Aline Beatriz Pérez Zúñiga

102  Descargar (0)

Texto completo

(1)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

DEPARTAMENTO DE TURISMO CURSO DE TURISMO

Aline Beatriz Pérez Zúñiga

A DINÂMICA DO TURISMO EM COMUNIDADES INDÍGENAS MEXICANAS:

UMA ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO EM CUETZALAN, PUEBLA

NATAL 2015

(2)

Zúñiga, Aline Beatriz Pérez.

A dinâmica do turismo em comunidades indígenas mexicanas: uma análise do desenvolvimento em Cuetzalan, Puebla / Aline Beatriz Pérez Zúñiga. - Natal, RN, 2015.

100f.

Orientador: Prof. Dr. Wilker Ricardo de Mendonça Nobrega.

Monografia (Graduação em Turismo) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Departamento de Turismo.

1. Turismo cultural – México – Monografia. 2. Comunidades indígenas – Mexicanas - Monografia. 3. Patrimônio cultural - Monografia. 4.

Desenvolvimento sustentável – Turismo – Monografia. I. Nobrega, Wilker Ricardo de Mendonça. II. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. III.

Título.

RN/BS/CCSA CDU 338.48-6:7/8(721/727) Catalogação da Publicação na Fonte.

UFRN / Biblioteca Setorial do CCSA

(3)

A DINÂMICA DO TURISMO EM COMUNIDADES INDÍGENAS MEXICANAS:

UMA ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO EM CUETZALAN, PUEBLA

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenação de Graduação em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito parcial para a obtenção de título de Bacharel em Turismo.

Orientador: Prof. Dr. Wilker Ricardo de Mendonça Nobrega

NATAL 2015

(4)

A DINÂMICA DO TURISMO EM COMUNIDADES INDÍGENAS MEXICANAS:

UMA ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO EM CUETZALAN, PUEBLA

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenação de Graduação em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito parcial para a obtenção de título de Bacharel em Turismo.

Data de aprovação: 03/12/2015

Banca examinadora:

______________________________________________

Prof. Dr. Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Orientador

______________________________________________

Prof.ª Dra. Kerlei Eniele Sonaglio

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Examinadora

______________________________________________

Prof.ª Dra. Cassiana Panissa Gabrielli

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Examinadora

(5)

xiujmej. Idioma Náhuatl -

El éxito no llega por suerte, es el sacrificio y el esfuerzo de días, meses y años de trabajo

O sucesso não chega por acaso, é o

sacrifício e o esforço de dias, meses e anos de trabalho

Sin embargo, por la gracia de Dios soy lo que soy y el favor que me hizo no fue en vano; he trabajado más que todos ellos, aunque no yo, sino la gracia de Dios que está conmigo.

1 Cor 15, 10

(6)

Eterna gratitud a Dios, eterna presencia de infinito amor, en todo momento, por todas las cosas.

Por permitirme vivir con Él este sueño, aprender, madurar y crecer resiliente.

Miak tasokamatik uan to Teotzin, miak tasokamatik, Tonantzin.

Agradezco a mi familia en México, papás, hermanos, abuelitos y amigos porque cada paso dado es un esfuerzo en conjunto y el logro es de todos nosotros.

Gracias a cada uno de aquellos que se volvieron mi familia en Brasil. A mis hermanos de misión, siempre amigos, por la compañía y apoyo en este camino. Y a mis hermanos de capoeira, por la fraternidad y esa unión única que tenemos.

A todos los que hacen posible el PEC-G en Brasil, por darnos la oportunidad de formarnos en esta nación y a todos los compañeros del PEC-G, que viniendo de países y culturas tan diferentes compartimos los mismos sueños, historias y luchas.

A mis profesores más dedicados del curso de Turismo, por su entrega a la profesión y por todo el conocimiento transmitido, siendo un ejemplo a seguir en mi carrera.

A mis compañeros y amigos en la UFRN.

Al profesor Wilker Nóbrega por la orientación en este trabajo.

A la comunidad nahua de Cuetzalan, a las mujeres de la Masehual Siuamej Mosenyolchicauani, por su ejemplo de vida que fue mi motivación para realizar este trabajo y por todas las atenciones y apoyo prestado.

(7)

Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de Turismo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

RESUMO

O presente trabalho tem como objetivo analisar a relação da dinâmica da atividade turística com o desenvolvimento nas comunidades indígenas no México, especificamente na Serra Norte do estado de Puebla. Foi escolhida esta região por ter uma concentração significativa de comunidades indígenas no país e ter o turismo como uma das principais atividades econômicas.

A metodologia da pesquisa foi descritiva de abordagem qualitativa e foi desenvolvida nas comunidades nahuas pertencentes ao município de Cuetzalan del Progreso. Primeiramente foi realizada uma consulta de material bibliográfico com coleta de dados secundários relacionada com os conceitos de desenvolvimento sustentável e turismo cultural. Posteriormente foi realizado o levantamento de dados primários por meio da observação de campo em dezembro de 2014 e julho de 2015, bem como entrevistas com representantes do poder público, a iniciativa privada e o terceiro setor, a população indígena e os próprios turistas com o fim de traçar o perfil de cada ator. Finalmente foram identificados os fatores e ações que contribuíram ao desenvolvimento sustentável por meio do turismo nas comunidades indígenas. Os resultados apontam que o turismo iniciou em Cuetzalan após a construção de vias de acesso e se intensificou a partir da divulgação por parte dos primeiros visitantes. Os recursos naturais da região foram o principal atrativo no inicio da atividade turística, posteriormente foi explorado o patrimônio cultural.

Atualmente ambos os recursos são utilizados em conjunto e o município mostra uma demanda crescente através do tempo. Houve um maior grau de desenvolvimento no momento em que a população indígena teve uma participação mais ativa tanto na gestão quanto na produção e oferta de produtos e serviços. Outro fator chave que impulsou o desenvolvimento a partir do turismo foi a inclusão no Programa Pueblos Mágicos da SECTUR em 2002. Em conclusão, atualmente o turismo é uma das principais atividades econômicas no município, servindo de apoio para as outras e os benefícios que a mesma traz são principalmente a geração de receitas, a conservação dos recursos naturais, a valorização da cultura e a promoção social. Afirma-se assim que a atividade turística é protagonista no desenvolvimento sustentável em Cuetzalan.

Palavras-chave: Turismo Cultural; Comunidades Indígenas; Desenvolvimento Sustentável.

(8)

de Curso (Graduação) - Curso de Turismo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

RESUMEN

El presente trabajo tiene como objetivo analizar la relación de la dinámica de la actividad turística con el desarrollo en las comunidades indígenas en México, específicamente en la Sierra Norte del estado de Puebla. Fue escogida esta región por tener una concentración significativa de comunidades indígenas en el país y tener al turismo como una de las principales actividades económicas. La metodología de la investigación fue descriptiva de abordaje cualitativo y fue desarrollada en las comunidades nahuas pertenecientes al municipio de Cuetzalan del Progreso.

Primeramente fue realizada una consulta de material bibliográfico con recolección de datos secundarios relacionada con los conceptos de desarrollo sustentable y turismo cultural.

Posteriormente fue realizado el levantamiento de datos primarios por medio de la observación de campo en diciembre de 2014 y julio de 2015, bien como entrevistas con representantes del poder público, la iniciativa privada y el tercer sector, la población indígena y los propios turistas a fin de trazar el perfil de cada actor. Finalmente fueron identificados los factores y acciones que contribuyeron al desarrollo sustentable por medio del turismo en las comunidades indígenas. Los resultados apuntan que el turismo se inició en Cuetzalan después de la construcción de vías de acceso y se intensificó a partir de la divulgación por parte de los primeros visitantes. Los recursos naturales de la región fueron el principal atractivo al inicio de la actividad turística, posteriormente fue explotado el patrimonio cultural. Actualmente ambos recursos son utilizados en conjunto y el municipio muestra una demanda creciente a través del tiempo. Hubo un mayor grado de desarrollo en el momento en que la población indígena tuvo una participación más activa tanto en la gestión como en la producción y oferta de productos y servicios. Otro factor clave que impulsó el desarrollo a partir del turismo fue la inclusión en el Programa Pueblos Mágicos de la SECTUR en el 2002. En conclusión, actualmente el turismo es una de las principales actividades económicas en el municipio, sirviendo de apoyo para las otras y los beneficios que la misma trae son principalmente la generación de ingresos, la conservación de los recursos naturales, la valoración de la cultura y la promoción social. Así, se afirma que la actividad turística es protagonista en el desarrollo sustentable en Cuetzalan.

Palabras clave: Turismo Cultural; Comunidades Indígenas; Desarrollo Sustentable.

(9)

Figura 1- Sistema de turismo SISTUR ... 20

Figura 2 - Zonas reconhecidas como Patrimônio cultural no México ... 30

Figura 3 - Distribuição espacial dos povos indígenas no país ... 33

Figura 4 – Logomarca da RITA ... 43

Figura 5 – Municípios da Serra Norte de Puebla... 44

Figura 6 – Mapa da distribuição dos nahuas na Serra Norte de Puebla ... 45

Figura 7 – Praça central de Cuetzalan ... 48

Figura 8 – Vista externa do templo de São Francisco de Assis ... 49

Figura 9 - Interior da Paróquia de São Francisco de Assis ... 49

Figura 10 – Santuário de Guadalupe e cemitério ... 50

Figura 11 - Casa de Cultura de Cuetzalan ... 51

Figura 12 – Zona arqueológica de Yohualichan ... 52

Figura 13 – Entrada da gruta Atepolihui ... 53

Figura 14 – Rappel em Atepatahua ... 53

Figura 15 - Cachoeira El Salto ... 54

Figura 16 – Jardim Botânico Xoxoctic ... 55

Figura 17 – Gastronomia em Cuetzalan ... 55

Figura 18 – Comida típica Cuetzalteca ... 56

Figura 19 – Vestes típicas das mulheres cuetzaltecas ... 57

Figura 20 – Temazcal do Hotel Taselotzin ... 58

Figura 21 – Rainha da festa do Huipil ... 59

Figura 22 – Dança dos Quetzales ... 60

Figura 23 – Dança dos Voadores do Sol ... 61

Figura 24 - Feira de Cuetzalan ... 62

Figura 25 - Mercado de artesanato ... 63

Figura 26 – Festa do padroeiro em San Miguel Tzinacapan ... 64

(10)

Figura 29 – Mulheres no tear de cintura ... 66

Figura 30 – Peças artesanais de cera de abelha ... 67

Figura 31 – Artesanato de Cuetzalan ... 67

Figura 32 – Quarto do Hotel Taselotzin ... 68

Figura 33 – Rodoviária de Cuetzalan ... 69

Figura 34 - Pueblos Mágicos de México ... 70

(11)

Tabela 1 - Ranking dos 10 primeiros países por chegadas de turistas internacionais ... 13

Tabela 2 - Povos indígenas por entidade federativa ... 34

Tabela 3 - Indicadores socioeconómicos da população indígena no México... 35

Tabela 4 – Referência histórica de eventos e situações representativas ... 39

(12)

Gráfico 1 - Chegadas internacionais de turistas ao México (Em milhares) ... 12

Gráfico 2 - Gênero dos turistas entrevistados ... 80

Gráfico 3 – Escolaridade dos turistas entrevistados ... 81

Gráfico 4 – Procedência dos turistas entrevistados ... 81

Grafico 5 – Motivo da viagem dos turistas entrevistados ... 82

Gráfico 6 – Número de vezes em Cuetzalan dos turistas entrevistados ... 83

Gráfico 7 – Dias de permanência em Cuetzalan dos turistas entrevistados ... 83

Gráfico 8 – Gasto médio de consumo em MXN dos turistas entrevistados ... 84

(13)

AIEST - Association Internationale D'Experts Scientifiques Du Tourisme CDI – Comisión Nacional para el Desarrollo de los Pueblos Indigenas CESTUR – Centro de Estudios Superiores en Turismo

CONACULTA - Consejo Nacional para la Cultura y las Artes FONART – Fondo Nacional para el Fomento de las Artesanías INEGI – Instituto Nacional de Estadística y Geografía

PACMyC - Programa de Apoyo a las Culturas Municipales y Comunitarias SECTUR – Secretaria de Turismo do México

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura

WTO/OMT – World Tourism Organization/ Organización Mundial de Turismo/ Organização Mundial do Turismo

(14)

2 DISCUSSÕES CONCEITUAIS SOBRE TURISMO, PATRIMÔNIO CULTURAL E

COMUNIDADES INDÍGENAS ... 19

2.1 Turismo, sustentabilidade e desenvolvimento ... 19

2.2 Turismo cultural e patrimônio ... 25

2.3 Comunidades indígenas no México ... 31

3 O TURISMO E AS COMUNIDADES INDÍGENAS NO MÉXICO ... 38

3.1 Antecedentes e panorama geral do turismo em comunidades indígenas ... 41

3.2 RITA Red Indígena de Turismo de México ... 42

3.3 Município de Cuetzalan del Progreso e Comunidade Nahua ... 43

3.3.1 Atrativos turísticos, infraestrutura e serviços ... 47

3.3.2 Infraestrutura e serviços ... 68

3.3.3 Programa Pueblos Mágicos como política pública principal no município ... 69

3.4 Atores de turismo no município ... 72

3.4.1 Poder público - Entrevista com o Secretário de Turismo ... 72

3.4.2 Iniciativa privada e terceiro setor - Entrevista com a administração do Hotel Taselotzin ... 75

3.4.3 População - Entrevista com guia de turismo ... 77

3.4.4 População - Entrevista com produtor de artesanato ... 78

3.5 Perfil da demanda ... 80

3.6 Análise do conjunto de dados coletados ... 85

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS ... 89

REFERÊNCIAS ... 91

APÊNDICES ... 95

Apêndice A ... 95

Apêndice B ... 96

Apêndice C ... 97

Apêndice D ... 98

Apêndice E ... 99

(15)

1 INTRODUÇÃO

O México é um país que vem se desenvolvendo de forma relevante nos aspectos econômico e social. O processo de globalização, a diversidade de recursos naturais e culturais, as facilidades de acesso pela sua localização estratégica, adjacente aos Estados Unidos de América e acessível para os países da América Central e América do Sul, a competitividade dos destinos, entre outros fatores tem feito do México um país com uma demanda turística crescente ao decorrer do tempo. Segundo as estatísticas, partir de 1950 até os dias de hoje a demanda turística tem aumentado significativamente. No gráfico 1 é possível verificar o crescimento na chegada de turistas internacionais a cada dez anos, desde 1950 até o final de 1999 o país passou de 950 mil a quase 20 milhões, o que representa um crescimento de vinte vezes em meio século.

Gráfico1 - Chegadas internacionais de turistas ao México (Em milhares)

Fonte: Compendio Estatístico de turismo no México (2000)

Por esse motivo, o turismo no México é também um foco de investimentos nacionais e estrangeiros. Assim, o turismo se bem planejado e realizado de maneira sustentável resulta ser um fator importante de crescimento e desenvolvimento nas comunidades receptoras, portanto tem se tornado a principal atividade econômica de diversas regiões. Isso significa que a atividade

25,000

20,000

19,236 17,172

15,000

12,956

10,000

5,000

*

5,782 1,872 *

0 950 *

1950 1960 1970 1980 1990 1999

(16)

turística tem a capacidade para se tornar um dos principais eixos de desenvolvimento do país, e ser um modelo para outros, pois ele se destaca também a nível internacional. A tabela 1 mostra o ranking dos 10 países com o maior número de chegadas de turistas no mundo do último ano.

Tabela 1- Ranking dos 10 primeiros países por chegadas de turistas internacionais

POSIÇÃO

Milhões Variação (%)

2013 2014* 13/12 14*/13

1 França 83,6 83,7 2,0 0,1

2 Estados Unidos 70,0 74,8 5,0 6,8

3 Espanha 60,7 65,0 5,6 7,1

4 China 55,7 55,6 -3,5 -0,1

5 Itália 47,7 48,6 2,9 1,8

6 Turquia 37,8 39,8 5,9 5,3

7 Alemanha 31,5 33,0 3,7 4,6

8 Reino Unido 31,1 32,6 6,1 5,0 9 Federação Russa 28,4 29,8 10,2 5,3

10 México 24,2 29,1 3,2 20,5

Fonte: Organização Mundial do Turismo OMT-WTO (2015)

Segundo o Panorama do turismo internacional, edição 2015 da Organização Mundial do Turismo (OMT), só em 2014 o México recebeu 29,1 milhões de turistas internacionais apresentando um crescimento de 20,5% em relação ao ano anterior. Cabe destacar que o México ascendeu 5 posições em 2014 integrando-se assim a esse ranking. Com isso é possível deduzir que depois dos Estados Unidos, o México recebe anualmente mais turistas que o restante dos países da América.

Apesar do turismo ser prioritário para o desenvolvimento nacional, não é toda a população que pode usufruir dos seus benefícios. Como em todo país em desenvolvimento, existe uma diversidade de classes e condições de vida e dentre os mais vulneráveis se encontram atualmente as classes indígenas. O último censo do Instituto Nacional de Estadística y Geografía, INEGI em 2010 indica que estes grupos apresentam os mais altos índices de pobreza, que se traduzem em problemas educacionais, serviços de saúde precários ou inexistentes, subnutrição, desemprego, além de serem vítimas de discriminação racial e segregação.

(17)

O México conta com uma grande diversidade de comunidades indígenas que são um vestígio vivo da cultura original daquela nação. Estes povos indígenas, possuem um vasto patrimônio cultural, material e imaterial, inclusive parte dele reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Contraditoriamente, e por questões históricas e políticas, os habitantes das regiões indígenas, sem importar a sua etnia, são geralmente discriminados, marginalizados e pouco valorizados pela maior parte da sociedade, tornando-se assim camadas excluídas da população e com um nível de desenvolvimento precário em comparação a algumas regiões do país.

Na ocasião das comemorações referentes ao Dia Mundial do Turismo, que teve o México como sede em 2014 e cujo tema foi “Turismo e desenvolvimento comunitário”, o Secretario Geral da OMT, Taleb Rifai na sua mensagem menciona:

No puede haber un verdadero desarrollo del turismo si ese desarrollo obra de algún modo en detrimento de los valores y la cultura de las comunidades receptoras o si los beneficios socioeconómicos que genera no llegan a percibirse directamente en las comunidades. Como estipula el Código Ético Mundial para el Turismo de la OMT, «las poblaciones y comunidades locales se asociarán a las actividades turísticas y tendrán una participación equitativa en los beneficios económicos, sociales y culturales que reporten».

Ele faz referência ao Código Ético Mundial para o Turismo da OMT, que estipula que os benefícios econômicos, sociais e culturais devem ser atingíveis de maneira equitativa por todos nas comunidades locais, mas desafortunadamente na prática existe uma realidade muito diferente. Nas comunidades indígenas muito frequentemente são as empresas privadas que lucram com a sua cultura através da utilização do espaço e a venda da produção artesanal local.

Sendo os povos indígenas que dão origem à maior parte do patrimônio cultural do país e sendo este patrimônio a fonte dos principais atrativos turísticos do México, tais como a sua arquitetura e sítios arqueológicos, usos e costumes, gastronomia, danças, religiosidade, entre outros, é possível, portanto, lograr o desenvolvimento efetivo das comunidades indígenas por meio da atividade turística, ao gerar principalmente recursos econômicos, ações de bem-estar social e ações de preservação cultural e ambiental. Sendo assim, é preciso que a população indígena assuma o papel de principal gestora do turismo tanto no poder público quanto na iniciativa privada dentro das comunidades

(18)

Um exemplo de desenvolvimento a partir da atividade turística se encontra no município de Cuetzalan del Progreso na região da Serra Norte de Puebla, onde há uma significativa concentração de comunidades nahuas1. Dados do INEGI e da CDI apontam que maioria das comunidades tem o turismo como uma das principais atividades econômicas, sendo a própria população indígena a responsável pela administração dos atrativos e empreendimentos, mostrando também uma participação ativa na gestão pública. Isso demonstra na prática que é possível atingir o desenvolvimento por meio do turismo e realizar uma atividade sustentável ao longo do tempo onde exista uma demanda constante com a qual a própria população se beneficie.

Essas ações podem ser levadas à prática também em outras comunidades indígenas com potencial turístico no país.

Desta maneira, a problemática desta pesquisa se resume na seguinte questão: Qual é a relação da dinâmica da atividade turística com o desenvolvimento nas comunidades indígenas nahuas1 em Cuetzalan, Puebla?

O desenvolvimento desta pesquisa poderá compreender o funcionamento do turismo, o envolvimento da população e as suas contribuições para o desenvolvimento econômico, social, ambiental e cultural das comunidades indígenas e em base a isso poder futuramente desenvolver novas pesquisas e projetos. Do ponto de vista pessoal, é fundamental contribuir ao progresso do México de alguma maneira, e fazê-lo com os conhecimentos adquiridos no Brasil por meio do programa Estudante Convênio de Graduação, programa pelo qual o Brasil mantém acordos culturais e educacionais com diversos países, cujo objetivo é contribuir com o seu desenvolvimento socioeconômico através da formação de estudantes de nível superior. Optou-se pelas comunidades indígenas com a intenção que o progresso surgido a partir do turismo possa ser atingido cada vez mais por todos os grupos sociais.

Diante do exposto, o objetivo geral desta pesquisa é analisar a dinâmica da atividade turística nas comunidades indígenas do município de Cuetzalan del Progreso, pertencente à Serra Norte de Puebla (México). Para isso é necessário atingir os seguintes objetivos específicos:

levantar os principais atrativos e serviços turísticos comercializados pelas comunidades nahuas em Cuetzalan, Puebla; Caracterizar o perfil dos atores do turismo na comunidade; Levantar as

1 Maior grupo indígena do México assentado no planalto central

(19)

ações mais relevantes realizadas pelos atores do turismo na comunidade; por último, identificar os principais impactos da atividade turística no desenvolvimento das comunidades.

A metodologia da pesquisa se caracteriza como descritiva de abordagem qualitativa.

Segundo Silva & Menezes (2000, p.21), “a pesquisa descritiva visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. Envolve o uso de técnicas padronizadas de coleta de dados: questionário e observação sistemática”. Neste caso, pretende-se estudar a relação do fenômeno com uma população, sendo o fenômeno o turismo como atividade econômica e a população categorizada como indígena. Segundo Prodanov e Freitas (2013) a pesquisa qualitativa não requer o uso de técnicas estatísticas e os dados são analisados indutivamente pelo pesquisador. Portanto, a presente pesquisa é considerada qualitativa, pois não é possível atingir os objetivos por meio de dados quantitativos e sim interpretando subjetivamente o fenômeno estudado diretamente no ambiente natural.

Para isso primeiramente foi feito um levantamento de dados secundários por meio de uma pesquisa bibliográfica tendo como referência autores de turismo sobressalientes. e documentos relevantes. Foram analisados como referencia do conceito de turismo e desenvolvimento sustentável, Beni, Sachs, Sharpley e Tefler, Mowforth e Munt, Dias e Aguiar e documentos da OMT, bem como a Carta de Lanzarote e o Relatório Brundtland. Sobre patrimônio e turismo cutural se utilizaram referências bibliografia de Zanirato, Peciar, Cruz e Swarbrooke e documentos da UNESCO. Em relação às comunidades indígenas no México, foram utilizados como fontes textos e documentos da Comisión Nacional para el Desarrollo de los Pueblos Indígenas CDI, do Consejo Nacional para la Cultura y las Artes CONACULTA, os dados do Instituto Nacional de Estadística y Geografía INEGI e os autores Romo, Bringas e Pardo. Posteriormente foi feita uma pesquisa de dados primários em campo por meio de entrevistas aos representantes dos atores de turismo nas comunidades alvo com registros de voz, aplicação de questionário a turistas e uma observação de campo com registros fotográficos.

A aplicação do instrumento de coleta de dados anexa nos apêndices deste trabalho foi realizada no período de 16 a 20 de dezembro de 2014 e de 4 a 11 de julho de 2015 em uma amostra das comunidades nahuas da Serra Norte de Puebla, no município de Cuetzalan del Progreso, pertencente ao programa Pueblos Mágicos da SECTUR de abrangência nacional.

Optou-se por esta região por possuir uma significativa concentração de população indígena, uma

(20)

oferta diversificada e uma atividade turística bem desenvolvida tornando-se uma das principais atividades econômicas na população nahua. Os sujeitos da pesquisa foram os principais atores da atividade turística nas comunidades, ou seja: o poder público, a iniciativa privada, a população indígena e os próprios turistas.

Como representante do poder público foi entrevistado o secretário de turismo do município, com o objetivo de conhecer a visão do turismo nas comunidades indígenas de Cuetzalan por parte do poder público e as suas principais ações. A iniciativa privada foi representada pela associação Masehual Siuamej Mosenyolchicauani pelo seu protagonismo na administração de empreendimentos turísticos de caráter indígena, com o objetivo de conhecer o nível de participação da população indígena na iniciativa privada e a sua relação com o turismo.

Na população foram abordados habitantes da região diretamente ligados à atividade turística, especificamente guias de turismo e produtores de artesanato. Finalmente foi aplicado um questionário a 25 turistas visitantes das diversas comunidades de Cuetzalan cujo objetivo era caracterizar o perfil da demanda.

Para a análise dos dados foi levada em consideração a técnica de análise de conteúdo de Bardin (2009) que consiste em: pre-análise, exploração do material e tratamento dos resultados, inferência e interpretação. Foi reunido o material bibliográfico de consulta para o referencial teórico, documentos analisados previamente à coleta de dados em campo, documentos relevantes encontrados em campo e os dados coletados com os instrumentos de pesquisa. Uma vez coletados os dados, a análise foi realizada de forma descritiva, comparando a teoria do referencial com a prática do turismo nas comunidades e assim foi possível atingir o objetivo principal que é analisar a dinâmica da atividade turística nas comunidades indígenas do município Cuetzalan del Progreso.

A relevância da pesquisa consiste na utilização dos conhecimentos obtidos em futuras pesquisas e projetos para outras comunidades indígenas com potencial turístico no México ou inclusive em outros países. Através da análise individual dos elementos e atores que compõem a atividade turística e a sua interação, foi possível compreender a dinâmica nesta região e assim identificar os fatores que tornaram a atividade turística bem sucedida nas comunidades indígenas de Cuetzalan. Este trabalho visa tornar Cuetzalan uma modelo, pois tem atingido um nível de desenvolvimento significativo por meio do turismo e uma participação ativa e direta

(21)

por parte da população indígena. Existem no México e no mundo diversos espaços que apresentam características e recursos semelhantes, mas que ainda não têm sido explorados ou onde o turismo não tem sido bem sucedido, portanto nesses espaços seria possível imitar a dinâmica de Cuetzalan.

Seguindo a ordem dos capítulos do trabalho, encontram-se o Referencial Teórico, As comunidades indígenas e o turismo em Cuetzalan, Puebla e as Considerações Finais. O Referencial Teórico abordará três tópicos: Turismo, desenvolvimento e sustentabilidade, Turismo cultural e patrimônio e por último, Comunidades indígenas no México. A partir do primeiro tópico do referencial será possível a compreensão de uma teoria geral do turismo a partir dos conceitos de turismo, desenvolvimento e sustentabilidade, para posteriormente aprofundar na questão da sustentabilidade no âmbito sociocultural e o papel e uso do patrimônio cultural no turismo no segundo tópico, finalmente será apresentado um panorama geral das comunidades indígenas no México e a sua relação com o turismo.

O conjunto de elementos no capítulo 3 (As comunidades indígenas e o turismo em Cuetzalan, Puebla) visa apresentar a dinâmica do turismo nas comunidades indígenas a partir da pesquisa realizada, com base nos objetivos previamente mencionados. A introdução consistirá na descrição geográfica, demográfica e cultural do espaço estudado. Posteriormente serão citados e descritos os atrativos turísticos levantados. Será analisada a situação da infraestrutura e serviços turísticos do município bem como as políticas públicas de turismo mais relevantes.

Finalmente, a partir das entrevistas será possível identificar o papel dos atores de turismo no município e o perfil do turista. Serão discutidos os resultados com base no referencial teórico para poder chegar por último ao capítulo das considerações finais.

(22)

2 DISCUSSÕES CONCEITUAIS SOBRE TURISMO, PATRIMÔNIO CULTURAL E COMUNIDADES INDÍGENAS

2.1 Turismo, sustentabilidade e desenvolvimento

Existem diversas definições sobre o fenômeno do turismo, algumas das quais tem se modificado através do tempo, outras têm sido as bases para as definições do turismo aceitas atualmente. Dentre as primeiras definições dadas ao turismo se encontram a da escola de Berlim, dos autores Glucksmann (1929 apud DIAS E AGUIAR, 2002) e Bormann (1930 apud DIAS E AGUIAR, 2002), que define o turismo como a ocupação do espaço por pessoas que afluem a um lugar onde não possuem residência, e como o conjunto de viagens durante os quais a ausência da residência habitual é temporária. Os professores Hunziker e Krapf (1942) foram os autores da definição atualmente utilizada pela Association Internationale d'experts Scientifiques du Tourisme AIEST: “O conjunto das relações e fenômenos originados pela deslocação e pemanência de pessoas fora do seu local habitual de residência, desde que tais deslocações e permanências não sejam utilizadas para o exercício de uma atividade lucrativa principal, permanente ou temporária”.

A Organização Mundial do Turismo (2002, p.38) coloca algumas outras condições e define o turismo como:

Turismo compreende as atividades que as pessoas realizam durante suas viagens e estadias em lugares diferentes do seu local de residência, por um período consecutivo inferior a um ano, com propósitos de lazer, descanso, negócios ou outros motivos, não relacionados com o exercício de uma atividade remunerada no lugar visitado.

E define o turista como “toda pessoa que se desloca a um lugar diferente de sua moradia habitual, por uma duração inferior a doze meses e cuja finalidade principal não é exercer uma atividade que se remunere no lugar visitado”. Essa é a definição do turismo mais completa e aceita nos últimos anos, pois define também o tempo para que uma pessoa seja considerada turista e dá a entender que as atividades realizadas não se limitam ao lazer, como antigamente era considerado, e sim, dependem de uma grande diversidade de motivações.

A partir das definições anteriores identificam-se os seguintes elementos para que o fenômeno ocorra: o turista, a motivação, o local de partida, o local visitado, o deslocamento, a permanência e o caráter não lucrativo da viagem. Beni (1987) propõe uma teoria semelhante, mencionando como elementos do turismo: a viagem ou deslocamento, a permanência fora do

(23)

domicilio, a temporalidade, o sujeito do turismo e o objeto do turismo. De acordo com Arrillaga (1976 apud BARRETTO 2003) para que uma pessoa se torne um turista, é preciso que exista uma motivação de viagem, a acessibilidade, os recursos econômicos e o tempo suficiente. Estes são também os principais fatores que determinarão o lugar a ser visitado. A efetiva realização do turismo depende ao mesmo tempo de outros fatores, que podem estar sob controle, como a existência de um ou mais atrativos, a acessibilidade do lugar, a existência de infraestrutura e serviços necessários, a preservação do patrimônio e a promoção do destino, etc; ou fatores externos que não é possível controlar e que tem grande influencia na motivação e nas decisões do turista, por exemplo, os fenômenos naturais ou a situação política e econômica. Em relação à demanda potencial e para que esta se torne real, na oferta são essenciais os seguintes elementos:

os atrativos que serão a motivação, o meio de transporte para o deslocamento, o meio de hospedagem para a permanência e a infraestrutura e serviços para atender as necessidades e desejos dos turistas. Segundo Acerenza (1991) os elementos listados anteriormente compõem o produto turístico.

Para ilustrar a relação entre elementos utilizando a teoria de sistemas, Beni (1987) cria o Sistema de Turismo – SISTUR apresentado na figura 1:

Figura 1- Sistema de turismo SISTUR

(24)

Fonte: BENI, Mario Carlos (1987)

Beni (1987) agrupa os elementos em três conjuntos: Da organização estrutural, que consta em superestrutura e infraestrutura; das Ações Operacionais, onde o input, o processo e o output consistem respectivamente na produção, distribuição e consumo do produto turístico; e finalmente das Relações Ambientais. Este último se compõe dos subconjuntos que são meios que influenciam e ao mesmo tempo são impactados pelo turismo, sendo o ecológico, social, econômico e cultural. Os elementos do subconjunto das relações ambientais se encontram da mesma maneira relacionados com os conceitos de sustentabilidade e desenvolvimento.

O significado desses dos conceitos de desenvolvimento e sustentabilidade foi conhecido e adotado a nível global desde 1987 a partir do Relatório Brundtland da ONU, que define a sustentabilidade como “a capacidade de satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem suas próprias necessidades”

(ONU, p.9). O Relatório Brundtland tinha como objetivo propor uma agenda global para a humanidade considerando os principais problemas ambientais e a necessidade de progresso, garantido também para as gerações futuras.

Sachs (2004) contempla cinco dimensões principais para definir a sustentabilidade, sendo a social, ambiental, territorial, econômica e política, além dos critérios cultural e ecológico.

A partir disso define o desenvolvimento sustentável como “um processo de transformação no qual a exploração dos recursos, a direção dos investimentos, a orientação do desenvolvimento tecnológico e a mudança institucional se harmonizam e reforçam o potencial presente e futuro, a fim de atender às necessidades e aspirações humanas.” (SACHS, 2004, p.15). Então, o desenvolvimento se relaciona com a satisfação efetiva das necessidades humanas e a qualidade de vida, e a sustentabilidade com a garantia de satisfação das necessidades nas gerações futuras. As necessidades são satisfeitas a partir dos recursos disponíveis no meio econômico, ecológico, social e cultural influenciados pela situação territorial e política.

O turismo pode causar impactos positivos e negativos nos ambientes anteriormente descritos. Os efeitos negativos podem ser amortecidos através do cálculo da capacidade de atenção as necessidades e de resistência dos recursos. Alguns exemplos de impactos negativos mais frequentes no meio ecológico são: a poluição do ar principalmente pela emissão de gases

(25)

dos transportes, o consumo excessivo de água potável, a poluição da água pelo esgoto e acumulação de lixo, os prejuízos ao solo e à flora pelas atividades realizadas pelos turistas, a modificação da paisagem, entre outros, que podem ser diminuídos através de ações de preservação, conservação e conscientização.

No meio econômico frequentemente são mencionados a geração de emprego e renda e o fluxo de capitais como benefícios do turismo, porém, crescimento econômico não é sinónimo de desenvolvimento. É possível observar globalmente que a partir do momento em que o fluxo de partida e chegada de pessoas começa a impactar positivamente na economia das regiões, o turismo tende a tornar-se uma das principais atividades econômicas e um dos meios para atingir o desenvolvimento através da geração de recursos que podem ser destinados a outras áreas. Porém, crescimento econômico mesmo havendo distribuição dos recursos, não significa automaticamente desenvolvimento. Segundo Cruz (2006, p.339):

Distribuição espacial da riqueza não é o mesmo, entretanto, que distribuição estrutural da riqueza. Por isso, muitos lugares pobres, capturados pela atividade do turismo, viram suas economias dinamizadas e assistiram a profundas transformações em seus territórios sem que, necessariamente, suas populações se tivessem tornado automaticamente detentoras de melhores condições de vida e de renda.

Portanto, de acordo com o mencionado pela autora anteriormente, considera-se que para atingir o desenvolvimento econômico é preciso o usufruto igualitário dos recursos para a satisfação com qualidade das necessidades da população. Mowforth e Munt (2007, p.103) afirmam:

Sustainability refers to a level of economic gain from the activity sufficient either to cover the cost of any special measures taken to cater for the tourist, and to mitigate the effects of the tourist´s presence or to offer an income appropriate to the inconvenience caused to the local community visited – without violating any of the other conditions – or both.

Assim, para ter um turismo economicamente sustentável, os recursos econômicos obtidos através da atividade devem ser suficientes para cobrir os gastos feitos para atender as necessidades do turista e além disso, gerar um lucro que atinja todos os participantes da cadeia produtiva, justo para satisfazer com ele outras necessidades da população.

Finalmente, em relação aos impactos socioculturais, estes afetam tanto os turistas quanto a população local através da interação. Ressaltam o choque cultural e a partir dele a rejeição ou tentativa de imitação da cultura alheia. Segundo Mowforth e Munt (2007) a

(26)

sustentabilidade cultural se refere a habilidade das pessoas de reter ou adaptar elementos da sua cultura que as distinguem de outras pessoas e a sustentabilidade social é a capacidade de absorver inputs como entrada extra de pessoas num determinado período de tempo e continuar funcionando sem comprometer a harmonia social ou adaptando-a de tal maneira que seus efeitos sejam amortecidos. As condutas dos turistas e da população local serão muitas vezes ditadas pelo motivo da visita e o papel de cada um, não terá o mesmo comportamento uma pessoa de classe alta e outra de classe baixa, um turista de negócios ou uma família com motivos de lazer, um agente de turismo receptivo que um morador do lugar. Portanto, o perfil dos turistas impactará positiva ou negativamente no comportamento social local, podendo reafirmar ou modificar a sua cultura.

Como documento guia para o desenvolvimento sustentável no turismo existe a carta da conferencia mundial do turismo sustentável, conhecida como Carta de Lanzarote, foi escrita em 1995 com o fim de alavancar o desenvolvimento através do turismo garantindo a sustentabilidade da atividade. No artigo 1 se declara:

El desarrollo turístico deberá fundamentarse sobre criterios de sostenibilidad, es decir, ha de ser soportable ecológicamente a largo plazo, viable económicamente y equitativo desde una perspectiva ética y social para las comunidades locales. El desarrollo sostenible es un proceso orientado que contempla una gestión global de los recursos con el fin de asegurar su durabilidad, permitiendo conservar nuestro capital natural y cultural, incluyendo las áreas protegidas. Siendo el turismo un potente instrumento de desarrollo, puede y debe participar activamente en la estrategia del desarrollo sostenible.

Una buena gestión del turismo exige garantizar la sostenibilidad de los recursos de los que depende.

Esse é um princípio para ser adotado por qualquer espaço que presente atividade turística sem importar o tipo ou o nível, com o fim de ser abordado desde uma perspectiva global, pois como atividade ambivalente, pode trazer benefícios e degradação ao mesmo tempo e a sua sustentabilidade depende não do arribo de turistas e as atividades realizadas pelos mesmos e sim da gestão e das ações em relação ao fenômeno por parte da comunidade receptora.

Os atores de turismo no processo de desenvolvimento, segundo Sharpley e Tefler (2008) são: o estado ou setor público, o setor privado, as agências internacionais, as organizações sem fins de lucro e os turistas. Os objetivos de cada um podem ser semelhantes ou entrar em conflito, o que influencia no processo de desenvolvimento, todavia todos contribuem de alguma maneira com o produto turístico. O estado, através de vários ministérios, estabelece o marco

(27)

legal, as políticas, planos e regulamentos para atrair e controlar o desenvolvimento do turismo bem como, estabelece o marco econômico para a indústria do turismo, providencia infraestrutura, educação um marco econômico, estabelece a regulamentação ambiental e tem um papel ativo na promoção e o marketing. O setor privado abrange desde os pequenos empreendedores até as grandes cadeias hoteleiras e corporações multinacionais. Enquanto as grandes companhias atraem a atenção, pelos grandes investimentos, experiência e competência administrativa e recebem críticas pela dominação estrangeira, as pequenas empresas são de grande importância na geração de empregos e oportunidades para que a população local participe ativamente na indústria do turismo.

Quanto as agências internacionais, Sharpley e Tefler (2008) destacam que o seu papel no processo de desenvolvimento é a consultoria e financiamento em projetos específicos. Os países em desenvolvimento têm sido assistidos por agências como o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, agências da ONU e a Organização Mundial do Turismo. Através delas, o turismo cada vez mais está mais envolvido na redução da pobreza. Já as organizações sem fins de lucro ou organizações não governamentais vão desde organizações locais de pequeno porte até organizações internacionais. O seu papel principal é a geração de oportunidades de emprego e promoção social através de iniciativas de turismo de base comunitária, turismo voluntario e pro- poor tourism2. Finalmente os turistas por si próprios têm um papel no processo de desenvolvimento, seja passivo, através das suas escolhas de consumo, seja ativo, participando de ações como o turismo voluntário, pois ambas ações podem contribuir potencialmente para as metas de desenvolvimento do local.

Em síntese, o turismo se compõe de uma diversidade de elementos e se caracteriza como um fenômeno sócio-espacial, já que tem como agente a sociedade e como matéria prima o espaço físico num determinado período de tempo. O sistema se compõe basicamente de um ponto emissor e um receptor e o fluxo de pessoas (e capitais) entre os dois. O deslocamento se dá por diversos motivos e é considerado turismo quando a viagem é de caráter não lucrativo e contempla o retorno ao lugar de origem. Há uma necessidade de atrativos, infraestrutura e serviços para satisfazer a demanda. O turismo causa impactos positivos e negativos e a sustentabilidade existe quando os efeitos negativos são equilibrados ou superados pelos efeitos positivos, satisfazendo as

2 Turismo que providencia benefícios líquidos a pessoas pobres

(28)

necessidades da população e dos turistas no tempo atual sem comprometer os recursos (econômicos, naturais e culturais) para a qualidade de vida das gerações futuras e a continuação da atividade turística no lugar. E nesse processo estão envolvidos vários atores que vão desde o poder público ate os turistas cujos papéis se inter-relacionam e suas ações contribuem aos objetivos de desenvolvimento.

2.2 Turismo cultural e patrimônio

Existem diversos atrativos turísticos no espaço comercializado, estes podem ser naturais ou culturais. Quanto aos atrativos culturais, estes se dividem em tangíveis, que são aqueles que refletem a cultura da população local materialmente, como conjuntos arquitetônicos, museus e zonas arqueológicas; e intangíveis, que são aqueles que não constam só de materiais para manifestar a cultura, principalmente tradições e costumes que vão sendo herdadas por gerações anteriores, tais como a dança, a gastronomia, a música, a poesia, o sistema de valores, as manifestações religiosas e festividades, entre outros. O termo patrimônio engloba todos estes itens, de acordo com Zanirato (2009 p.137) “O patrimônio é compreendido como os elementos materiais e imateriais, naturais ou culturais, herdados do passado ou criados no presente, no qual um determinado grupo de indivíduos reconhece sinais de sua identidade”.

Em relação aos bens tangíveis, na convenção sobre a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural em 1972, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura UNESCO define mais detalhadamente como patrimônio cultural:

- os monumentos: obras arquitetônicas, esculturas ou pinturas monumentais, objetos ou estruturas arqueológicas, inscrições, grutas e conjuntos de valor universal excepcional do ponto de vista da história, da arte ou da ciência,

- os conjuntos: grupos de construções isoladas ou reunidas, que, por sua arquitetura, unidade ou integração à paisagem, têm valor universal excepcional do ponto de vista da história, da arte ou da ciência,

- os sítios: obras do homem ou obras conjugadas do homem e da natureza, bem como áreas, que incluem os sítios arqueológicos, de valor universal excepcional do ponto de vista histórico, estético, etnológico ou antropológico.

O mesmo documento determina que cabe a cada Estado-parte da Convenção identificar, delimitar, proteger, conservar e valorizar os bens considerados patrimônio. O patrimônio cultural se encontra cada vez mais ameaçado de desaparecimento, seja pela degradação ao longo do tempo ou pelo desenvolvimento social e econômico que muitas vezes

(29)

desconsidera estes elementos que acabam tendo alguma alteração ou destruição. A destruição ou desaparecimento é muitas vezes irreversível e acaba afetando e empobrecendo a cultura a nível global.

A diferença da década de 1970, atualmente a UNESCO considera que o patrimônio cultural não se compõe somente de monumentos e objetos, antes bem compreende também outros elementos detentores de cultura que não estão no meio físico, especificamente: tradições orais, artes do espetáculo, usos sociais, rituais, atos festivos, conhecimentos e práticas relativas à natureza e o universo e saberes e técnicas vinculados ao artesanato tradicional. Segundo a UNESCO o patrimônio cultural imaterial é “tradicional, contemporâneo e vivente ao mesmo tempo, integrador, representativo e baseado na comunidade”, pois contem elementos do passado e do presente, adotadas por vários grupos, depende dos saberes transmitidos e é reconhecido por aqueles que conformam com ele a sua identidade. Embora este tipo de patrimônio seja mais propenso a modificações ou desaparecimento, pois é cambiante e depende do homem para reproduzi-lo, é importante a sua manutenção já que reflete a diversidade cultural no meio à globalização, isso contribui ao diálogo entre culturas e promove o respeito a outras formas de vida.

Os itens do patrimônio são registrados na “Lista do Patrimônio Mundial”. que são todos aqueles considerados de valor universal excepcional pelo mesmo órgão, essa lista é atualizada a cada dois anos. Assim, os Estados-parte das convenções recebem assessoria e apoio financeiro da UNESCO por meio do Fundo para a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, destinado à preservação do patrimônio, porém, cabe a cada um o consentimento de inclusão na lista, bem como a criação e implementação de políticas que garantam essas ações.

O patrimônio cultural então, se compõe de construções e objetos que possuem uma história e significado e de tradições e expressões vivas herdadas de gerações anteriores, ambas classificações de patrimônio se complementam e reforçam a identidade de uma sociedade, por isso mesmo, ao ser descobertos por pessoas alheias à cultura que desejam aprofundar os seus conhecimentos ou simplesmente pelo olhar curioso do diferente, motivam um deslocamento para a aproximação das pessoas e assim, acabam virando atrativos turísticos.

(30)

A pratica do turismo motivada pelo patrimônio cultural, denomina-se “turismo cultural”. Segundo Peciar (2006, p. 41), “O turismo cultural é uma atividade que proporciona acesso ao patrimônio cultural de uma comunidade, ou seja, é tudo aquilo criado pelo homem, bem como seus usos e costumes com o intuito de promover a preservação e a conservação dos mesmos”. Assim, as regiões detentoras de elementos do patrimônio cultural podem aproveitar o seu potencial turístico para desenvolvê-lo como uma atividade econômica que seja se benefício para a própria população. Cruz (2006, p.339) faz referência à cultura no turismo como atividade econômica da seguinte maneira:

Considerando que a matéria-prima do turismo é o espaço, reconhecemos desde já um diferencial entre a atividade econômica do turismo e outras atividades econômicas, ou seja, teoricamente, todos os lugares são potencialmente turísticos já que a atratividade turística dos lugares é uma construção cultural e histórica.

A partir da citação da autora é possível deduzir que um dos fatores que torna espaço propício para turismo é a cultura, pois a atratividade vai muitas vezes além das características naturais do lugar. A cultura, que é a ação da sociedade no espaço e a marca que ela deixa através do tempo, é única em cada região e com ela o turista se sente atraído por conhecer aquilo que julga interessante e é diferente do seu lugar de origem. Todavia, o turismo cultural, se não for bem planejado resulta contraproducente.

Como atividade turística, a exploração do patrimônio cultural deve ser bem gerenciada, com um planejamento prévio à exploração, um controle e uma avaliação contínua a fim de garantir a sustentabilidade. Alguns fatores que comprometem a sustentabilidade do turismo cultural, segundo Swarbrooke (2002) são: o risco de sobrecarga, a padronização do produto, a pobreza da qualidade e a excessiva comercialização. Os impactos à cultura são subjetivos e visíveis em longo prazo e, portanto mais difíceis de mensurar e controlar. Além de ter outros fatores que ameaçam o seu desenvolvimento. Swarbrooke (2002) cita como exemplo de ameaças as mudanças na educação, a preservação das culturas antigas e desestimulo às novas, a mudança social e a concorrência de outras atividades de lazer, que a longo prazo acabam desvalorizando certas culturas e assim, deixando de ser motivos para o turismo.

Um tema polémico em relação à sustentabilidade do patrimônio cultural intangível explorado pelo turismo se encontra nos grupos folclóricos. As definições de folclore em geral remetem à prática das tradições do passado (em relação à música, dança vestes, festas, etc.). Os

(31)

grupos na tentativa de preservação dessas práticas do passado continuam reproduzindo-as, isso atrai os turistas. Uma vez que há um lucro e um público que valoriza as representações, estas continuam sendo reproduzidas de maneira artificial, não com os fins que eram praticadas no passado nem em função da comunidade e sim, como um espetáculo para agradar ao turista, inclusive com modificações, perdendo assim a sua autenticidade.

A não sustentabilidade do turismo cultural, segundo Swarbrooke (2002) se dá quando existe uma superutilização dos sítios culturais, uma falta de controle local, uma trivialização ou perda de autenticidade, a fossilização de culturas e um turismo polêmico e moralmente problemático. Esses fatores causariam impactos negativos como a degradação do espaço e patrimônio físico, o descuido e a falta de manutenção, a reprodução artificial de manifestações culturais, o impedimento das mudanças que naturalmente ocorreriam na cultura e na sociedade e uma imagem negativa do local, que causaria diminuição no fluxo de turistas. Considerando esses impactos negativos, seria preciso criar estratégias para amortecê-los, garantindo a sua sustentabilidade e a obtenção de benefícios através do turismo cultural. Algumas ações para desenvolver um turismo cultural sustentável seriam:

 O antimarketing como estratégia para diminuir o fluxo de turistas nos pontos que não o suportam o nos quais não é conveniente.

 O incentivo às iniciativas locais onde a própria comunidade gerencie a atividade turística e seja proprietária e administradora dos empreendimentos para poder assim obter benefícios diretos com o turismo.

 Os projetos inovadores no setor público, já que cabe ao poder público a criação de políticas, a aprovação e fiscalização, o recolhimento de impostos, e o incentivo e financiamento de novos empreendimentos, a administração do patrimônio público, entre outras ações.

 Celebrar as culturas emergentes, que serão o motivo do turismo cultural no futuro. Um exemplo são as culturas populares e a inclusão dos mais jovens nas suas práticas.

 Maximizar os benefícios locais, não só na questão econômica, mas também social e ambiental através da prática do turismo cultural e da inclusão da população.

(32)

 Assegurar aos turistas um preço justo, sem tornar o turismo cultural uma prática elitizada nem pouco valorizada, e sim onde todos tenham acesso.

Oferecendo produtos e serviços de qualidade com os quais o turista não seja explorado na questão econômica, nem pague menos do valor do trabalho dos autóctones.

Em síntese, o turismo cultural é aquele motivado pelos elementos detentores da cultura de uma sociedade, sejam materiais ou imateriais. Os lugares que possuem estes elementos têm o potencial de explorá-los através do turismo como uma atividade econômica. O turismo cultural e o conceito de desenvolvimento sustentável parecem entrar em conflito ou ser incompatíveis, porém, esta prática pode trazer diversos benefícios contanto que se realizem ações para diminuir os impactos negativos e potencializar os positivos, isto depende do bom planejamento e gestão dos atores de turismo.

Como introdução ao próximo tópico e relacionado com a pesquisa desenvolvida, será apresentado um panorama geral do turismo cultural no México. A SECTUR (2012 apud GONZÁLEZ 2012, p.174) define o turismo cultural como “a viagem turística motivada por conhecer, compreender e desfrutar o conjunto de traços e elementos distintivos, espirituais e materiais, intelectuais e afetivos que caracterizam uma sociedade de um destino específico”. Por ser o patrimônio cultural tão diversificado no país, a SECTUR classifica este tipo de turismo em 4 segmentos de demanda principal: turismo arqueológico, turismo urbano, turismo espiritual e turismo gastronômico, os quais são frequentemente praticados nas comunidades indígenas, pois possuem estes itens. Com base na definição da UNESCO e a SECTUR, o INEGI identifica as zonas reconhecidas como patrimônio cultural no país, e são mostradas a continuação na figura 2.

O marcador marrom simboliza uma pirâmide e indica a localização de zonas com monumentos arqueológicos, o marcador azul simboliza um templo religioso e indica a localização de zonas com monumentos históricos, finalmente o marcador vermelho indica a localização das zonas consideradas patrimônio mundial.

(33)

Figura 2 - Zonas reconhecidas como Patrimônio cultural no México

Fonte: INEGI (2005)

No Plano Nacional de Desenvolvimento do México 2007-2012 se faz referencia ao turismo cultural como ponto de apoio para o desenvolvimento regional:

El fomento del turismo cultural será un instrumento detonador del desarrollo regional.

Ésa será una de las formas de unir esfuerzos con el sector privado para generar financiamiento, fuentes de empleo, difusión y, desde luego, protección para el patrimonio cultural.

Conforme observado, se procura principalmente o financiamento, a geração de empregos, a difusão e a proteção ao patrimônio. Aqui entra o papel do poder privado, ao ser capaz de trazer esse financiamento e a geração de empregos, é necessária a sua intervenção e um diálogo com a população para que, uma vez estabelecidos os empreendimentos, haja igual satisfação de interesses. Nesse processo, cabe também ao poder público a criação e aplicação efetiva de políticas que garantam o desenvolvimento na repartição igualitária de recursos. Pois em indeterminadas ocasiões, o poder privado acaba lucrando a custa do trabalho mal remunerado da população, é possível observar este acontecimento na prática nas comunidades indígenas, que motivam grande parte das viagens no México, porém nem sempre se beneficiam com o turismo.

(34)

Romo, dentro do material do Conselho Nacional para a Cultura e as Artes (CONACULTA), trata esse assunto:

Al considerar las posibilidades del binomio turismo cultural y desarrollo rural, y atendiendo a la preocupación discursiva de los gobiernos de América Latina sobre el combate a la pobreza, no solo la generación de empleos con salarios mínimos, sino la generación de oportunidades en proyectos turísticos culturales comunitarios para el desarrollo endógeno, el turismo cultural comunitario —y por tanto las empresas turísticas comunitarias—, más que una modalidad, un gesto de inclusión de sectores vulnerables o una etiqueta de programas sociales, debe considerarse una de las estrategias de desarrollo en las políticas públicas en los tres niveles de gobierno.

(ROMO, 2012, p.84)

Conclui-se que o patrimônio cultural é um recurso existente em todas as sociedades e especificamente, na situação atual do México, este é um ótimo recurso a ser explorado como produto turístico como meio para atingir o desenvolvimento nas comunidades indígenas. Como atividade econômica, o turismo cultural é ideal nestas comunidades, pois a diferença da cadeia produtiva tradicional, não precisa de fornecimento da matéria prima, pois a matéria prima é o próprio espaço e as práticas que refletem a sua identidade. O desenvolvimento seria atingido então por meio da inclusão da população detentora dos atrativos culturais na cadeia produtiva do turismo e as ações de promoção e preservação do patrimônio.

2.3 Comunidades indígenas no México

O México é um país no qual é possível observar nos dias de hoje o resultado da miscigenação que se deu fortemente entre espanhóis e indígenas. Apesar da mistura de raças com a chegada dos espanhóis em 1521 e a inserção de outros povos, a raça indígena junto com a cultura própria de cada comunidade tem se mantido através de quase cinco séculos (GARCIA, 2013). Atualmente se têm duas imagens ou pontos de vista sobre as comunidades indígenas tratadas pela CDI (2010), por um lado existe a imagem dos heróis, dos detentores da cultura pré- hispânica que tem resistido às mudanças do tempo preservando uma cultura rica e única, por outro lado, existe a imediata relação com a discriminação, segregação e pobreza, a classe indígena e os seus descendentes são os que mais apresentam índices de pobreza e subdesenvolvimento no país. Nos parágrafos seguintes será apresentado um panorama geral das comunidades indígenas no México no tempo atual.

As comunidades indígenas existentes no México são registradas pela CDI (Comisión Nacional para el Desarrollo de los Pueblos Indígenas) pelo seu nome em espanhol e a sua

(35)

denominação em língua autóctone original. Segundo os registros de 2014 da CDI as etnias existentes atualmente no país são:

Amuzgo-Tzañcue, Chatino-Cha’cña, Chichimeca jonaz-Uza, Chinanteco-Tsa jujmi, Chocholteca-Chocho, Chontal de Oaxaca-Slijuala xanuk, Chontal de Tabasco-Yokot’na.

Chol-Winik, Cora-Naayeri, Cuicateco-Nduudu yo, Guarijío-Varogío, Huasteco-Teenek, Huave-Mero ikooc, Huichol-Wirr’árika, Jacalteco-Abxubal, Kikapú-Kikapoa, Kiliwa- K’olew, Kumiai-Kamia, Lacandón-Hach tan, Mame-Qyool, Matlatzinca-Botuná, Motozintleco-Mochó, Mayo-Yoreme, Mazahua-J ñatio, Mazateco-Ha shuta enima, Mexicanero-Mexicanero, Mixe-Ayook, Mixteco-Ñuu Savi, Mochó-Mochó, Nahua- Náhuatl, Ocuilteco-Tlahuia, Otomí-Hña hñu, Paipai-Kwa’ala, Pame-Xigüe, Pápago- Tohono O'odham/ Tohono O'otham/ Tono ooh’tam, Pima-Otam Purépecha-P’urhépecha, Seri-Konkaak, Tarahumara-Rarámuri, Tarasco-P’urhépecha, Tepehua-Hamasipine, Tepehuán del Norte-O’damí del Norte, Tepehuán del Sur-O’dam del Sur, Tlapaneco- Mepha, Tojolabal-Tojolwinik’otik, Totonaco-Tachihuiin, Triqui-Driki, Tzeltal (tseltal)- K’op, Tzotzil (tsotsil)-Batzil k’op, Yaqui-Yoreme, Zapoteco-Diidzaj e Zoque-O’ de püt.

Apesar dos censos periódicos e outros registros, não existem dados exatos sobre quantidades e distribuição dessas comunidades, pois há mais de um critério para que uma pessoa ou grupo social seja considerado indígena. De acordo com Bringas (2007) nos censos de população tinha se utilizado como critério fundamental a condição de falar uma língua autóctone para definir os grupos indígenas. Recentemente, em novembro de 2014 demógrafos do INEGI determinaram que a identidade étnica é dinâmica e pode ter variações segundo a migração, estratos sociais de pertença, mudanças no entorno cotidiano e período histórico.

Segundo o censo do INEGI do ano 2000 existiam 2 051 251 lares classificados como indígenas, o que representava 9.1% do total de lares no âmbito nacional. Destes, 53,5%

localizados em áreas rurais, ou seja, em localidades com menos de 2 500 pessoas, e o restante 46,5% em áreas urbanas. Os critérios para as pessoas serem consideradas indígenas nesse censo foram: ser falantes de uma língua ou dialeto indígena ou a autoadscrição étnica. Existe mais de uma língua falada por etnia registrada no México. A figura 3, elaborada pela CDI a partir dos dados desse censo, mostra a concentração da população indígena no país.

Figura 3 - Distribuição espacial dos povos indígenas no país

(36)

Figure

Actualización...

Referencias

Actualización...

Related subjects :