A avaliação do desempenho docente: contributos para uma análise crítica

Top PDF A avaliação do desempenho docente: contributos para uma análise crítica:

Formação e(m) avaliação do desempenho docente: contributos para o desenvolvimento profissional

Formação e(m) avaliação do desempenho docente: contributos para o desenvolvimento profissional

“A avaliação de desempenho docente é importante e, do meu ponto de vista, serviu para mudar mentalidades, e contribuir para novas posições quanto ao tema e quanto à tarefa de grande significado que é avaliar. Cabe a todos perceberem qual é o papel a desempenhar e todas as etapas para um correto desenvolvimento profissional. (…) Saliento que a ADD fez-me crescer durante estes anos, pois fez-me mudar de estratégias, atividades e também partilhar ideias, recursos e materiais com colegas. Na minha opinião, a observação de aulas desempenha um papel fundamental na melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem, pois, por vezes, faz com que o professor busque algo novo, inovador, sendo desta forma um forte catalisador de mudança na escola. Em síntese, a ADD é fundamental para o desenvolvimento profissional dos docentes possibilitando a melhoria das suas práticas o que melhora os resultados da escola. (…) Termino este relatório reconhecendo o valor indiscutível desta ação, o volume e a qualidade das aprendizagens realizadas, o desenvolvimento de competências várias, nomeadamente por ter propiciado a mudança em quem frequentou”. (W6) “Relativamente à ADD, considero que a questão mais relevante se prende com a questão da sua ligação com o Desenvolvimento Profissional. Como já referi, considero que esta ligação só existe no papel. Há que continuar a trabalhar no sentido da implementação de um sistema de ADD que promova, realmente, o Desenvolvimento Profissional do Professor”. (W10)
Mostrar más

10 Lee mas

Contributos para uma análise crítica do discurso oficial sobre educação literária

Contributos para uma análise crítica do discurso oficial sobre educação literária

No que diz respeito ao objetivo “apreciar textos literários”, os descritores de desempenho comuns aos três anos são “ler textos literários, portugueses e estrangeiros, de diferentes épocas e de géneros diversos” e “reconhecer valores culturais presentes nos textos”. No entanto, destacamos que, no 8.º ano, este último descritor é reformulado para “reconhecer valores culturais e éticos presentes nos textos”, tal como no 9.º ano, “reconhecer os valores culturais, éticos, estéticos, políticos e religiosos manifestados nos textos”. Concordamos com os descritores e com a sua importância na educação literária, mas estranhamos a grande complexificação existente de um ano para o outro e, sobretudo, o facto de no 7.º ano estarem vedadas outras formas de apreciar os textos. Os alunos serão muito jovens, mas acreditamos que são já capazes de reconhecer outros valores para além dos culturais nas obras lidas. Outro descritor comum é “escrever um pequeno comentário/comentário crítico […] a um texto lido”. Difere, aqui a extensão e a tipologia: comentário apenas, no 7.º ano, e comentário crítico, no 8.º e 9.º anos.
Mostrar más

24 Lee mas

As políticas de envelhecimento ativo: contributos para uma análise crítica

As políticas de envelhecimento ativo: contributos para uma análise crítica

2 2008). Por seu lado, a “teoria do desengajamento” (disengagement) de Cumming e Henry (1961), apoiada nas perspetivas funcionalistas, contraria totalmente o preconizado pelo EA uma vez que dá conta de uma retirada gradual das pessoas idosas das interações e atividades sociais com a entrada na velhice, o que por sua vez facilita a transição para a morte com o mínimo de perturbação para a sociedade quando esta ocorrer (Bowling, 2008). Deve salientar-se que esta teoria tem sido largamente desacreditada por ignorar as próprias perceções das pessoas idosas, pois o desligamento que ocorre dos seus papéis sociais e da própria sociedade pode ser interpretado de forma muito diferente (Boudiny, 2013). A “teoria da continuidade” proposta por Atchley (1989) foi das que mais simpatia recolheu por reconhecer que o mais importante não é a quantidade de atividades realizadas, mas sim a sua qualidade do ponto de vista das avaliações realizadas pelas pessoas idosas, tendo também reconhecido que nas fases mais adiantadas da vida existem processos de ajustamento e de adaptação. No entanto, assim como as outras teorias anteriores, tende a ignorar as estruturas de poder que restringem os indivíduos, bem como a diversidade dos padrões de desigualdade social (Bowling, 2008).
Mostrar más

10 Lee mas

A avaliação do docente em formação no curso de espanhol a distância da UFSC: uma análise crítica do gênero "atividade obrigatória em EaD"

A avaliação do docente em formação no curso de espanhol a distância da UFSC: uma análise crítica do gênero "atividade obrigatória em EaD"

A respeito do estudante da EaD, pesquisadores como Belloni (2001) costumam defini-lo como um aluno mais maduro, autônomo e capaz de cumprir prazos ou como um trabalhador mais informado, multicompetente, multiqualificado, capaz de gerir situações de grupo, de se adaptar a situações novas e que esteja sempre pronto a aprender. No entanto, levando em consideração a perspectiva crítica-emancipatória que tomamos por base, não cremos que sejam essas características o que se deva buscar ou desenvolver no estudante, mas, vislumbramos a necessidade de estimulá-lo a questionar e questionar-se, a pensar e a inverter a ordem vigente, quando essa inversão signifique tornar-se um sujeito crítico e atuante socialmente. Por outro lado, “os já-ditos sobre o tema e toda a acentuação valorativa implicada permeiam o discurso dos sujeitos” da EaD (SILVA, 2012, p. 104), ou seja, os mesmos discursos sobre ela são, por vezes, repetidos. E essas repetições, como a observada anteriormente, parecem querer justificar prováveis fragilidades, enfatizando capacidades técnicas da EaD. Embora ela seja apresentada como uma modalidade de ensino diversa, através de discursos auto- elogiosos, compreendemos que seus atores se mantêm, assim como seus papéis sociais e as necessidades e objetivos relativos ao ensino/aprendizagem.
Mostrar más

210 Lee mas

Avaliação do Desempenho Docente: Contributo da avaliação pelos pares para o desenvolvimento profissional dos professores

Avaliação do Desempenho Docente: Contributo da avaliação pelos pares para o desenvolvimento profissional dos professores

Quanto à ADD, iniciámos a nossa reflexão efetuando uma contextualização das políticas desenvolvidas a nível mundial e, para o efeito, tomámos como referência o estudo realizado pela delegação regional de educação da Unesco para a América Latina e as Caraíbas (Orealc/Unesco) 3 , bem como as informações fornecidas pela Eurydice (2008). Em seguida, fazemos uma análise dos sistemas de ADD em Portugal ao longo dos tempos, dando mais ênfase aos modelos vigentes a partir de 2007, mais precisamente 1º, 2º e 3º ciclos de ADD. Entendemos ser pertinente, abordar e desenvolver o conceito de avaliação e desempenho docente. No tema seguinte, efetuámos o enquadramento e conceção da ADD, para depois, nos debruçarmos sobre os seus propósitos/finalidades. Por último, desenvolvemos os problemas que a aplicação de um sistema de ADD desencadeia. No capítulo II, preocupámo-nos em efetuar uma revisão da literatura que nos desse uma perspetiva sobre a temática do desenvolvimento profissional. Relativamente à supervisão pedagógica, procurámos sempre que possível, enquadrar a temática com a ADD. No entanto, e em primeiro lugar, fazemos uma alusão ao conceito de supervisão pedagógica, para no tema seguinte, abacarmos, de entre os vários modelos constantes na literatura, o modelo de supervisão clínica. Perante o facto de a ADD assentar sobre duas lógicas, a de prestação de contas e de desenvolvimento profissional, concebemos um tema onde desenvolvemos a perspetiva da avaliação formativa e sumativa no âmbito da ADD. Como a observação de aulas faz parte integrante da ADD, no 2º e 3º ciclos, entendemos importante fortalecer este tema, pelo que para além da explanação do conceito, elucidamos as vantagens da sua aplicação, abordamos e aclaramos cada um dos ciclos de observação e, desenvolvemos a perspetiva da observação de aulas no processo de ADD. Por fim, abarcámos a temática relativa ao papel do supervisor na ADD. Neste tema, foi necessário fundamentar a razão da utilização do termo supervisor em vez de avaliador, para depois, e ao longo da redação, nos debruçarmos sobre o conceito, as suas funções e competências. Como último tópico constante na revisão da literatura, surge a avaliação pelos pares. Primáriamente, fazemos uma contextualização da temática, onde explanámos a conceção de avaliação pelos pares de natureza sumativa e formativa. Em seguida, efetuámos uma abordagem dos paradigmas da avaliação pelos pares, onde realizámos uma associação com a conceção de avaliação interna e externa. Por este facto, o tema a seguir elencado, reporta-se aos modelos internalitas e externalistas propostos por
Mostrar más

506 Lee mas

Perceção dos professores face à avaliação e face ao modelo de avaliação do desempenho docente

Perceção dos professores face à avaliação e face ao modelo de avaliação do desempenho docente

Santos (2012) realizou um estudo numa escola pública sede de Agrupamento do 2º e 3º ciclos do distrito de Setúbal que obteve uma classificação de Muito Bom na avaliação externa (período em estudo). O autor fez uma análise aos Planos Anuais de Atividades (de 2007 a 2012) para ver se houve melhoria da atividade docente relativamente à crescente exigência do processo da avaliação do desempenho docente neste período de tempo e aplicou um questionário a uma amostra de 110 professores para saber quais as suas perceções sobre o processo de avaliação. Com base na análise dos Planos Anuais de Atividades e dos dados do questionário, a autora concluiu que a avaliação de desempenho docente melhora o trabalho coletivo (articulação, cooperação, partilha de boas práticas, a reflexividade de todos os intervenientes), melhora o trabalho individual (identifica pontos fortes e fracos, informa sobre as competências, reflexividade e autonomia, identifica necessidades de formação, compreensão ensino/aprendizagem, preocupação com melhoria e desenvolvimento profissional, mais criatividade, mais e melhores materiais, melhor desempenho), piora o modo de estar na escola (avaliação entre pares, possibilidade de favorecer amigos, os avaliadores não serem os mais qualificado), permite maior visibilidade do trabalho docente, responsabilização e alinhamento com o projeto da Escola. Relativamente ao processo da avaliação de desempenho docente, os professores consideraram que permite um debate avaliador/avaliado e a oportunidade de refletir sobre as práticas docentes, embora se mostre também orientado para a classificação, seriação, seleção e progressão. Os resultados demonstraram que as perceções dos professores são também marcadas pela incerteza e pelo ceticismo e que as questões mais problemáticas são a falta de reconhecimento aos avaliadores, a dimensão burocrática e sumativa da avaliação e a falta de condições de colocá-la em prática.
Mostrar más

118 Lee mas

Estudo de uma escala de auto-avaliação da prática docente: contributos para o desenvolvimento profissional

Estudo de uma escala de auto-avaliação da prática docente: contributos para o desenvolvimento profissional

O carácter obrigatório da ficha de auto-avaliação emanada pela tutela pode levar os sujeitos a emitirem respostas que não correspondem à realidade da sua prática docente, falseando deste modo a avaliação realizada, pois os sujeitos poderão pronunciar-se mais de acordo com o desejável do que com o que ocorre na sua prática docente, ou seja, os sujeitos responderão ao questionário dizendo o que gostariam de fazer e não o que fazem realmente. Como afirma Caetano (2008, p. 56), “Em termos empíricos a investigação tem identificado inúmeros problemas associados à auto-avaliação, salientando-se o sistemático inflacionamento das apreciações que cada um faz de si próprio, bem como o auto- enaltecimento das suas capacidades”. No entanto, acreditamos que se a ficha de auto- avaliação for utilizada pelo docente de forma sistemática poderá proporcionar uma análise e uma melhoria contínua das suas práticas. Para isso seria necessário que a fase de auto- avaliação, no processo de avaliação de desempenho docente, fosse reestruturada ao nível da calendarização e dos objectivos.
Mostrar más

136 Lee mas

A avaliação do desempenho docente e as transições ecológicas : desafios e oportunidades

A avaliação do desempenho docente e as transições ecológicas : desafios e oportunidades

Como sabemos, o sistema de quotas vigente na ADD e inerente a toda a administração pública (CCAP, 2009), constitui uma forma de diferenciar os desempenhos, designadamente para a atribuição das menções de Muito Bom e de Excelente em qualquer escalão onde o docente de posicione, nos termos do estatuído no Despacho n.º 12567/2012, de 26 de setembro, com remissão para o n.º 3 do artigo 6.º do ECD, na sua versão mais recente publicada pelo Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro. No entanto, pela análise das respostas percebe-se que os docentes continuam com a ideia que a existência de quotas na avaliação retira-lhe a confiança que o processo avaliativo deveria conter. Na nossa opinião, esta situação só será ultrapassada quando se potenciarem as práticas de observação de aulas e de supervisão e colaboração tal como defende Cruz (2011), o que implica o desenvolvimento de um processo de mudança assente na formação contínua dos professores e na inovação pedagógica, sustentado numa liderança forte e envolvente que seja capaz de desenvolver um projeto educativo ousado e mobilizador.
Mostrar más

203 Lee mas

Contributos da supervisão pedagógica no âmbito da avaliação de desempenho docente

Contributos da supervisão pedagógica no âmbito da avaliação de desempenho docente

O supervisor será um docente sobre quem recaem funções de avaliação de desempenho. O avaliador como qualquer pessoa vê a realidade com o seu olhar, “olhar” mais ou menos treinado para observar, descrever, analisar e interpretar. Por outro lado cada avaliador possui a sua história de vida, enformada de valores, crenças, objetivos que condicionam a objetivação da realidade (Casanova, 2005). Consideramos também que é difícil para um professor com as funções de avaliador (Supervisor) abstrair-se da personalidade do professor avaliado mesmo que inconscientemente, pois o avaliador desenvolve a sua atividade no mesmo meio que os avaliados e ao longo dos anos criam- se relações de amizade ou conflitualidade que podem condicionar a avaliação. No entanto as dimensões e domínios da avaliação são claros (Artigo 4º - a) Vertente profissional, social e ética; b) Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem; c) Participação na escola e relação com a comunidade educativa; d) Desenvolvimento e formação profissional ao longo da vida) e como os critérios são objetivos, minimizará o condicionamento a que o avaliador possa estar sujeito. No nosso entender, constitui uma das falhas da avaliação de desempenho o facto do professor avaliador não ser externo, pois sendo externo, não estará sujeito ao possíveis condicionalismos criados pelas relações interpessoais que se desenvolvem com a convivência diária ao longo dos anos.
Mostrar más

176 Lee mas

Avaliação do desempenho docente: sentidos e desafios na perspetiva de professores

Avaliação do desempenho docente: sentidos e desafios na perspetiva de professores

aquela turma, não sei o que devo fazer” e o problema, por vezes, é eles [alunos] serem apáticos, ou serem extremamente ativos e nós, na nossa forma de nos relacionarmos, não estarmos a ver o que é que poderíamos fazer. E, se calhar, outro colega ali ao lado poderia observar aquilo que nós não observamos. E portanto, a prática da observação de aulas é muito enriquecedora para quem observa e para quem é observado ou deve ser, vamos lá, um olhar crítico e de deitar abaixo, então não. Esta avaliação, e ouvimos uma colega à bocadinho ali dizer que foi avaliada e que não aprendeu nada e que não lhe serviu para nada, então, de facto, se assim é, só pode ser um entrave. Agora, se é para levar a avaliação a sério, tem que haver observação. Para mim, tem que haver observação de aulas, se não eu não avalio nada. O que é que eu avalio? É pela cara do colega, por aquilo que diz nas reuniões? Ele pode dizer uma coisa e fazer outra. Portanto, não faço ideia. É, de facto, na sala de aula que nós mostramos aquilo que somos, os nossos pontos fracos, os nossos pontos fortes, as nossas mais valias, os nossos defeitos, as nossas virtudes e vemos o trabalho que nós fazemos, exatamente, como a ROA disse, como os alunos estão ou não estão trabalhados para aquela situação. E vê-se, vê-se muita coisa.
Mostrar más

236 Lee mas

Avaliação do desempenho ambiental de uma cadeia de abastecimento: estudo de caso de uma indústria do sector automóvel

Avaliação do desempenho ambiental de uma cadeia de abastecimento: estudo de caso de uma indústria do sector automóvel

Todo o processo da cadeia de abastecimento inicia e acaba no cliente final. É este que gera os pedidos iniciais (em média as previsões de pedidos são enviados pelos clientes com 2 meses de antecedência) para um determinado componente. Este é enviado, preferencialmente por EDI (Electronic Data Interexchange) e gerido pelo programa de ERP (Enterprise resource planning) existente, neste caso o BPCS (Business Planning and Control System da SSA/ IBM). O departamento de logística de vendas analisa estes dados e gera pedidos à logística de compras (este processo é automático) e ordens de produção ao Departamento de planeamento de produção. Por sua vez, a logística de compras envia os pedidos ao fornecedor directo (este pedido pode ser automático ou por email, dependendo dos fornecedores). Estas informações são posteriormente difundidas por toda a sub-cadeia por cada fornecedor subsequente. O envio de materiais e componentes é efectuado pelos fornecedores numa lógica de JIT (Just in time), tal como a produção e envio aos clientes, desta forma a informação tem que fluir por toda a cadeia de uma forma eficaz e eficiente. As previsões são a 2 meses, os pedidos a 15 dias, mas os envios podem ser diários.
Mostrar más

125 Lee mas

Contributos para uma Directiva do CEMGFA

Contributos para uma Directiva do CEMGFA

Destes, os mais importantes são a LOBOFA, que define as competências do CEMGFA no seu Artigo 11º, e a LOEMGFA, que define as competências do CEMGFA no comando das FFAA em estado de guerra e em tempo de paz, bem como a missão, atribuições e estrutura do EMGFA. As mudanças introduzidas visam o reforço da capacidade de resposta militar conjunta, a racionalização de estruturas para evitar duplicações, redundâncias e disfunções geradoras de ineficiência, e a reestruturação da saúde militar. O CEMGFA viu aumentadas e diversificadas as suas competências, desenvolvidas em 35 alíneas no Artigo 11º da LOBOFA e no Artigo 5º da LOEMGFA. O âmbito da missão do EMGFA é ampliado, passando a constituir-se como um quartel- general das FFAA e a incluir o Instituto de Estudos Superiores Militares (IESM) e o Hospital das Forças Armadas (HFAR). A estrutura do EMGFA sofreu uma alteração significativa, com a criação de um Estado-Maior Conjunto (EMC), de um Comando Operacional Conjunto (COC), de um Quartel-General de Operações Especiais, de um Centro de Informações e Segurança Militares (CISMIL), para além da integração do IESM e do HFAR. De acordo com a legislação, o CEMGFA está situado nos níveis de decisão político-estratégico e estratégico militar. 17 Do Artigo 11º da LOBOFA deduz-se que a promulgação de directivas de natureza estratégica é uma competência do CEMGFA.
Mostrar más

67 Lee mas

Avaliação de desempenho X avaliação do trabalho de um estagiário em uma instituição bancária privada

Avaliação de desempenho X avaliação do trabalho de um estagiário em uma instituição bancária privada

O presente estudo teve como objetivo conflitar a avaliação de desempenho com a avaliação do trabalho em uma empresa privada do Distrito Federal. Trata-se de um assunto de extrema importância, pois uma avaliação de desempenho bem-feita traz benefícios para a empresa em diversos quesitos, sejam eles motivacionais ou produtivos. Os objetivos específicos foram: identificar a organização do trabalho, apresentar a ferramenta da avaliação utilizada, descrever o trabalho real, e verificar as discrepâncias entre trabalho prescrito e trabalho real. Para entanto, usou-se a Psicodinâmica do Trabalho como referencial teórico e o método de pesquisa utilizado é qualitativo exploratório. Foi realizada uma entrevista de cerca de 10 minutos com um estagiário da empresa bancária privada, que atua na área de atendimento. As respostas foram classificadas em três categorias: organização do Trabalho , mobilização da subjetividade e vivências de prazer e sofrimento e estratégias de mediação. Os dados foram analisados de acordo com a análise de conteúdo, onde o estagiário é submetido a uma avaliação de desempenho anual, a fim de pontuar alguns quesitos e corrigir os problemas encontrados durante seu trabalho com o intuito de gratificar o trabalhador e melhorar sua progressão de carreia durante o exercício de suas atividades. Como conclusão a pesquisa mostrou a importância de se fazer uma avaliação do trabalho dentro das organizações assim como a importância de se deixar claro as regras de trabalho para os seus funcionários e os critérios utilizados para tal avaliação
Mostrar más

32 Lee mas

Análise e avaliação do desempenho energético na produção da empresa Porfic

Análise e avaliação do desempenho energético na produção da empresa Porfic

Quando o molde se encontra cheio, o material está próximo da sua temperatura de solidificação. Neste momento, é aplicado ao pistão um súbito aumento de pressão, na direção contrária ao seu curso (contra-pressão ou pressão de fecho), compactando o material, com o objetivo de que este solidifique totalmente, sujeito a esta pressão elevada. No final do processo de solidificação do metal, pode ocorrer um fenómeno de contração, que culmina na ocorrência de uma zona vazia, sem material [25] (Figura 16). Assim, a pressão de fecho tem ainda como objetivo assegurar a estanqueidade da peça, fornecendo-lhe uma porção de metal adicional e contrariando eventuais tensões residuais.
Mostrar más

138 Lee mas

AVALIAÇÃO NO ENADE: UMA ANÁLISE

AVALIAÇÃO NO ENADE: UMA ANÁLISE

O artigo busca mostrar através da análise de regressão múltipla como se comportam as variáveis: Renda, Ensino Presencial, Turno da Graduação e entre outras na nota do ENADE para os cursos da área das Sociais Aplicadas, tendo como princípios básicos de estudo a Regressão Linear Múltipla que, de acordo com Gujarati (2011) tem o objetivo de desvendar o comportamento entre uma variável dependente em relação as variáveis consideradas independentes. Abordando o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior para observar se o ensino ofertado é de qualidade, ressaltando também a importância da qualidade dos cursos do Ministério da Educação, utilizando o Conselho Preliminar de Curso. Para análise, são utilizados os microdados disponibilizados pelo INEP, do ano de 2015, são expostas as estatísticas descritivas dos respondentes das Ciências Sociais Aplicadas, além disso, artigo busca mostrar se existe relação entre as variáveis e o resultado final obtido, fazendo uso de literatura sobre o tema.
Mostrar más

6 Lee mas

Uma análise do desempenho econômico e financeiro das cooperativas agropecuárias

Uma análise do desempenho econômico e financeiro das cooperativas agropecuárias

Nesse sentido, as cooperativas tendem a buscar novas ferramentas de monitoramento que sejam mais condizentes com a sua natureza. Diante desse novo desafio, os gestores começaram a utilizar a análise do valor adicionado como ferramenta gerencial, tendo em vista que o valor adicionado permite que indicadores sejam apurados e também é possível obter indicadores de análise provenientes da formação e distribuição do valor adicionado (LONDERO; BIALOSKORSKI, 2014). Assim, adicionalmente a análise econômico-financeira revelada por índices tradicionais, sugere-se a inclusão de alguns índices como riqueza criada pela entidade (VA) que evidencia a capacidade da entidade em gerar riqueza com base nos insumos adquiridos de terceiros, a riqueza criada na cooperativa por cooperado (VA/COOP.), a riqueza gerada na cooperativa por empregado (VA/EMP.), capacidade de agregação de valor por vendas (VA/VEND.LIQ), valor agregado pelo ativo relacionado ao tamanho da cooperativa (VA/AT.), capacidade de agregação de valor pelo capital próprio, patrimônio liquido da cooperativa (VA/PL.MÉD), participação dos empregados no valor adicionado (PESSOAL/VA), dentre outros.
Mostrar más

16 Lee mas

Avaliação de desempenho municipal através da análise multicritério: uma aplicação em microrregiões paraibanas.

Avaliação de desempenho municipal através da análise multicritério: uma aplicação em microrregiões paraibanas.

Sendo assim, os métodos da escola francesa se baseiam no princípio de que uma alternativa pode apresentar um grau de dominância ou superação sobre outra. Por suas características, esses métodos são considerados mais flexíveis, pois não impõem ao analista a estruturação hierárquica dos critérios, além de não admitirem necessariamente a comparabilidade entre todas as alternativas (GOMES; ARAYA; CARIGNANO, 2004). Nesse sentido, os métodos pertencentes à escola francesa utilizam-se de dois estágios para a resolução de um problema decisório. No primeiro estágio, as alternativas são comparadas par-a-par, ou seja, cada alternativa é comparada com as demais. É com base nessas comparações que são definidas as relações de sobreclassificação ou superação entre os pares de alternativas. No segundo estágio, essas relações entre os pares são exploradas e analisadas com o intuito de obter alguns dos seguintes resultados: (1) ordenar as alternativas da melhor para a pior; (2) classificar as alternativas em categorias; ou também (3) obter qual seria a melhor alternativa (GOMES, 2009).
Mostrar más

181 Lee mas

Grupo Pestana: análise da avaliação do desempenho do departamento de serviços técnicos de conservação e manutenção

Grupo Pestana: análise da avaliação do desempenho do departamento de serviços técnicos de conservação e manutenção

Dado que ao longo da minha carreira me fui especializando em Operação, tendo assumido cargos de supervisão de Restaurante e de Receção, o meu programa foi desenhado de forma a incorporar uma permanência mais prolongada nos Serviços Centrais. Esta passagem pelos Serviços Centrais visava contribuir para aumentar conhecimentos e competências na área comercial, de revenue management e de serviços de conservação e manutenção. Contudo, as áreas operacionais também foram contempladas e ficou estabelecido que iria estagiar em diferentes unidades de alojamento para conhecer outras realidades e aprender outras formas de trabalhar. Esta oportunidade profissional permitiu-me conhecer o Grupo Pestana numa perspetiva 360 graus, uma vez que vinha da parte Operacional do negócio, pelo que consegui ver mais além e ganhar uma nova panóplia de conhecimentos, tornando-me mais completo para a função para a qual estou a ser formado. Tal permitiu que passasse pelo Departamento Comercial, Departamento de Alojamentos, Departamento de Alimentos & Bebidas, Departamento de Revenue, Departamento de Reservas e Departamento de Serviços Técnicos de Conservação e Manutenção.
Mostrar más

69 Lee mas

Desempenho Importador do Segmento de Moda Praia Brasileiro: Uma Proposta de Análise

Desempenho Importador do Segmento de Moda Praia Brasileiro: Uma Proposta de Análise

Em relação ao método proposto, a Tabela 4 ilustra o comportamento importador brasileiro em relação aos seus dez principais players. Pode-se verificar que a China é o principal parceiro brasileiro com um volume de 1.521.612 peças importadas no acumulado dos três anos de analise, representando 89,6% da quantidade importada, sendo que somente em 2011 esse valor chegou a 959 mil peças. Seu desempenho de vendas em crescimento e o preço médio importado apresenta queda, passando dos US$ 3.31 FOB em 2009 para US$ 2,18 em 2011. Percebe-se, com a análise desses índices, que a China é um parceiro que merece atenção em relação a sua participação neste mercado e, conforme enfatiza Cribb (2008), sobre a importância da cultura na performance organizacional, isto é, a China tem uma cultura obstinada por trabalho, busca de mercados para a comercialização de seus produtos e pela busca de inovações (desde as mais simples) e desta forma ela vai conquistando mais e mais mercados.
Mostrar más

19 Lee mas

Imprensa, Discurso Ideológico e Golpe de Estado: uma Análise Crítica do Discurso

Imprensa, Discurso Ideológico e Golpe de Estado: uma Análise Crítica do Discurso

por três aspectos: a) o modelo apresenta um quadro analítico capaz de mapear os vínculos entre as relações de poder e os recursos linguísticos selecionados, no caso da presente pesquisa, pelo jornal (Resende & Ramalho, 2004); b) permite o preenchimento de lacunas na análise de temas multidisciplinares e contribui para o desenvolvimento de paradigmas críticos em relação ao estudo das organizações (Chouliaraki & Fairclough, 2010) de forma estruturada através das categorias de Fairclough; e c) busca desvelar as estruturas sociais por trás das formações discursivas (Blommaert & Bulcaen, 2000), sendo esse o principal objetivo da análise crítica do discurso. Thompson (2011), por sua vez, reforça que se a ideologia for pensada como maneiras em que o sentido é mobilizado pelas formas simbólicas para estabelecer e sustentar relações de dominação, então pode-se entender que o desenvolvimento da comunicação de massa traz enormes consequências para a natureza e o alcance dos fenômenos ideológicos. Resende e Ramalho (2011) acrescentam ainda que toda análise crítica do discurso parte da percepção de um problema que normalmente está relacionado com relações de poder, distribuição desigual de recursos e naturalizações de discursos particulares como se fossem universais. Após esse momento, se identificam as barreiras para que o problema seja superado. Essa etapa, segundo as autoras, consiste em analisar a conjuntura das práticas sociais atreladas ao problema e o momento da prática com ênfase no discurso, a fim de se entender suas relações e analisar o discurso, identificando sua estrutura e interação. Por fim, Resende e Ramalho (2011), apontam que uma etapa seguinte compreende buscar possíveis modos de superação dos problemas identificados. Ademais, por ser a análise crítica do discurso reflexiva, um trabalho final consiste em uma reflexão sobre a análise realizada.
Mostrar más

23 Lee mas

Show all 10000 documents...