (vitalidade, energia). Os idosos que se encontram localizados no Litoral e Vale do Minho parecem referir melhor perceção do estado de saúde que os do interior do distrito e do Vale do Lima. Relativamente à distância da própria residência à Unidade de Saúde e Hospital de referência, salienta-se que quanto maior esta for, pior desempenho emocional e maior interferência da dor na vida dos idosos. Conclusões: a perceção do estado de saúde apresentou globalmente valores positivos. Salienta-se o excesso de peso da população idosa que conduz a limitações físicas, degradação do bem-estar físico e psicológico. A atividade física parece contribuir para uma melhor perceção do estado de saúde (físico, social e emocional). A distância à Unidade de Saúde e Hospital de referência afetam o desempenho emocional e dor nos idosos. Nesta realidade para a população idosa do Alto Minho, devem ser criadas políticas de saúde que promovam ações de melhoria da perceção do estado de saúde.

Palavras-chave:

Idosos, Estado de Saúde, SF36v2 Versão portuguesa, Qualidade de Vida Relacionada com a Saúde.

(7)

RESUMEN

PERCEPCIÓN DEL ESTADO DE SALUD DEL MAYOR EN ALTO MIÑO: UN APORTE

A LA PLANIFICACION DE LA SALUD

El objetivo de este estudio es evaluar la salud de la población de edad avanzada de Alto Minho, a fin de contribuir a la planificación de la salud. Emerge del proyecto "La salud relacionada con la edad y el físico de estado de actividad en Ancianos", financiado por los fondos FEDER a través de los factores de competitividad Programa Operativo - COMPETIR y Fondos Nacionales a través de la FCT - Fundación para la Ciencia y Tecnología en el marco del proyecto "PTDC / DTP DES / 0209/2012 '.

Se trata de un estudio transversal, cuantitativo y descriptivo. La muestra es de 1.341 ancianos (68,9% mujeres y 31,1% hombres) con una edad media de 78,90 ± 6.17anos y representante de los 10 municipios de la comarca. Fueron identificados con la ayuda de las redes sociales y los socios locales en cada condado. El instrumento de recolección de datos para obtener la percepción del estado de salud fue la versión en portugués del Cuestionario de Estado de Salud (SF36v2) y se complementa con un cuestionario sociodemográfico y la información a través de un sistema de información geográfica. Resultados: existen diferencias en la percepción del estado de salud entre las municipalidades, especialmente Paredes de Coura y Viana do Castelo presenta los mejores resultados y reducir los resultados de Ponte de Lima y Ponte da Barca. El hombre tiene una percepción de salud mayor que la mujer, para todas las áreas de la percepción de la salud. Casado mostraron una mejor salud a excepción de rendimiento físico. Las personas mayores de edades comprendidas entre 80-89 tenían una percepción de salud más bajos que los sí mismos colegas 70-79 y más de 90. La actividad física influye positivamente en la percepción del estado de salud de esta población. Las personas que viven en lugares predominantemente urbanas tienen mejor percepción de la salud, un mejor rendimiento físico y emocional, el dolor tiene menos influencia en su vida y tener un mejor bienestar psicológico. Las personas mayores que viven en localidades predominantemente rurales tienen una mejor función física, función social y el bienestar (vitalidad, energía). Las personas mayores que se encuentran en la costa y Minho Valle muestran mejor percepción del estado de salud que los del distrito hacia el interior y el valle de Lima. Por la distancia de separación de la propia residencia de la Unidad de Salud y el Hospital de referencia, se observa que cuanto mayor es el, peor rendimiento emocional y una mayor interferencia del dolor en ancianos. Conclusiones: la percepción del estado de salud en general muestra valores positivos. Destacamos la población de edad avanzada en sobrepeso que conduce a limitaciones físicas y degradación de la integridad física y psicológica. La actividad física parece contribuir a una mejor percepción de la salud (física, social y emocional). La distancia a la Unidad y Referencia Hospital de Salud afecta al rendimiento y el dolor emocional en las personas mayores. En esta realidade, para la población anciana del Alto Minho, la política de salud debe ser creada para promover la mejora de la percepción de las acciones del estado de salud.

Palabras clave: Ancianos, estado de salud, SF36v2 versión en portugues, Calidad de Vida Relacionada con la Salud.

(8)

ABSTRACT

PERCEPTION OF ELDERLY HEALTH STATUS IN ALTO MINHO: A CONTRIBUTION

TO THE HEALTH PLANNING

The aim of this study is to evaluate the health of the elderly population of Alto Minho in order to contribute to the health planning. It emerges from the project "The age-related health and physical activity Status in Elderly", financed by ERDF funds through Operational Programme Competitiveness Factors - COMPETE and National Funds through the FCT - Foundation for Science and Technology under the project "PTDC / DTP-DES / 0209/2012 '.

This is a cross-sectional, quantitative and descriptive study. The sample consisted of 1341 elderly (68.9% women and 31.1% men) with a mean age of 78.90 ± 6.17 years and representative of the 10 municipalities of the district. They were identified with the help of social networks and local partners. Data was collected using the Questionnaire of State for Health (SF36v2) – Portuguese version, and complemented by a socio-demographic questionnaire and information through a geographic information system. Results: there are differences in perception of health status among municipalities, especially Paredes de Coura and Viana do Castelo presenting the best results, and Ponte de Lima and Ponte da Barca lower results. Male has a health perception higher than female, for all areas of health perception. Married elderly exhibited better health with the exception of physical performance. Older people aged between 80-89 had a health perception lower than the selves colleagues 70-79 and over 90. Physical activity positively influences the perception of the health status of this population. People who live in predominantly urban locations have better health perception, better physical and emotional performance. The pain has less influence in your life and have better psychological well-being. Elderly who live in predominantly rural locations have better physical function, social function and well-being (vitality, energy). Elderly people who are located in the Coast and Minho Valley seem to refer better perception of health status than those inland district and the Lima Valley. Separation distance of own residence to Health Unit and Reference Hospital, it is noted that the higher this is, the worse emotional performance and greater interference of pain in elderly. Conclusions: the perception of health status globally showed positive values. We highlight the overweight elderly population leading to physical limitations, degradation of the physical and psychological well-being. Physical activity appears to contribute to a better perception of health (physical, social and emotional). The distance to the Health Unit and Referral Hospital affect the performance and emotional pain in the elderly. In this reality for the elderly population of the Alto Minho, health policy must be created to promote improved perception of actions of health status.

(9)

AGRADECIMENTOS

“Aqueles que passam por nós não vão sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós”

Antoine de Saint-Exupéry

Este trabalho é fruto de um contributo não só das pessoas que estiveram diretamente em todo o processo, mas também de todas as que, indiretamente, me apoiaram para que ele fosse possível.

Gostaria de agradecer aos orientadores cujas colaborações foram importantes para levar a cabo este trabalho. Aos Exmos. Profs. Doutores Pedro Bezerra e Carminda Morais pela oportunidade de alargar o conhecimento, pela paciência, confiança e disponibilidade para acompanhar o estudo.

Aos meus colegas de trabalho por toda a ajuda, companheirismo e dedicação ao longo do processo.

A todos os participantes que dispuseram do seu tempo para esta investigação e sem os quais não era possível a realização deste trabalho.

Um agradecimento especial aos meus pais e irmã pela compreensão e apoio sem os quais não seria possível chegar até aqui.

A quem sempre acreditou em mim e me mostrou que não estou sozinha, e que para ser verdadeira e genuína teria de fazer aquilo que queria e lutar pelos meus sonhos…mesmo quando as certezas não eram muitas, porque “A principal necessidade de nossas vidas é alguém que nos obrigue a fazer o que podemos fazer. Eis a tarefa do amigo” (Ralph Emerson)

(10)

LISTA

DE

ABREVIATURAS

E

SIGLAS

ACSM American College of Sports Medicine AF Atividade Física

AHA American Heart Association ARS Administração Regional de Saúde

COMPETE Programa Operacional Fatores de Competitividade DC Dor Corporal

DE Desempenho Emocional DF Desempenho Físico DP Desvio Padrão

ESDL Escola Superior de Desporto e Lazer

F Feminino

FCT Fundação para a Ciência e Tecnologia FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional FF Função Física

FS Função Social

GAC Gabinete de Ação Costeira IMC Índice de Massa Corporal INE Instituto Nacional de Estatística

IPSS Instituições Particulares de Solidariedade Social IPVC Instituto Politécnico de Viana do Castelo

IQOLA International Quality of Life Assessment

Km Quilómetros

M Masculino

Min. Minutos

OMS Organização Mundial de Saúde PNS Plano Nacional de Saúde QdV Qualidade de Vida

QdVRS Qualidade de Vida Relacionada com a Saúde SF36 36 item Short Form Healthy survey

SG Saúde Geral SM Saúde Mental

SNS Serviço Nacional de Saúde

SPSS Statistical Package for Social Sciences SUB Serviço de Urgência básica

TIPAU Tipologia de Áreas Urbanas ULS Unidade Local de Saúde

ULSAM Unidade Local de Saúde do Alto-Minho US Unidade de Saúde

(11)

ÍNDICE GERAL

LISTA DE PUBLICAÇÕES RELACIONADAS COM A TESE ... II

RESUMO ...III

RESUMEN ... IV

ABSTRACT ... V

AGRADECIMENTOS ... VI

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ... VII

ÍNDICE DE TABELAS ... X

ÍNDICE DE FIGURA ... XII

ÍNDICE DE ANEXOS ... XII

ÍNDICE DE APÊNDICES ... XII

INTRODUÇÃO ... 1

I.ENQUADRAMENTO ... 3

1.ENQUADRAMENTO TEÓRICO ... 4

1.1.Envelhecimento ... 4 1.1.1.Demografia ... 6 1.1.2.Envelhecimento Ativo ... 7

1.1.3.Envelhecimento e Atividade Física ... 10

1.2.Qualidade de Vida ... 15

1.2.1.Qualidade de Vida e Saúde ... 17

1.2.2.Instrumentos de avaliação da qualidade de vida/perceção do estado de saúde ... 20

1.3.Da promoção de saúde ao planeamento em saúde participado ... 25

II. METODOLOGIA ...33

1.METODOLOGIA ...34

1.1.Finalidade e Objetivos ... 34 1.2.Tipo de estudo ... 34 1.3.Universo do Estudo ... 35 1.3.1.Contextualização do Estudo... 36 1.4.Variáveis ... 38 1.5.Hipóteses... 40

1.6.Instrumentos de Recolha de Informação ... 40

1.6.1.Questionário de Avaliação do Estado de Saúde ... 40

1.6.2.Questionário Sociodemográfico ... 42

1.6.3.Sistema de Informação Geográfica ... 42

1.7.Procedimentos ... 42

(12)

III. RESULTADOS ...45

1.APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ...46

1.1.Fiabilidade do Instrumento (SF36v2) ... 46

1.2.Caracterização da Amostra ... 48

1.3.Relação entre Perceção do Estado de Saúde e Variáveis em Estudo ... 53

IV.DISCUSSÃO ...83

1.DISCUSSÃO ...84

1.1.A perceção de Saúde da População Portuguesa ... 84

1.2.A perceção de Saúde dos Idosos do Alto Minho ... 85

1.2.1.Concelhos... 85 1.2.2.Sexo ... 86 1.2.3.Estado Civil ... 87 1.2.4.Idade ... 88 1.2.5.Atividade Física ... 89 1.2.6.Distribuição Geográfica ... 90 1.2.7.Residência ... 91

1.2.8.Distância às Unidades de Saúde e Hospital de referência ... 92

V.CONCLUSÕES ...94

CONCLUSÕES ...95

VI.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ...99

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ... 100

ANEXOS ... 109

APÊNDICES ... 131

(13)

ÍNDICE DE TABELAS

Tabela 1.Ranking do Active Ageing Index ... 9

Tabela 2.Estudos com atividade física em idosos (Iª Parte) ... 11

Tabela 3.Estudos com atividade física em idosos (2ª Parte) ... 12

Tabela 4.Dimensões da QdVRS ... 19

Tabela 5.Compilação de Estudos com SF36 (Iªparte) ... 22

Tabela 6.Compilação de Estudos com SF36 (2ªparte) ... 23

Tabela 7.Compilação de Estudos com SF36 (3ªparte) ... 24

Tabela 8.Documentos base para o Planeamento em Saúde. ... 30

Tabela 9.População residente e número de idosos, por concelho, no distrito de Viana do Castelo. ... 35

Tabela 10.Amostra pretendida por concelho ... 36

Tabela 11.Distribuição das Unidades de Saúde e Hospitais, do distrito de Viana do castelo, por concelho. ... 37

Tabela 12.Variáveis em estudo ... 39

Tabela 13.Resultados globais das dimensões do SF36v2. ... 46

Tabela 14.Consistência Interna dos itens do SF36v2. ... 47

Tabela 15.Matriz de correlações entre domínios do SF36v2. ... 47

Tabela 16.Valores do One sample T-test,, para comparação dos valores do estudo com os valores de referência... 47

Tabela 17.Distribuição da amostra, total de homens e mulheres, pelos 10 concelhos do distrito. . 48

Tabela 18.Distribuição da amostra por escalões etários. ... 48

Tabela 19.Distribuição da amostra segundo estado civil. ... 49

Tabela 20.Distribuição da amostra segundo local de residência. ... 49

Tabela 21.Distribuição da amostra segundo tipologia das áreas urbanas, litoral e interior e Vales (Minho e Lima)... 49

Tabela 22.Caracterização da amostra segundo peso, altura, IMC e prática de atividade física. .... 50

Tabela 23.Caracterização da amostra por distância da residência à Unidade de saúde e hospital de referência... 50

Tabela 24.Resultados globais do SF36v2, para a amostra. ... 51

Tabela 25.Resultados do SF36v2 detalhados por concelho e sexo. ... 52

Tabela 26.Perceção do Estado de Saúde em função do Concelho - Teste de Kruskal-Wallis. ... 56

Tabela 27.Perceção do Estado de Saúde em função do Sexo – Teste de Mann-Whitney. ... 57

Tabela 28.Perceção do Estado de Saúde em função do concelho e sexo ... 59

Tabela 29.Perceção do Estado de Saúde em função do estado civil – Teste de Kruskal-Wallis. .. 61

Tabela 30.Perceção do Estado de Saúde em função do estado civil, por Concelho – Teste de Kruskal-Wallis ... 63

Tabela 31.Perceção do Estado de Saúde em função do grupo etário – Teste de Kruskal-Wallis .. 65

Tabela 32.Perceção do Estado de Saúde, por concelho, em função do grupo etário – Teste de Kruskal-Wallis. ... 67

(14)

Tabela 33.Perceção do Estado de Saúde em função da prática de atividade física – Teste de Mann-Whitney. ... 68 Tabela 34.Perceção do Estado de Saúde, por concelho, em função da prática de atividade física. ... 70 Tabela 35.Correlação entre IMC e Perceção do Estado de Saúde. ... 70 Tabela 36.Perceção do Estado de Saúde em função da tipologia de áreas urbanas – Teste e Kruskal-Wallis. ... 72 Tabela 37.Perceção do Estado de Saúde, em função da zona Litoral e Interior – Teste de Mann-Whitney. ... 73 Tabela 38.Perceção do Estado de Saúde em função dos Vales Minho e Lima – Teste de Mann-Whitney. ... 74 Tabela 39.Perceção do Estado de Saúde em função do local de residência – Teste de Mann-Whitney. ... 75 Tabela 40.Perceção do Estado de Saúde por concelho, em função do local de residência. ... 77 Tabela 41.Correlação entre a distância a Unidade de Saúde e perceção do Estado de Saúde. ... 78 Tabela 42.Distância à Unidade de Saúde, por concelho. ... 80 Tabela 43.Correlação entre distância à Unidade de Saúde e perceção do Estado de Saúde, por concelho. ... 80 Tabela 44.Correlação entre a distância ao Hospital de referência e a perceção do Estado de Saúde. ... 81 Tabela 45.Distância ao Hospital de referência, por concelho ... 82 Tabela 46.Correlação entre distância ao Hospital de referência e perceção do Estado de Saúde, por concelho. ... 82 Tabela 47.Especificação de itens por domínio e pergunta, assim como conteúdo abreviado da pergunta. ... 127 Tabela 48.Sistema de pontuação para transformação dos dados. ... 129 Tabela 49.Caracterização da amostra segundo idade, peso, altura e IMC, em cada concelho ... 133 Tabela 50.Caracterização da amostra segundo sexo e tipologias de áreas urbanas, em cada concelho ... 133 Tabela 51.Caracterização da amostra segundo as distâncias ao posto de saúde e hospital, em cada concelho. ... 134 Tabela 52.Caracterização da amostra segundo classe etária, estado civil, local de residência e prática de atividade física, em cada concelho. ... 134 Tabela 53.Resultado SF36v2, detalhado por concelho, segundo estado civil ... 141 Tabela 54.Resultado SF36v2, detalhado por concelho, segundo grupos etários ... 142 Tabela 55.Resultado SF36v2, detalhado por concelho, segundo a prática de atividade física .... 143 Tabela 56.Resultado SF36v2, detalhado por concelho, segundo local de residência. ... 144

(15)

ÍNDICE DE FIGURA

Figura 1.Pirâmide etária 2001 e perspetiva 2025 ... 6

Figura 2.Pirâmide etária de Portugal ... 7

Figura 3.Definições de saúde. ... 17

Figura 4.Etapas do Planeamento em Saúde ... 27

Figura 5.Distrito de Viana do Castelo ... 37

Figura 6.Componentes de avaliação do questionário SF36v2 ... 41

Figura 7.Resultados médios dos domínios do SF36v2, para cada concelho. ... 54

Figura 8.Resultados médios dos domínios do SF36v2, por sexo. ... 57

Figura 9.Resultados médios dos domínios do SF36v2, por estado civil ... 60

Figura 10.Resultados médios dos domínios do SF36v2, por grupo etário ... 64

Figura 11.Resultados médios dos domínios do SF36v2, em função da prática de atividade física.68 Figura 12.Resultados médios dos domínios do SF36v2, em função da tipologia de áreas urbanas ... 71

Figura 13. Resultados médios dos domínios do SF36v2, em função da zona Litoral e Interior. .... 72

Figura 14.Resultados médios dos domínios do SF36v2, em função dos Vales Minho e Lima. ... 73

Figura 15. Resultados médios dos domínios do SF36v2, em função do local de residência. ... 75

ÍNDICE DE ANEXOS

Anexos 1.SF36v2 Versão Portuguesa ... 110

Anexos 2.Propriedades psicométricas do SF-36v2 Versão Portuguesa ... 115

Anexos 3.Tipologia das Áreas Urbanas (TIPAU 2009) ... 117

Anexos 4.Autorização de Utilização do SF36v2 ... 120

Anexos 5.Autorização de Utilização de Dados pelo Investigador Principal ... 122

Anexos 6.Consentimento Informado ... 124

Anexos 7.Distribuição dos itens por perguntas e domínios ... 126

Anexos 8.Transformação de sistema de pontuação e cálculo por domínio ... 128

ÍNDICE DE APÊNDICES

Apêndice 1.Resultados detalhados por concelho para cada uma das variáveis ... 132

Apêndice 2.Frequências de resposta obtidas pela população idosa no SF36v2 ... 135

Apêndice 3.Resultados SF36v2, detalhados por concelho, segundo estado civil, grupos etários, prática de atividade física e local de residência ... 140

(16)
(17)

Introdução

Envelhecer corresponde a um conjunto de processos complexos e naturais que acontecem desde o nascimento, no entanto o seu impacto é notório numa fase mais avançada da vida (Faria & Marinho, 2004; Fernandes, 2005).

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que em 2050 existirão cerca de 2 biliões de pessoas no Mundo com idade superior a 60 anos e que 80% se encontrará nos países desenvolvidos (WHO, 2002). O departamento de assuntos económicos e sociais das nações unidas refere que a percentagem de pessoas com idade superior a 60 anos, em todo o mundo será de 25.3% em 2050 e estima que para Portugal o valor percentual de pessoas com idade superior a 60 anos seja de 53.2% (United Nations, 2013a, 2013b). Na origem do envelhecimento demográfico destaca-se a redução da mortalidade, a redução da fecundidade e um desenvolvimento e modernização da nossa sociedade (Gil, 2007; Kalache, Veras, & Ramos, 1987; Pinto, 2006; Rosa, 2012; WHO, 2002).

Segundo os Censos 2011, a proporção média de pessoas em Portugal com 65, ou mais anos de idade, é de 19,4%, sendo que na região do Minho-Lima, a prevalência de idosos atinge dimensões ainda mais preocupantes (23,2%) (I.N.E., 2011). O Instituto Nacional de Estatística prevê que em 2060 a esperança de vida à nascença para o Norte de Portugal seja de 84.0 e 89.7 anos para homens e mulheres, respetivamente. Salienta ainda que o índice de envelhecimento (número de idosos por cada 100 jovens) seja de 366, também para o ano de 2060, no Norte do País (I.N.E, 2014).

Além da definição de saúde (WHO, 2002), nos idosos, dá-se especial enfase à capacidade funcional dos mesmos, ou seja a capacidade para realizarem as tarefas do dia-a-dia. A capacidade funcional está intimamente ligada à manutenção da autonomia e independência, que por sua vez está relacionada com a Qualidade de Vida Relacionado com a Saúde (QdVRS) (Kalache et al., 1987; Ramos, 2003). A QdVRS traduz então a forma como as pessoas percebem a sua saúde, em várias vertentes, nomeadamente física, na capacidade de realizar tarefas, psicológica, no bem-estar emocional e mental e social, que determina a capacidade de se relacionar com as pessoas (Pimentel, 2006).

Analisando as alterações inerentes ao processo de envelhecimento, e tendo em conta as dimensões primárias necessárias à avaliação da QdVRS (Função Física, Função Social, Função psicológica, Satisfação geral com a vida/bem-estar e Perceção do estado de saúde), percebe-se que cada vez mais a auto perceção do estado de saúde seja valorizada com o intuito de melhorar a qualidade de vida à medida que envelhecemos (Alves & Rodrigues, 2005). Desta forma, com o avançar da idade, é fundamental preservar a autonomia e independência, conceitos estes considerados chave para um envelhecimento ativo (WHO, 2002).

A literatura refere que os instrumentos mais utilizados para avaliar a QdVRS são os questionários e entre eles o 36-item Short Form healthy survey (SF36) é o mais utilizado (Paixao & Reichenheim, 2005; Pimentel, 2006).

(18)

Uma vez que o cidadão é o centro do sistema de saúde, e que este deve responder às suas necessidades (Ministério da Saúde, 2012b), importa não só a utilização de métodos objetivos, que quantifiquem a saúde da população portuguesa, mas também métodos que objetivem a componente subjetiva da saúde, nomeadamente a perceção das próprias pessoas quanto à sua saúde.

Tendo em conta o envelhecimento demográfico de Portugal e em especial na região do Alto Minho, é de todo o interesse que se desenvolvam métodos que quantifiquem a saúde dos indivíduos e da população de forma contribuir para o planeamento em saúde. É neste contexto, que conceitos como a QdVRS são cada vez mais mobilizados na medição em saúde, sendo considerado um indicador de saúde e preditor de mortalidade especialmente nos idosos (Ferreira & Ferreira, 2006; Lima et al., 2009).

Dada a carência de conhecimento sobre a auto perceção da população idosa do Alto Minho surge o interesse em fazer deste tema alvo de pesquisa para a elaboração desta dissertação, e consequente obtenção do grau de mestre, com o intuito de contribuir para o Perfil de Saúde do Alto Minho, quer numa perspetiva de levantamento de necessidades, quer numa perspetiva de promoção da saúde. Assim traçamos como objetivo geral, avaliar o estado de saúde dos idosos do Alto Minho.

Relativamente à organização deste estudo, estruturámo-lo do seguinte modo:

Numa primeira parte fazemos uma análise sobre a literatura, incidindo na temática do estudo e apresentando resultados de algumas pesquisas efetuadas no âmbito do envelhecimento e envelhecimento ativo, da qualidade de vida e saúde e instrumentos de avaliação da qualidade de vida/perceção do estado de saúde. Posteriormente fazemos uma abordagem a promoção e planeamento em saúde, relacionando com o âmbito e os propósitos do nosso estudo.

A segunda parte diz respeito ao estudo empírico – metodologia, onde explanamos a planificação e organização metodológica, e expomos os objetivos gerais e específicos do estudo, assim como as fases e procedimentos utilizados durante todo o processo.

Na terceira parte, apresentamos os resultados obtidos como resultado da estatística descritiva e inferencial.

De seguida analisamos e discutimos os resultados obtidos realizando a nossa reflexão crítica sobre os temas e estabelecemos sempre que possível um paralelismo com outros estudos realizados.

Por último apontam-se as principais conclusões do nosso estudo e recomendações para estudos futuros, deixando para desfecho do trabalho as referências bibliográficas.

(19)
(20)

1.Enquadramento Teórico

Na revisão da literatura pretendemos, numa primeira fase, abordar uma série de temáticas associadas ao envelhecimento, nomeadamente processo de envelhecimento, demografia, envelhecimento ativo e atividade física. Depois centramos a nossa atenção na qualidade de vida, explorando o conceito de qualidade de vida, assim como o de qualidade de vida e saúde e instrumentos de avaliação da perceção do estado de saúde. Após esta temática avançamos para as questões associadas da promoção de saúde e planeamento em saúde participado.

1.1.Envelhecimento

Envelhecer é um processo, ou conjunto de processos, complexos e naturais que acontecem desde o nascimento, de forma inerente a todos os seres vivos, tornando-se mais evidente numa fase mais avançada da vida (Faria & Marinho, 2004; Fernandes, 2005). O processo de envelhecimento pode ser definido como uma combinação de alterações biológicas/fisiológicas, psicológicas e sociais que levam a um declínio, quer de adaptação das novas condições, quer da capacidade para realizar as suas tarefas, o que deixa o individuo mais vulnerável a um processo patológico (Carvalho & Soares, 2004; Gault & Willems, 2013; Paúl, 2005; Pinto, 2006; Queiroz, Kanegusuku, & de Moraes Forjaz, 2010; Schroots & Birren, 1980).

Sob o ponto de vista biológico/fisiológico torna-se difícil determinar como ocorre o processo de senescência, nomeadamente como surge a perda progressiva das reservas orgânicas e funcionais – homeostasia – tratando-se de um processo inevitável (Phillips & Davidoff, 2007; Schroots & Birren, 1980). Desta forma têm sido desenvolvidas teorias genéticas e estocásticas, que estudam o processo de envelhecimento sob uma perspetiva do declínio e degeneração dos sistemas orgânicos e células e teorias que defendem que o envelhecimento ocorre como consequência de lesões sucessivas que conduzem a desgaste e inerente disfunção e morte celular, respetivamente. Apesar das teorias divergirem sobre as causas, elas são concordantes quanto ao resultado, nomeadamente a perda de funcionalidade progressiva com a idade, aumento da suscetibilidade e incidência de doenças com consequente aumento da probabilidade de morte (Farinatti, 2002; Lata & Alia, 2007; Mota, Figueiredo, & Duarte, 2004).

Do ponto de vista psicológico/biopsicológico, este é um espelho do envelhecimento cronológico, que varia de individuo para individuo. É autorregulado pelo individuo através da sua tomada de decisões e opções ao longo da vida (Paúl, 2005; Rosa, 2012).

Quando analisado o envelhecimento sob o ponto de vista social, importa referir e distingui-lo como: demográfico e societal (Rosa, 2012). O primeiro refere-se em termos de indicadores, números e estatística, dos idosos em relação com os outros segmentos da população. O segundo resulta do envelhecimento demográfico estando associado ao papel do idoso na sociedade e às expectativas da sociedade para a entrada na velhice (Paúl, 2005; Rosa, 2012; Schroots & Birren, 1980), sendo muitas das vezes vista como disfunção cognitiva, fragilidade, alterações mobilidade, dor e morte (Phillips & Davidoff, 2007).

(21)

Numa lógica de mercado, na passagem para a reforma, o individuo deixa de ser contribuinte ativo, experienciando vários tipos de perda, nomeadamente saúde, dinheiro/emprego perda de familiares e amigos e algumas vezes perda da casa. Perdem, de forma abrupta, papéis sociais que outrora tinham, levando a que a velhice seja vista como um peso para a sociedade (Fernandes, 2005; Gil, 2007; Rosa, 2012; Vaz et al., 2009). Os aspetos sociais, em conjunto com limitações físicas e cognitivas, quando não bem aceites ou entendidos podem levar a situações de isolamento, depressão e demência, que por sua vez conduz a uma progressiva reclusão social, perda de autoestima, défice cognitivo, maiores limitações físicas e aumento do risco para doenças cardiovasculares. Desta forma é importante manter a interação social de modo a manter as habilidades cognitivas, evitar situações de depressão e isolamento (Age, 2012; Faina et al., 2008; Hill, 2011; Phillips & Davidoff, 2007; Ramos, 2003).

Independentemente dos processos e teorias, com o envelhecimento ocorre um declínio contínuo em vários sistemas do organismo humano, nomeadamente sistema cardiorrespiratório, músculo-esquelético, pele, gastrointestinal, metabólico e sensorial (Age, 2012; Lata & Alia, 2007). Com a idade ocorre atrofia do músculo cardíaco, calcificação das válvulas cardíacas, aterosclerose que conduz a uma menor fluxo de sangue com consequente aumento da pressão arterial para compensar (Queiroz et al., 2010). Os pulmões ficam menos elásticos levando a situações de falta de ar e fadiga (Lata & Alia, 2007). Ocorre perda da massa e força muscular, equilíbrio, diminuição da densidade óssea, compressão vertebral com consequente diminuição da estatura (Gault & Willems, 2013; Matsudo, 2002; Matsudo, Matsudo, & Neto, 2000). O cabelo perde a pigmentação, as unhas ficam mais grossas, a pele fica mais seca, enrugada e perde sensibilidade ao calor, frio, lesões (Age, 2012; Lata & Alia, 2007). Ao nível gastrointestinal ocorre redução na produção de enzimas que podem resultar em aflição gastrointestinal, disfagia e digestão mais tardia. Em termos metabólicos ocorre uma menor absorção e utilização da comida para produzir energia. Ao nível sensorial ocorrem alterações na visão, audição, gosto e cheiro (Gault & Willems, 2013; Lata & Alia, 2007). Ao nível antropométrico também são evidentes as alterações de envelhecimento nomeadamente aumento do peso e respetivamente do Índice de Massa Corporal (IMC) e aumento da gordura corporal que se torna mais centralizada (tronco/cintura) (Matsudo, 2002; Matsudo et al., 2000). Todas estas alterações têm como consequência perda na capacidade de executar tarefas do dia-a-dia e maior risco de quedas e encontram-se associadas a risco de patologias crónicas, morbilidade e mortalidade, aumento da incapacidade com consequente dependência funcional e uso de recursos de saúde (Age, 2012; Faina et al., 2008; Gault & Willems, 2013; Hill, 2011; Koster et al., 2010; Netto, 2004; Nylen, Kokkinos, Myers, & Faselis, 2010; Queiroz et al., 2010)

No que respeita a alterações em termos cognitivos estas são pouco percetíveis até aos 50 anos. Só a partir dos 70 anos é que se nota um declínio, significativo, em termos de inteligência e aprendizagem/memória. No que diz respeito à aprendizagem e memória, com a idade torna-se cada vez mais difícil lembrar de experiências ou acontecimentos recentes, há uma diminuição na capacidade de assimilar novas informações ou de recuperar informações existentes a partir da memória (Lata & Alia, 2007; Phillips & Davidoff, 2007). Relativamente à inteligência importa

(22)

distinguir dois tipos de inteligência: inteligência fluida e cristalizada. A inteligência fluida refere-se à inteligência biologicamente determinada, ou seja é a capacidade de pensar logicamente e resolver problemas independentemente do conhecimento adquirido. Este tipo de inteligência vai-se perdendo depois dos 50 anos de idade (Lata & Alia, 2007; Phillips & Davidoff, 2007). Por sua vez a inteligência cristalizada refere-se ao conhecimento e as habilidades que a pessoa adquire através da experiência de vida e mantém-se estável até aos 80 anos de idade. Este declínio cognitivo é influenciado por alguns fatores como isolamento devido ao declínio físico, morte de familiares e amigos e outros fatores sociais (Lata & Alia, 2007; Phillips & Davidoff, 2007).

Sabendo que o envelhecimento demográfico se deve à redução da mortalidade (por progressos médico/científicos) e da fecundidade (redução do número de nascimentos e retardar do projeto de maternidade) e a um desenvolvimento e modernização da sociedade, é de prever que a população não deixe de envelhecer (Gil, 2007; Kalache et al., 1987; Pinto, 2006; Rosa, 2012; WHO, 2002).

1.1.1.Demografia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que a pirâmide etária seja, até 2025, substituída por um cilindro (Figura 1). Estima que em 2050 existirão cerca de 2 biliões de pessoas no Mundo com idade superior a 60 anos e que 80% se encontrará nos países desenvolvidos, como o caso de Portugal. Refere ainda que a faixa etária de 80 anos ou mais é a que se encontra em maior crescimento nos últimos anos e com tendência a aumentar (WHO, 2002) .

Figura 1.Pirâmide etária 2002 e perspetiva 2025 para a população mundial Fonte: WHO (2002)

Por outro lado, o departamento de assuntos económicos e sociais das nações unidas refere que a percentagem de pessoas com idade superior a 60 anos, em todo o mundo será de 25.3% em 2050 e que em Portugal o valor percentual seja de 53.2% em 2050. Além disso prevê

(23)

que Portugal se encontre na vigésima posição do ranking de Países em que é previsto um decréscimo de população, presumindo-se que em Portugal, no ano 2050, o número de habitantes de 9843 milhões de pessoas (United Nations, 2013a, 2013b).

Segundo os Censos (2011), a percentagem de pessoas, em Portugal (Figura 2), com 65 ou mais anos é de 19,4%, sendo que para a região Minho-Lima este valor é de 23,2%. O índice de envelhecimento do país, que representa o número de idosos (mais de 65 anos) por cada 100 jovens (0-14 anos), é de 129, o que significa que Portugal tem mais idosos que jovens (I.N.E., 2011). Como previsões futuras o Instituto Nacional de Estatística (I.N.E.) prevê que em 2060 a esperança de vida à nascença para o Norte de Portugal seja de 84.0 e 89.7 anos para homens e mulheres, respetivamente, salientando ainda que o índice de envelhecimento poderá ser de 366, no Norte do País (I.N.E, 2014).

Figura 2.Pirâmide etária de Portugal 2001 e 2011 Fonte: I.N.E. (2011)

Quando se analisa o perfil de saúde da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM, E.) de 2014, os dados apontam para um índice de envelhecimento de 177.3, uma taxa bruta de natalidade1 de 7.1% e uma esperança média de vida para os homens de 77.0 anos e para as mulheres de 84.3 anos (Departamento de Saúde Pública ARS Norte, 2014).

1.1.2.Envelhecimento Ativo

O envelhecimento da população é uma das maiores vitórias da humanidade, mas ao mesmo tempo um desafio para a sociedade e para o Sistema de Saúde, quer por aumentar a

(24)

suscetibilidade para doenças crónicas, quer por colocar em risco a sustentabilidade da segurança social (Ministério da Saúde, 2012g; WHO, 2002). Surgem então preocupações a vários níveis: económico, saúde, social, qualidade de vida, entre outros (Fernandes, 2005; Gil, 2007; Januário, Junior, Liutti, Decker, & Molari, 2011), levando a OMS a levantar questões pertinentes tais como:

 Como podemos ajudar as pessoas a manterem-se independentes e ativas?

 Como podemos fortalecer a promoção de saúde e políticas de prevenção, especialmente, direcionadas para os mais velhos?

 Como podemos melhor a Qualidade de Vida (QdV)?

 Pode este número elevado de idosos causar problemas de sustentabilidade ao sistema de saúde e social? (WHO, 2002)

Com isto percebe-se que a saúde – estado de bem-estar físico, mental e social - é um tema mais amplo e que esta apenas pode ser criada e suportada através da participação de múltiplos fatores. Desta forma aumenta o interesse por medidas que possam avaliar o valor despendido pelo Estado na manutenção da percentagem de população não ativa da sociedade (Veras, Ramos, & Kalache, 1987), uma vez que os mais velhos são consumidores substanciais dos serviços de saúde e que muitos deles lidam com doenças crónicas e/ou incapacidade (Hill, 2011).

Um indicador usado pelos economistas como ferramenta de manutenção e planeamento dos serviços de cuidados é o índice de dependência, que representa a relação entre o número de pessoas que atingem uma idade em que estão geralmente inativas do ponto de vista económico (65 e mais anos) e o número de pessoas em idade ativa (dos 15 aos 64 anos). Em Portugal, o índice de dependência de idosos, em 2013, foi de 29.9%, valor superior ao da média europeia e dos países com maior ascensão dos anos 80 (Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2009; WHO, 2002).

Tendo em conta esta nova realidade, e uma vez que o envelhecimento deve ser visto como uma experiência positiva e deve ser acompanhada por oportunidades para a saúde, participação e segurança, surgiu a necessidade de políticas e programas para um envelhecimento ativo – “Active Aging” (WHO, 2002). O Active Aging pretende manter autonomia e independência dos mais velhos, definindo o envelhecimento ativo como um processo de otimização de oportunidades de saúde, participação e segurança a fim de melhorar a qualidade de vida com a idade (WHO, 2002). Desta forma pretende-se que as pessoas entendam o seu potencial para o bem-estar (físico, social e mental) para a participação na sociedade (de acordo com as suas necessidades, desejos e capacidades), proporcionando-lhes proteção apropriada e segurança e cuidados quando precisarem, ao longo das suas vidas. Desta forma espera-se que os indivíduos sejam sujeitos ativos, ou seja, que participem de forma continua em assuntos sociais, económicos, culturais entre outros e não apenas em aspetos físicos (WHO, 2002).

O Active Aging considera três pilares de intervenção: saúde, participação e segurança. Além disso tem em conta os princípios das Nações Unidas para os mais velhos sendo eles: independência, participação, cuidado, dignidade e autorrealização. Assim, e considerando a complexidade e consequências físicas e sociais do envelhecimento, pretende-se que os organismos estatais tomem medidas ao nível da saúde tendo em conta que, agindo de forma a

(25)

baixar os fatores de risco para doenças crónicas e declínio funcional, e aumentando os fatores de proteção, as pessoas vão disfrutar de uma maior vida em termos de quantidade e qualidade, necessitando de menos cuidados médicos (WHO, 2002).

Ao nível da participação espera-se que sejam criadas atividades para que as pessoas continuem a manter uma contribuição produtiva para a sociedade, através de linhas de intervenção tais como proporcionar oportunidades de educação e de aprendizagem ao longo da vida; reconhecer e permitir a participação ativa de pessoas em atividades de desenvolvimento económico, trabalho formal e informal e atividades voluntárias com a idade, de acordo com as suas necessidades individuais, preferências e capacidades; incentivar as pessoas a participar plenamente na vida da comunidade familiar, à medida que envelhece (WHO, 2002). No que concerne a segurança as linhas orientadoras são assegurar a proteção, a segurança e a dignidade das pessoas idosas, abordando os direitos e necessidades das pessoas para a segurança social, financeira e física à medida que envelhecem e reduzir as desigualdades nos direitos de segurança e necessidades das mulheres mais velhas (uma vez que as mulheres vivem mais que os homens) (WHO, 2002).

De forma a ajudar os decisores políticos no desenvolvimento de políticas para o envelhecimento ativo e saudável foi criada em 2012 uma nova ferramenta – Active Aging Index (European Commission, 2013). Esta ferramenta tem por base vários indicadores nomeadamente: Emprego, Participação na sociedade, vida independente, saudável e segura e capacidade e ambiente propício para o envelhecimento ativo. Os resultados de Portugal estão apresentados na Tabela 1(European Commission, 2013).

Tabela 1.Ranking do Active Ageing Index

Global Emprego Participação na sociedade Vida independente, saudável e segura Capacidade para o envelhecimento ativo

Suécia (1) Suécia (1) Irlanda (1) Dinamarca (1) Suécia (1) Dinamarca (2) Chipre (2) Itália (2) Suécia (2) Dinamarca (2)

Irlanda (3) Reino Unido (3) Luxemburgo (3) Holanda (3) Holanda (3)

Portugal (13) Portugal (4) Portugal (20) Portugal (24) Portugal (18)

Existe uma correlação positiva entre o índex medidas de performance económica e social desta forma o índex pode ser para benefício dos decisores políticos para que baseiem as políticas relacionadas com o envelhecimento em evidências de forma a trabalhar para melhores resultados (European Commission, 2013).

(26)

1.1.3.Envelhecimento e Atividade Física

Tendo em vista o crescimento global do número de idosos tem aumentado o interesse em perceber como envelhecer de forma mais saudável, independente, ativa e com qualidade de vida Dado que a qualidade de vida se encontra intimamente ligada a uma boa independência motora, é fundamental que o idoso consiga retardar o mais possível o declínio da sua aptidão física (Caporicci & Neto, 2011; Carvalho & Soares, 2004).

Apesar do envelhecimento ser um facto inevitável, o declínio fisiológico varia consideravelmente de individuo para individuo (Faina et al., 2008; Faria & Marinho, 2004), sendo que as perdas podem ser minimizadas com a prática regular de Atividade Física (AF) (Netto, 2004). Uma das linhas de intervenção propostas pelo programa de Active Ageing para prevenir e reduzir o peso da incapacidade, doenças crónicas e morte prematura nos idosos são programas de atividade física (WHO, 2002).

O exercício físico melhora as capacidades físicas compensando as perdas de massa muscular e o declínio da função neurológica para que a QdV possa ser preservada. A atividade física tem efeitos benéficos em causas subjacentes a doenças tais como diabetes, obesidade, osteoporose, doença coronária (Bassey, 2002). Um idoso ativo apresenta menor decréscimo de força muscular e performance física. Níveis modestos de atividade física como pratica regular no dia-a-dia são benéficos uma vez que a melhoria da força muscular se traduz numa melhoria no SF36 (Bassey, 2002). Outros benefícios físicos da atividade física incluem diminuição da pressão arterial (Queiroz et al., 2010), controlo peso, aumento da densidade óssea, melhora força muscular, flexibilidade, equilíbrio, mobilidade.), como benefícios psicológicos, melhora autoimagem, aumenta auto estima e bem-estar, diminuiu stresse depressão, mantem autonomia reduz isolamento e como benefícios sociais, aumenta o envolvimento em atividades culturais e sociais (Faina et al., 2008; Matsudo, 2002; Matsudo et al., 2002; Nelson et al., 2007; Stewart, 2005).

Além disso, a atividade física pode ser vista como estratégia para benefícios económicos, nomeadamente reduzir os custos relacionados à saúde uma vez que está comprovado que a atividade física exerce um papel importante na vida dos idosos através de benefícios fisiológicos, psicológicos e sociais, melhorando aptidão física relacionada com autonomia e independência, reduzindo a probabilidade de quedas, manutenção de autonomia e melhoria na qualidade de vida (Carvalho & Soares, 2004; Geirsdottir et al., 2012; Nakagava & Rabelo, 2007; Stewart, 2005; Zamai, de Moraes, Bankoff, & Mendes, 2011).

Desta forma têm sido realizados diversos estudos com o intuito de perceber se planos de atividade física melhoram a aptidão física e a qualidade de vida dos idosos. Alguns estudos são apresentados na Tabela 2 e 3.

(27)

Tabela 2.Estudos com atividade física em idosos (Iª Parte)

Autor/Ano Amostra / Idade (dp)

Objetivo Programa de Atividade Principais Resultados

Arai, Obuchi, Inaba, Shiba, & Satake, 2009

151

Idade: 73.3 (5.6)

Descrever as mudanças no equilíbrio e avaliar a relação entre condições físicas e mudanças no equilíbrio depois de um programa de 12 semanas de intervenção

3 Meses de treino de alta intensidade: Força e equilíbrio

Frequência: 2x semana

Melhorias significativas no equilibro dos idosos

Barbat-Artigas, Filion, Dupontgand, Karelis, &

Aubertin-Leheudre, 2011

62 Mulheres Idade: 61 (6)

Investigar os efeitos de 12 semanas de Tai-Chi em mulheres pós menopausa e com/sem sarcopenia

12 Semanas de Tai-Chi Frequência: 3x semana

Melhorias na composição corporal, força muscular, capacidade funcional e perceção geral de saúde

De Moraes et al., 2012 36 Idade: 69.3

Investigar os efeitos de um programa de treino físico na pressão sanguínea, aptidão física e capacidade funcional de idosos com hipertensão

12 Semanas de treino com treino aeróbico, força, flexibilidade e equilíbrio.

Frequência: 2x semana

Melhorias dos indicadores metabólicos, aptidão física, capacidade funcional; Auxiliou controlo da pressão sanguínea; Aumento da força muscular, capacidade aeróbica e equilíbrio

Geirsdottir et al., 2012 238

Idade: 73.7 (5.7)

Investigar os efeitos de um treino de resistência na força, composição corporal, capacidade funcional e QdV de idosos

12 Semanas de treino desenhado para aumentar a força e massa muscular de todo os grandes grupos musculares

Frequência: 3x semana

Melhorias significativas na massa magra, força muscular, função física e QdV. Estas melhorias relacionam-se positivamente com a melhoria na QdV

Guirado et al., 2012 15

Idade: 68 (8)

Avaliar os efeitos de um treino de 6 meses na capacidade funcional e função diastólica de idosos com hipertensão controlada

6 Meses de treino de força e capacidade aeróbica

Frequência: 3x semana

Melhorias significativas na força muscular

Pereira, Izquierdo, Silva, Costa, Bastos, et

al., 2012 Grupo experimental: 28 Idade: 62.5 (5.4) Grupo controlo: 28 Idade: 62.2 (4.3)

Investigar o efeito de 12 semanas de treino na força muscular

12 Semanas de treino de força de alta velocidade

Frequência: 3x semana

Melhorias significativas na força isométrica e dinâmica, função e energia muscular. Os resultados têm relevância prática importante para a construção de programas de atividade física uma vez que a capacidade de desenvolver força rapidamente e executar tarefas diárias ajudam a manter a independência durante mais tempo

Pereira, Izquierdo, Silva, Costa,

Gonzalez-Badillo, et al., 2012 Grupo experimental: 20 Idade: 64.8 (2.8) Grupo controlo: 17 Idade: 65.8 (2.5)

Investigar o impacto de 6 semanas de paragem após 12 semanas de treino

12 Semanas de treino de força de alta velocidade seguido de um período de 6 semanas de paragem

O período de paragem levou a diminuição da força muscular. Esses dados indicam que o período de paragem pode induzir quedas maiores na força muscular do que na produção de energia e preservar a independência física, mediadas em parte, pela eficácia do treinamento de força de alta velocidade.

(28)

Tabela 3.Estudos com atividade física em idosos (2ª Parte)

Autor/Ano Amostra /

Idade (dp) Objetivo Programa de Atividade Principais Resultados

Seguin, Heidkamp-Young, Kuder, &

Nelson, 2012

367 mulheres Idade: 63 (11)

Avaliar a aptidão física antes e depois de um programa de participação.

12 Semanas de treino de resistência, equilíbrio e flexibilidade

Frequência: 2x semana

Melhoria na aptidão física que indica melhoria da mobilidade e força, bem como redução de quedas, o que ajuda a manter a independência e melhorar a QdV das mulheres idosas

Shin, Kang, Park, & Heitkemper, 2009 Grupo Experimental: 26 Idade: 76.6 (6.8) Grupo Controlo: 22 Idade: 75.1 (8.2) Examinar o efeito de um programa de exercício na aptidão física, depressão e auto eficácia em mulheres.

Programa de intervenção com duas partes: educação e exercício físico.

Educação: temas como mudanças físicas, psicológicas e socias no envelhecimento, características fisiológicas e psicológicas das pessoas idosas, benefícios, efeitos e formas de exercício (1x semana; 4 semanas).

Exercício físico incluía movimentos rítmicos para alongamentos, aumentando a mobilidade das articulações, fortalecimentos dos músculos e aumento da resistência cardiorrespiratória (2x semana; 8 semanas).

Este programa melhorou significativamente a aptidão física assim como alivio sintomas de depressão e aumentou a força muscular. Faina et al., 2008 32 idosos sedentários Idade: 66.19 (6.92) Determinar se a aptidão física e mental de um grupo de idosos sedentários melhora após um programa de exercício.

10 semanas de exercícios para melhorar: flexibilidade, equilíbrio, força, velocidade de movimentos e resistência cardiorrespiratória Frequência: 2x semana

Melhorias em todas as habilidades físicas. Os resultados mostraram ainda que mesmo idosos sedentários, que não pratiquem atividade física regular, podem obter melhorias na aptidão física, composição corporal, humor e auto estima, com programas de exercício leves.

Gerage, Januário, Nascimento, Pina, &

Cyrino, 2013 Grupo experimental: 24 idosas sedentárias Idade: 66.0 (4.8) Grupo controlo: 27 Idade: 66.6 (4.1) Analisar o impacto de 12 semanas de treino sobre a aptidão físico-funcional de mulheres idosas

12 semanas de treino de resistência Frequência: 3x semana

Melhoria na resistência muscular dos membros inferiores e superiores e habilidades manuais.

12 semanas de treino parecem ser suficientes para provocar melhorias físicas e funcionais em idosas.

Carvalho, Fernandes, & Mota, 2001 15 mulheres Idade: 74.3 (6.7) Estudar os efeitos de um programa de exercício físico na aptidão física de idosas

4 meses de exercícios que incluíam: aquecimento, exercícios aeróbicos, força muscular, equilíbrio, jogos didáticos e relaxamento

Melhorias significativas nos indicadores de força, resistência muscular, coordenação e resistência cardiorrespiratória; Melhorias na flexibilidade e agilidade (não significativas).

Faria & Marinho, 2004

20 idosos sedentários entre 65 e 81 anos Observar e avaliar a influência da prática de exercício físico na atividade motora de idosos

8 semanas de exercício que incluíam: aquecimento, exercícios de alongamento, força, flexibilidade, equilíbrio, coordenação, capacidade aeróbia e relaxamento.

Melhorias em alguns comportamentos que traduziam melhorias na força, flexibilidade, equilíbrio e coordenação.

(29)

Além da componente da capacidade funcional, também a qualidade de vida e perceção de saúde parecem melhorar com a prática de atividade física. Alguns estudos foram realizados nesse âmbito tais como Olivares e colaboradores (2011) que recrutou 7104 sujeitos (50 aos 99 anos), que participaram num programa de atividade física, e avaliou-os quer em parâmetros físicos (força e flexibilidade dos membros superiores e inferiores), quer QdV (EQ-5D). Os resultados mostraram que o desempenho numa bateria de testes, que avaliam a aptidão física, pode prever a perceção do estado de saúde nas dimensões da QdV. Desta forma a perceção de problemas no questionário de qualidade de vida, principalmente em dimensões físicas, estava associado a baixo níveis de aptidão física (Olivares, Gusi, Prieto, & Hernandez-Mocholi, 2011).

Caporicci e Neto (2011) tinham como objetivo avaliar a QdV, através do questionário SF36, em 12 idosos ativos e 12 idosos não ativos. Apesar dos resultados não serem estatisticamente significativos, o grupo que praticava atividade física apresentava melhores scores em quase todos os domínios (Caporicci & Neto, 2011). Também Januário e colaboradores (2011) pretendiam analisar a qualidade de vida (através do SF36), tendo em conta o nível de participação em programas de exercícios físicos, em 64 idosos ativos e 38 idosos não ativos. Como resultados obtiveram que o grupo controlo apresenta pontuações inferiores em todos os domínios exceto desempenho físico e emocional (Januário et al., 2011).

Ainda Pacheco e colaboradores (2005) pretendiam comparar a qualidade de vida (SF36) e a performance motora de 10 idosos (5 no grupo controlo e 5 no grupo de treino) e de 8 idosas (4 no grupo controlo e 4 no grupo de treino). Como resultados verificou que o sexo masculino que pertencia ao grupo de treino apresentou melhores resultados (SF36) nos domínios de função física, desempenho físico e dor. As idosas que pertenciam ao grupo de treino apresentaram melhores resultados nos domínios de função física e saúde geral (Pacheco, Cesar, Oliveira Jr, & Storer, 2005). Toscano e Oliveira (2009) procuraram comparar os resultados do SF36 em 587 idosas com distintos níveis de atividade física. Como achados encontraram diferenças significativas entre o nível de atividade física e a qualidade de vida, sendo que as idosas mais ativas apresentaram melhores resultados em todos os domínios (Toscano & Oliveira, 2009).

Um estudo português realizado a 185 idosos institucionalizados pretendia explorar a relação entre QdV e intensidade de atividade física (objetivamente medida com um acelerómetro). Como resultados verificaram que o grupo mais ativo apresentou melhores scores de QdV nos domínios de função física, desempenho físico, vitalidade e dor corporal (Lobo, Santos, Carvalho, & Mota, 2008).

Em suma, são vários os estudos que comprovam que a prática de atividade física melhora a aptidão física e qualidade de vida. Além de prevenir fatores de risco associados a doenças crónicas, ajuda a manter a independência funcional, evitam o preconceito de idade que desencoraja os mais velhos de alcançar seu potencial, sendo um excelente promotor de saúde (Matsudo, 2002; Matsudo et al., 2000; Nelson et al., 2007). Desta forma Nelson (2007) sugere algumas áreas que devem ter ênfase na promoção de atividade física. Essas áreas são redução

(30)

de comportamentos sedentários, aumento da atividade física moderada (dando menos destaque a alcançar altos níveis de atividade), adotar uma abordagem passo-a-passo/gradual no aumento dos níveis de atividade física, realização de atividade de fortalecimento muscular em todos os tipos de atividade recomendada, sustentar abordagens a nível individual e ao nível da comunidade e utilizar estratégias de gestão de risco para evitar lesões (Nelson et al., 2007).

1.2.Qualidade de Vida

A QdV, que atualmente é tema de interesse e pesquisa, não surgiu apenas no século XX mas remonta já á Antiguidade quando se referia “boa vida” e “felicidade” (Canavarro & Serra, 2010; Forward, 2003; Pimentel, 2006), tendo Aristóteles escrito que:

“Quer a pessoa mais modesta ou a mais refinada… entende ‘vida boa’ ou ‘estar bem’ como a mesma coisa que ‘estar feliz’. Mas o que é entendido como felicidade é discutível… uns dizem uma coisa e outros outra e a mesma pessoa diz coisas diferentes em tempos diferentes: quando está doente pensa que a saúde é a felicidade; quando está pobre felicidade é riqueza” in Pimentel, 2006, pág.20.

Também a 2º Guerra Mundial emergiu o tema da QdV num contexto de medição mais objetiva nomeadamente através do crescimento económico. O crescimento económico era então utilizado como indicador socioeconómico para medir a QdV e permitia comparar a QdV entre países (Canavarro & Serra, 2010; Farquhar, 1995; Martins, Albuquerque, Gouveia, Rodrigues, & Neves, 2007).

A partir dos anos 60 percebe-se que embora a parte objetiva – indicadores de desenvolvimento económico – fosse importante, não era sensível ao desenvolvimento social, sendo necessário avaliar a qualidade de vida percebida pelas pessoas (QdV subjetiva) (Canavarro & Serra, 2010; Farquhar, 1995; Forward, 2003; Martins et al., 2007; Pimentel, 2006). Percebe-se desta forma que o conceito de QdV é bastante amplo e dinâmico que, tendo despertado o interesse em diversas áreas como economia, psicologia, fisiologia, medicina, enfermagem, entre outras, tornou difícil a definição consensual de Qualidade de Vida, havendo inúmeras propostas de definições (Forward, 2003; Martins et al., 2007; Muldoon, Barger, Flory, & Manuck, 1998; Pernambuco et al., 2012; Pukeliene & Starkauskiene, 2011).

Segundo Abrams (1973) e Rice (1984) a QdV era classificada pela satisfação ou insatisfação dos indivíduos nos diversos aspetos da vida.

“O grau de satisfação ou insatisfação sentida por pessoas com vários aspetos das suas vidas”

Abrams (1973) in Farquhar, 1995, pág.1440.

“o grau em que a experiência de vida de um indivíduo satisfaz os seus desejos e necessidades (físico e psicológico)” Rice (1984) in Kerce, 1992, pág.2.

(31)

Por outro lado George & Bearon (1980) definiram a qualidade de vida identificando quatro dimensões subjacentes ao conceito. Duas dimensões mais objetivas (saúde geral e estado funcional) e duas mais subjetivas (satisfação com vida e autoestima) (Farquhar, 1995, pág.1440).

Conceitos mais globais e multifatoriais são apresentados por Tiel, McNeiel e Bush (1984) e Ferreira (1998) que sugeriram qualidade de vida como:

“um conceito global que… inclui as vertentes psicológica e social e física e incorpora tanto os aspetos positivos de bem-estar, como os aspetos negativos da doença” Tiel, McNeiel e Busch (1984) in Pimentel, 2006, pág.20.

“a perceção, única e pessoal de vida, marcada por muitos fatores interrelacionados, como situação socioeconómica, o clima politico, os fatores ambientais, a habitação, a educação, o emprego, entre outros.” in Ferreira, 1998, pág.17.

Estas definições aproximam-se da definição de QdV apresentada pela OMS (1994) que, dada a diversidade de definições, é a comummente mais aceite sendo definida como:

“perceção do individuo da sua posição na vida, no contexto de cultura e valores em que vive, e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações” in WHO, 2002, pág.13.

Apesar das várias definições percebe-se que estas são consensuais quanto à subjetividade e multidimensionalidade do tema qualidade de vida. Relativamente à subjetividade é patente que se deve considerar a perceção da pessoa. Quanto à multidimensionalidade refere-se que a qualidade de vida é composta por várias dimensões: física, desempenho, psicológica, social, emocional, entre outras, ressalvando que para avaliar a QdV só pode ser possível se avaliada pela própria pessoa (Campolina, Dini, & Ciconelli, 2011; Hays, R., & Revicki, 1993; Pimentel, 2006; Seidl & Zannon, 2004; The WHOQOL Group, 1995).

(32)

1.2.1.Qualidade de Vida e Saúde

A saúde é um conceito igualmente difícil de definir. Inicialmente era avaliada em termos de sobrevivência, sendo posteriormente associado a ausência de doença e visto como algo de positivo, no entanto existem diversas formas de definir saúde (Figura 3) (Ferreira, 1998)

Figura 3.Definições de saúde. Fonte: Ferreira (1998)

A saúde pode então ser definida num contexto mais oficial e num contexto mais popular. O primeiro é mais voltado para as perspetivas dos profissionais de saúde. O segundo é relativo à perceção das pessoas, de quem não está envolvido nas áreas da saúde. No entanto, apesar de distintas, coexistem e muitas vezes a opinião popular é utilizada pelos profissionais de saúde (Ferreira, 1998).

Numa definição oficial, Ferreira (1998) refere que a saúde pode ser apresentada sob uma perspetiva negativa ou positiva. Analisar a saúde do ponto de vista negativo diz respeito à ausência de doença ou ausência de sensação de se sentir doente, ou seja sugere que as pessoas são saudáveis até ao ponto em que apresentam sinais de problemas. Relativamente a uma perspetiva positiva existem cinco teorias principais de definição de saúde: o estado ideal (completo bem-estar físico, mental e social), um bem (fornecido através de cuidados de saúde), o ajuste físico e mental (estado de capacidade ótima para o desempenho das tarefas desejadas), força interior ou capacidade (resposta positiva aos problemas e sofrimentos da vida) e por último, base

Figure

Actualización...

Related subjects :