• No se han encontrado resultados

“EU NÃO TENHO NEM ONDE CAIR MORTO”. EU NÃO EXISTO: uma análise macrofilosófica do direito à existência para as pessoas em situação de rua

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2023

Share "“EU NÃO TENHO NEM ONDE CAIR MORTO”. EU NÃO EXISTO: uma análise macrofilosófica do direito à existência para as pessoas em situação de rua"

Copied!
327
0
0

Texto completo

Esta pesquisa trata da necessidade de estabelecer a existência dos moradores de rua como sujeitos de direitos. Nessa perspectiva, examinamos os mecanismos que impedem ou impedem que os moradores de rua existam como sujeitos de direitos. Para compreender o acesso aos direitos da população em situação de rua, utilizou-se também metodicamente uma revisão da literatura e uma meta-análise.

CIAMP-RUA - Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento da Política Nacional de Situação de Rua. CNDDH - Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos dos Trabalhadores em Situação de Rua e Catadores de Materiais Recicláveis. PMSSR - Plano Municipal de Superação da Situação de Rua PNAD - Pesquisa Nacional de Domicílios PNH - Política Nacional de Habitação.

INTRODUÇÃO TEÓRICO-METODOLÓGICA

Nesse sentido, entender o modo de vida dos moradores de rua requer entender a própria rua. Portanto, para atingir um indivíduo, o autor o fazia sob a direção de movimentos sociais, da Pastoral de Rua ou mesmo de outras pessoas em situação de rua. Foram entrevistadas 60 pessoas, sendo 50 em situação de rua e 10 com histórico de situação de rua.

Para compreender o acesso aos direitos pela população em situação de rua, também foi utilizada a ferramenta metodológica de pesquisa bibliográfica e meta-análise. Atores como gestores públicos, assistentes sociais, representantes da luta pela moradia e pelos direitos dos moradores de rua podem ser destacados. Também foi feita uma breve análise do acesso à moradia no Brasil com base nas políticas habitacionais federais e nas políticas de acesso à moradia da população em situação de rua.

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Adota a Política Nacional de Situação de Rua e o Comitê Intersetorial de Orientação e Acompanhamento e dá outras providências. Com quem os filhos e filhas de mães sem-teto ficam e para onde vão? Todas as pessoas que vivem na rua usam lugares públicos e áreas abandonadas para morar e viver?

Como os sem-teto veem aqueles que não são sem-teto?. É a sociedade que deve ser tratada com preconceito e não a população de rua como usuária de drogas. A população de rua está aumentando por discriminação e não por falta de moradia, porque a prefeitura fornece casas, apartamentos39.

O PRESSUPOSTO TEÓRICO “(IN) EXISTÊNCIA” DAS PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

CONSIDERAÇÕES PARCIAIS

Feitas essas considerações iniciais, cujo objetivo é compreender o termo “(in)existência”, entende-se que se trata de um conceito que vai além do acesso ao direito à sobrevivência, à existência corpórea, pois é considerado como “ existir". ” que possam reivindicar e usufruir de seus direitos, sejam capazes de superar a insegurança, a vulnerabilidade, a dependência, a exposição, o desejo, as necessidades. Argumenta-se que o homem deve ser reconhecido como sujeito de direitos, qualquer que seja sua situação e condição, devendo, portanto, existir antes dos demais, sem ser impedido de acessar direitos por não os possuir - moradia digna e adequada, por exemplo - ou outro deles, e isso não acontece com a população de rua que se encontra ao mesmo tempo em estado de sobrevivência, invisibilidade. 166 “[..] a Europa experimentou um grande aumento de pessoas em situação de rua, mais um sintoma da peculiaridade estrutural e globalizada das repercussões das políticas macroeconômicas sobre elas.

Nesse sentido, para validar o argumento de que a superação da situação de rua é garantia de existência, basta pensar o contrário, que é possível pensar que uma pessoa existe para o Estado quando este lhe nega o acesso a direitos básicos , e que é possível viver com dignidade estando exposto às intempéries, violência humana e institucional, sem acesso ao trabalho, renda, educação, saúde, intimidade, privacidade. A compreensão dos mecanismos de negação de acesso a direitos pode surgir a partir da compreensão das violências e violações de direitos que atingem histórica e cotidianamente a população em situação de rua, prática evidenciada pela necrobiopolítica167 e pelo racismo institucional e estrutural168, temas que serão analisados. Recentemente, os textos de Giorgio Agamben (homo sacer/vida nua), Achille Mbembe (necropoder), Judith Butler (vida incerta, abjeção e vulnerabilidade), Spivak (subordinação e discurso) passaram a compor o cânone do que se pode chamar de ciência social das identidades abjetas, identidades que são a alma da necrobiopolítica do Estado.

MECANISMOS DE NEGAÇÃO AO ACESSO A DIREITOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA81

DADOS COMPILADOS PELO CENTRO NACIONAL DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DA

  • Violência Física
  • A violência institucional e a violação aos direitos: por quem, contra quem e como é

A efetividade das ações do Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua e Catadores de Materiais Recicláveis ​​(CNDDH). Fonte: Elaborado pela autora com base nos dados do relatório do Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua e Catadores de Materiais Recicláveis ​​(CNDDH). A violência psicológica também pode advir, por exemplo, de tratamentos prestados por profissionais de instituições de acolhimento, abrigos à população em situação de rua.

Outros crimes homicidas contra a população em situação de rua têm sido amplamente divulgados pela imprensa nacional e internacional. 224 Cabe ressaltar que o termo mendigo é frequentemente utilizado para designar um morador de rua, o que é repudiado pelo Movimento Nacional da População em Situação de Rua. Segundo dados do CNDDH, o Estado aparece como o principal agente violador dos direitos da população em situação de rua.

Além desse episódio, a autoridade da Companhia de Limpeza do Rio de Janeiro (COMLURB) e do Centro Presente (guarda municipal local) 245. removeu arbitrariamente os pertences dos moradores de rua para moradores de rua na cidade. Rio de Janeiro. Estabelece diretrizes e estratégias de orientação para o processo de enfrentamento das desigualdades e iniquidades em saúde com foco na população em situação de rua (PSR) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Privação de bens pessoais necessários à sobrevivência digna da população em situação de rua - Violação do princípio da moralidade - Decisão revista. Segundo a definição da portaria, a população em situação de rua utiliza espaços públicos e, muitas vezes, áreas degradadas “ou abandonadas” como espaço de convivência. CENTRO NACIONAL DE PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DA POPULAÇÃO EM SEM-ABRIGO E CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS.

Relatório: Violações dos direitos da população de rua nos meses que antecedem a Copa do Mundo.

DADOS COMPILADOS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE – MS

  • Violência segundo a raça/cor da pele
  • Violência segundo a faixa etária
  • Violência segundo o sexo, a identidade de gênero e a orientação sexual
  • Tipos de violência
  • Violência segundo o autor
  • Violência de repetição
  • Violência autoprovocada
  • Violência motivada por situação de rua por capital, unidade da federação e região
  • Negação ao direito à alimentação adequada e à saúde: uma violência contra a vida
  • Os desafios da população em situação de rua em tempos de pandemia

Determinantes da escolarização de crianças e adolescentes em situação de rua no estado de Minas Gerais. Violência vivida por adolescentes em situação de rua na perspectiva de cuidadores profissionais em abrigos. Muitas vezes descobrimos que drogas e vícios não são o principal problema para as mulheres que vivem nas ruas.

Situação semelhante é a do público LGBTQIA+ – lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros em situação de rua. A população sem-teto ainda viveria na sociedade pré-moderna de soberania como uma sociedade de sangue? Quando a gente conversa, discute moradia para a população de rua, a gente traz o pior: a desconfiança, o preconceito.

Sem contar que os sem-teto acabam sendo culpados por tudo, toda a criminalidade da cidade, sujeira, etc.379. Segundo Boaventura de Sousa Santos, os sem-abrigo fazem parte de uma sociedade incivilizada382. Outra forma de acesso à alimentação para pessoas em situação de rua é a mendicância.

Muitos sem-abrigo pedem uma refeição a proprietários, gerentes de restaurantes, cafetarias, padarias, supermercados ou clientes. A população em situação de rua em tempos de pandemia: um estudo das medidas emergenciais municipais. Nota Pública sobre a Proteção dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua na Época do Coronavírus.

As que mais faltam são medidas específicas de saúde (entre as analisadas, a novidade foi identificada apenas em seis capitais) e medidas especiais para crianças e jovens em situação de rua.

CONSIDERAÇÕES PARCIAIS

Portanto, mesmo considerando que ações de defesa de direitos e combate à violência devem ser continuadas e ampliadas, já se reconhece no Brasil e em vários países norte-americanos, europeus e latino-americanos que a solução para uma redução mais significativa das violações que são geradas no espaço da rua e pela garantia dos direitos fundamentais se faz pela superação da situação de rua por meio do acesso à moradia. Nesse sentido, acredita-se que o acesso à moradia digna e adequada contribuiria significativamente para a proteção e promoção dos direitos desse grupo populacional. Antes de analisar a violação do direito à moradia, é preciso incluir a moradia no rol de direitos.

Os direitos e garantias fundamentais estão previstos no Título II da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CRFB/88) – Dos Direitos e Garantias Fundamentais – e estão subdivididos em cinco capítulos, na seguinte ordem: Capítulo I: individuais e direitos e deveres coletivos (seção 5);. O direito à moradia faz parte do rol dos direitos sociais447 e só passou a fazer parte dele 12 anos após a promulgação da Constituição (1988), por meio da Emenda Constitucional n. Estes são pressupostos para o gozo dos direitos individuais, uma vez que criam condições mais favoráveis ​​à concretização da igualdade real e ao exercício efectivo da liberdade" (SILVA, José Afonso da.

5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção alguma, que garante aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade nas seguintes condições: [. .] De imediato aplica-se o § 1º das normas que definem direitos e garantias fundamentais” (BRASILIJA, 2020b). 453 O princípio da proibição do retrocesso dos direitos fundamentais tem duas funções: uma positiva e outra negativa. 456 “É certo que os direitos sociais fundamentais às prestações, ao contrário dos direitos de defesa, visam assegurar, compensando as desigualdades sociais, a concretização de liberdade e igualdade reais e efetivas, o que pressupõe a atuação ativa do Estado, uma vez que a igualdade material não é oferecido por si só, mas deve ser implementado corretamente.

Nessa perspectiva, a efetividade dos direitos sociais, especialmente o direito à moradia, ora se apresentará de forma plena, ora de forma limitada, dependendo da dimensão. Refira-se que a limitada eficácia dos direitos sociais não os retira da sua fundamentalidade469, nem da sua função de parâmetro de verificação da constitucionalidade, designadamente no que respeita à inadimplência. A efetividade dos direitos fundamentais é, portanto, uma forma concreta de medir o grau de adesão à lei sobre a política, o grau de promulgação da lei sobre a economia e o grau de culturalização da sociedade por meio da racionalidade normativa inerente à medida e avaliação da economia. Isto. .

No plano internacional, o direito à moradia é reconhecido como direito humano em diversas declarações e tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Estado brasileiro é parte, especialmente na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 (artigo XXV, item 1)482 ; na Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados, que assegura que o alojamento concedido aos refugiados deve ser equivalente ao oferecido aos estrangeiros em geral483; a Convenção Internacional de 1965 sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial (artigo 5, e, iii)484; no Pacto Internacional sobre Direitos Sociais.

Referencias

Documento similar

A presente Unidade Didáctica (en adiante, UD), inclúese na parte de Ontoloxía Xurídica, na que se analiza en xeral que é o Dereito e, en particular, as doutrinas

O Campus do Mar, proxecto liderado pola Universidade de Vigo e no cal tamén participan as da Coruña e Santiago, xunto co CSIC, o Instituto Español de Oceanografía e outras

El sistema de publicación en web ofrece a grupos estudiantiles que sean reconoci- dos por el Departamento de Desarrollo Estudiantil, un espacio para publicar infor- mación en

Nada hacía presagiar en el mes de octubre, cuando comenzábamos el curso académico del Aula Permanente de Formación Abierta de la Universidad de Granada (el “Aula de mayores”),

UNIDADE DIDÁCTICA 4: Análise a curto prazo da ondada- 15 Como a varianza da elevación da superficie libre, , baixo unha onda regular coincide coa metade do cadrado da amplitude,

En el presente proyecto se estudiará la dinámica de poblaciones (tamaño y estructura poblacional) de las babosas Deroceras reticulatum, Milax gagates y Lehmannia marginata y de

Los mercados zamoranos han estado más concurridos que el mes anterior, salvo en caballar y mular. Hubo pocas transacciones a precio ^ en baja, sobre todo en las especies de abasto.

información, como una tendencia del informador hacia la recta averiguación y contrastación suficiente de los hechos y se aboga por la exigencia de un plus de diligencia al