ciência aberta

Top PDF ciência aberta:

A multidimensionalidade da Ciência Aberta

A multidimensionalidade da Ciência Aberta

O presente artigo apresenta o conceito de Ciência Aberta em uma perspectiva multidimensional. Parte do pressuposto de que a Ciência Aberta é um conceito guarda-chuva constituída por dimensões. Foram consideradas no estudo as dimensões: epistemológica, teórica, política, morfológica, técnica e ética. O trabalho atende ao eixo temático Ciência Aberta e dados abertos: promoção, práticas e políticas, visibilidade da ciência, éticas e direitos autorais. Com base na temática levanta-se a seguinte questão de pesquisa: As dimensões propostas no estudo configuram o conceito guarda-chuva da Ciência Aberta das atuais práticas científicas? O estudo tem como objetivo geral, descrever as dimensões da Ciência Aberta, e como objetivos específicos, contextualizar a Ciência Aberta e a e-Science no cenário internacional, compreender o escopo dos movimentos Open Access e da
Mostrar más

18 Lee mas

Formar e capacitar para a prática da ciência aberta: o contributo do projeto FOSTER Plus

Formar e capacitar para a prática da ciência aberta: o contributo do projeto FOSTER Plus

Nesta comunicação, apresenta-se o trabalho desenvolvido pelo projeto FOSTER Plus, uma iniciativa europeia com o objetivo de promover, através de formação e disseminação, o conhecimento e as práticas de Acesso Aberto, Dados Abertos e Ciência Aberta, junto de todos os participantes do Espaço Europeu de Investigação (EEI). Serão destacados três dos principais resultados do projeto. Em primeiro lugar o Open Science Toolkit, que reúne conteúdos de nível básico e intermédio, exemplos práticos de três áreas disciplinares e questionários de avaliação, que permitem obter, de uma forma simples e sucinta, os conhecimentos e competências fundamentais da ciência aberta. Em segundo lugar, o Open Science Training Handbook que é um recurso educacional orientado para o ensino prático, focado na ciência aberta. Reunindo métodos, técnicas e práticas, o manual visa apoiar os formadores a transmitir o conhecimento sobre os princípios da ciência aberta, instruindo-os e inspirando-os a criar ações de formação envolventes e de alta qualidade.
Mostrar más

5 Lee mas

Acesso aberto, dados abertos e ciência aberta no Brasil: revisão sistemática de literatura a partir do Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES

Acesso aberto, dados abertos e ciência aberta no Brasil: revisão sistemática de literatura a partir do Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES

Com o intuito de evidenciar a inserção da comunidade acadêmica no debate da ciência aberta, foi realizado um mapeamento e sistematização do conhecimento disponível na literatura especializada sobre dados abertos, acesso aberto e ciência aberta. Optou-se por estudar os recursos disponíveis no Catálogo de Teses e Dissertações da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - http://catalogodeteses.capes.gov.br), que reúne registros bibliográficos desde 1987. Tanto os metadados quanto os arquivos completos dos trabalhos de mestrado e doutorado de programas reconhecidos são disponibilizados na Plataforma Sucupira e sincronizados periodicamente com o Catálogo.
Mostrar más

13 Lee mas

Literacia da informação: O primeiro degrau para a ciência aberta

Literacia da informação: O primeiro degrau para a ciência aberta

O segundo estudo, desenvolvido no ISPA-Instituto Universitário (Lopes, 2016), analisou a integração curricular das competências de literacia da informação depois da criação de uma unidade curricular designada Comunicação e Recursos Bibliográficos, que integrou o plano de estudos de um dos mestrados. Os objetivos desta unidade curricular enquadraram três linhas de ação desenhadas na linha da literacia da informação: a pesquisa estratégica, os recursos do conhecimento e a comunicação científica. As conclusões deste estudo evidenciam que esta unidade curricular contribui para a formação de indivíduos autónomos, reflexivos e críticos: a) aos estudantes permite a consciencialização para os processos de uso ético e de gestão eficaz da informação; b) aos professores e investigadores facilita a colaboração, num processo de contínua atualização e também de consciencialização dos recursos, serviços e tecnologias – princípios orientadores da Ciência Aberta.
Mostrar más

10 Lee mas

Ciência Aberta & Literacia da Informação: estudo de caso num centro de investigação

Ciência Aberta & Literacia da Informação: estudo de caso num centro de investigação

Em 2016, a publicação das Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior de Portugal procurou, numa das suas prerrogativas, a construção de uma relação de confiança e de parceria entre as bibliotecas, os seus profissionais e os investigadores. Os ganhos de competências de uns e de outros no apoio à investigação, publicação e disseminação seriam benéficos para ambos. No mesmo ano, a unidade de investigação Applied Psychology Research Center Capabilities & Inclusion (APPsyCI) incorporou, no conjunto das suas áreas de atuação, uma linha de investigação no âmbito da Ciência Aberta em articulação com a Literacia da Informação. Com este desiderato, procurou a APPsyCI implementar os pressupostos da Ciência Aberta através de diversas ações: na prossecução da gestão do repositório, na formação dos docentes e investigadores, no apoio à escolha de revistas onde publicar, na divulgação e promoção do conhecimento científico dentro dos princípios FAIR. • Quais as áreas de atuação desta linha de investigação?
Mostrar más

5 Lee mas

Os desafios enfrentados pelas práticas de ciência aberta

Os desafios enfrentados pelas práticas de ciência aberta

a) Consolidar aquellas áreas donde existen más capacidades y comenzar a explorar las menos conocidas: en áreas como acceso abierto a publicacio- nes (y, en menor medida, datos), ya ex[r]

20 Lee mas

Editorial: Instrumentos e práticas para a Ciência aberta no Direito processual penal - perplexidades e algumas possibilidades

Editorial: Instrumentos e práticas para a Ciência aberta no Direito processual penal - perplexidades e algumas possibilidades

Postas essas premissas, não se quer sustentar, neste editorial, que na política não seja necessária a maioria e uma construção paritária. Obviamente estes são aspectos imprescindíveis à práxis, além de consti- tuir a finalidade da qualquer atividade política. Porém, acredita-se que na ciência não é este o elemento central. De fato, é no espaço do dissenso – que pode ser construído até mesmo através ou dentro de um espaço de maioria – que se cria a novidade científica. Contudo, é exatamente isto que o neoliberalismo não tolera hoje: em qualquer lugar do mundo, é exatamente esta dinâmica crítica que é colocada em discussão e que produz o atrofiamento do pensamento. E um mecanismo deste discipli- namento da força crítica é representado pela bibliometria, pelos métodos de avaliação automática da produção científica.
Mostrar más

16 Lee mas

Trabalhando a matemática e desenvolvendo a ciência

Trabalhando a matemática e desenvolvendo a ciência

Resumen. A Matemática na maioria das vezes é vista como uma disciplina pronta e acabada e sem espaço para a criatividade. Com o objetivo de alterar este panorama e auxiliar no processo de ensino e aprendizagem é que foi proposto o projeto de extensão “Estação Ciência – Módulo de Matemática”. Neste projeto as ações são desenvolvidas numa parceria entre a Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus de Foz do Iguaçu e a Fundação Parque Tecnológico de ITAIPU – FPTI/BR, sendo que as atividades e materiais pedagógicos são elaborados por docentes e discentes do curso de licenciatura em Matemática e o espaço, divulgação do projeto e apoio financeiro são oriundos da Fundação. Através deste trabalho, divulgamos e popularizamos esta disciplina como uma ciência resultante de uma construção social, dinâmica e em constante evolução. As atividades desenvolvidas neste espaço são criadas, (re) criadas ou apenas adaptadas de diferentes contextos e exploram conceitos matemáticos através de exposições e experimentos interativos e lúdicos.
Mostrar más

6 Lee mas

Concepções ideológicas sobre a natureza e a ciência.

Concepções ideológicas sobre a natureza e a ciência.

fisiológicas ou aos hábitos culturais. Diz Mauss: "Quando uma ciência faz progressos, ela os faz sempre no sentido do concreto, e sempre no sentido do desconhecido. Ora, o desconhecido se encontra nas fronteiras das ciências" (MAUSS, 1974, p. 13). São essas margens controversas que foram escolhidas por Claude Lévi-Strauss para o ensino da antropologia, a fim de desenvolver seu método, emprestando hipóteses e resultados a todas as frentes pioneiras das ciências em desenvolvimento. À linguística, seguramente, e notadamente à fonologia, mas também à fisiologia da percepção, à cladística (sistemática da biologia, baseada em relações filogenéticas), à teoria dos jogos ou à cibernética. As condições próprias ao comparativismo referem-se à diversidade dos objetos e situações – históricas, antropológicas –, à pertinência dos instrumentos da comparação, utilizados pela interdisciplinaridade e à validez dos deslocamentos operados pelos pesquisadores dessa área. A antropologia estrutural, além das inovações remarcáveis que ela permitiu aos estudos clássicos sobre o parentesco e a análise dos mitos, perpetuou e enriqueceu a ideia maussiana do homem total, ao propor uma audaciosa teoria do conhecimento pela qual "o espírito cumpre operações que não diferem em natureza daquelas que se desenrolam no mundo" (LÉVI-STRAUSS, 1983, pp. 164-165).
Mostrar más

18 Lee mas

Ubiquidade e ciência da informação

Ubiquidade e ciência da informação

Resumo: A ubiquidade é a presença virtual em muitos lugares concomitantemente e está intimamente ligada aos fenômenos contemporâneos de acesso e uso de informação. A pesquisa bibliográfica tem como objetivo evidenciar o caráter ubíquo da informação e explorar as consequências da ubiquidade nos usuários. Os procedimentos metodológicos adotados exprimem a busca por artigos nas bases de dados Brapci, Scopus e Google Acadêmico, com ênfase na grande área de Ciências Sociais Aplicadas. Os materiais recuperados contém o termo ubiquidade no texto, título ou resumo, sem restrições temporais. Os resultados mostram que a ubiquidade não é tema novo em Ciência da Informação, embora pouco discutido. Fica evidente que o usuário se transforma e sofre o peso da ubiquidade de muitas formas. Conclui que o objetivo de explorar a temática sob o viés da Ciência da Informação foi alcançado, mas que são necessários muitos outros estudos, com métodos variados, para que seja plenamente compreendido o fenômeno da ubiquidade e seus impactos sobre o novo usuário móvel. Palavras-chave: Ciência da Informação. dispositivos móveis. ubiquidade.
Mostrar más

26 Lee mas

Compêndio de Ciência da Religião

Compêndio de Ciência da Religião

Segundo esses autores, o compêndio de Ciência da Religião visa apresentar os esforços coletivos para firmar os elementos constitutivos dessa ciência de forma coerente e alinhada. Ele nasce de uma ação conjunta dos(as) cientistas da religião, reconhecendo que o conheci- mento acerca de um objeto se dá de modo coletivo, dentro de princípios estabelecidos institucionalmente. Filosoficamente, o compêndio visa exibir de que maneira as diversas áreas do conhecimento interagem en- tre si na investigação do objeto em comum, no caso a religião. Busca-se uma aproximação que permite uma abordagem transversal do objeto.
Mostrar más

8 Lee mas

Pode teologia ser ciência?

Pode teologia ser ciência?

No caso particular da Teologia, um dos argumentos mais comuns, que ainda hoje se ouvem com facilidade, seria o fato de estar baseada em crenças, ao contrário da ciência que procede mediante demonstrações. Ora, todo esforço da Teologia, em dois mil anos de história, consistiu sempre em distinguir-se da crença. A Teologia se define como lógos da fé e não como fé. A autori- dade das suas conclusões e dos seus resultados vem da força dos argumentos e dos dados capazes de convencer, inclusive dando forma e sentido novos ao conteúdo do crer. Em sua origem, a Teologia quis ser um espaço para dialogar com o pensamento e a cultura circundante 6 . É verdade que, após o período áureo da I- dade Média, especialmente na Modernidade, houve um isola- mento em muitos lugares. Nem se deve esquecer, porém, que foi a partir da Teologia e do pensamento por ela influenciado que se desenvolveram os primeiros conceitos de direitos dos povos (Francisco de Vitória, na Espanha). Dependesse apenas das cren- ças, o Cristianismo colonial teria sancionado monoliticamente a empresa colonialista com todos os seus efeitos. De outro lado, a precariedade teológica e a subserviência às crenças mantiveram a legitimação do tráfico de escravos, quase sem críticas.
Mostrar más

14 Lee mas

Thread (ciência da computação)

Thread (ciência da computação)

Um exemplo prático de processo chamado P1 que contém tais threads: P1T1, P1T2 e P1T3, quando o sistema operacinal da a CPU para o processo P1 cabe a ele destinar qual thread será executa[r]

15 Lee mas

Compreensão de futuros professores de ciência sobre aspectos epistêmicos da natureza da ciência em quatro controvérsias da história da ciência

Compreensão de futuros professores de ciência sobre aspectos epistêmicos da natureza da ciência em quatro controvérsias da história da ciência

Este artigo apresenta uma analise global sobre os resultados de quatro estudos que avaliaram a compreensão de futuros professores de ciência em formação inicial, sobre aspectos epistémicos da natureza da ciência (NDC). Para isso, quatro controvérsias da história da ciência (HDC) foram utilizadas como contexto de ensino/aprendizagem, cuja implementação em sala de aula foi realizada por meio de uma abordagem crítica e reflexiva. A análise buscou determinar as referências feitas pelos professores de ciência em formação inicial em suas respostas, aos diferentes indicadores epistêmicos estabelecidos nas rubricas de avaliação, assim como o número de vezes em que esses foram mencionados. Os resultados obtidos permitem concluir que, em geral, os professores de ciências em formação inicial melhoraram significativamente sua compreensão sobre a influência dos aspectos epistêmicos da NDC nas quatro controvérsias das HDC que foram utilizadas.
Mostrar más

12 Lee mas

Ciência escolar e ciência fora da escola: opiniões e interesses de jovens brasileiros

Ciência escolar e ciência fora da escola: opiniões e interesses de jovens brasileiros

De modo geral, na caracterização da relação dos jovens com a ciência, percebeu-se, primeiramente, que diferentes espaços e fontes de informação atuam em conjunto com a escola; no entanto, o acesso a determinados espaços de informação científica é limitado por condições socioeconômicas e aspectos regionais. Nesse último, infere-se que existam poucos centros e museus científicos nos diferentes pontos do país. Por outro lado, o hábito ou consumo informativo fora do espaço escolar é baixo entre os brasileiros, o que pode representar, como afirma Christidou (2011), pouco compromisso com a ciência, tendo em vista que a participação e a busca pela ciência fora da escola parecem associadas ao compromisso e percepções positivas diante de temas científicos.
Mostrar más

23 Lee mas

Circulação da ciência: relações entre o discurso referente à ciência e o discurso da autoajuda

Circulação da ciência: relações entre o discurso referente à ciência e o discurso da autoajuda

É importante para a educação científica e tecnológica compreender como o ―discurso científico‖ tem circulado em nossa sociedade. Uma maior compreensão sobre a circulação e textualização da ciência poderá nos ajudar a construir possibilidades pedagógicas mais conectadas com as práticas culturais através da utilização de textualizações que não foram pensadas especificamente para o contexto escolar, mas que oferecem, à sua maneira, a possibilidade dos alunos se relacionarem com o ―conhecimento científico‖ também fora da escola. Com este viés, analisamos a heterogeneidade do discurso da divulgação científica (DC) com traços de autoajuda (AA) e a heterogeneidade do discurso da autoajuda com traços de um discurso que remete à ciência. Para a análise construímos dois diferentes corpora que nos ajudaram a responder ―Quais são as relações entre o discurso de autoajuda e o da ciência?‖ e ―Como as relações entre esses discursos são produzidas?‖. Encontramos muitos traços de heterogeneidade nesses dois discursos, nos quais, percebemos que o discurso da AA se relaciona com a ciência através da procura pelo ―autocultivo‖, próprio desse discurso, onde o enunciador fala do lugar da sua verdade, do lugar da descrição de sua experiência de autotransformação; enquanto na relação entre o discurso da divulgação científica e a AA, percebemos que a DC apresenta a ciência como meio para lhe ajudar, sem apagar assim, seu próprio lugar que é o de mediadora necessária para comunicar ciência ao público. Na análise dessa relação entre AA e ciência, percebemos que a AA se relaciona também com a ciência através de remissões à teoria quântica. Percebemos que nessas remissões são produzidos deslocamentos ao que dizem respeito aos sentidos produzidos pela física, como por exemplo os deslocamentos produzidos no sentido do termo ―colapso da onda‖.
Mostrar más

117 Lee mas

MANGOLIN – MARX – CIÊNCIA E REVOLUÇÃO

MANGOLIN – MARX – CIÊNCIA E REVOLUÇÃO

Para tanto, dividimos nosso trabalho em três partes. Na primeira, procuramos avançar alguns pontos dos já mencionados até aqui na relação de Marx com a ciência, tocando em alguns temas importantes e polêmicos, como a trajetória intelectual de Marx (que pode ser dividida entre a fase de juventude e de maturidade), a existência de “marxismos” que negam o caráter científico da obra de Marx e, por fim, da necessidade do exercício da crítica, do desenvolvimento e da atualização exigidos para que o materialismo histórico continue a ser ciência e não uma nova “tábua dos mandamentos”. Na segunda parte, mais breve, destacamos duas grandes descobertas de Marx e sua importância para o conhecimento objetivo das formações sociais humanas. Por fim, escolhemos discorrer sobre um tema que nos parece fundamental e que caminha na perspectiva da atualidade do pensamento marxista: a lógica objetiva da história que permite pensar numa teleologia materialista, distante dos determinismos próprios das correntes economicistas, sejam elas as baseadas na ideia de uma natureza humana alienada ou as que tornaram a história uma sequência única, necessária e ascendente de modos de produção que caminha rumo a um destino pré-determinado: o comunismo.
Mostrar más

13 Lee mas

A dinâmica dos novos formatos na televisão aberta brasileira

A dinâmica dos novos formatos na televisão aberta brasileira

A análise feita a partir da amostra de programas da oitava edição do “Big Brother Brasil” evidencia várias características dos reality-shows explicitadas anteriormente na literatura sobre o tema. A principal delas é a ancoragem em gêneros televisivos conhecidos, que tem o objetivo de tornar familiar ao grande público este novo gênero, a tele-realidade. Diminui-se, assim, o risco da inovação, optando-se pela continuidade ao utilizar-se características dos gêneros já solidificados junto ao público. O esforço é para garantir a manutenção de índices elevados de audiência. No “Big Brother Brasil” é possível identificar, por exemplo, uma estreita conexão narrativa, tanto textual quanto audiovisual, com as telenovelas, gênero hegemônico há 40 anos na televisão aberta brasileira. Esta conexão pode ser observada na importância dada ao acompanhamento diário do programa; na retrospectiva de episódios anteriores para facilitar o entendimento do público; na instituição de papéis aos participantes de acordo com características marcantes da personalidade de cada um; na construção de histórias paralelas à trama principal (a disputa pelo prêmio ao final da competição) e na utilização da trilha sonora para enfatizar situações dramáticas. Pelo fato de utilizar uma gramática conhecida do telespectador, a ancoragem às telenovelas promove um envolvimento maior do público com o programa, que passa a ver o desempenho de cada concorrente na competição mais como resultado direto das ações individuais durante o confinamento do que como estratégia de jogo com objetivos puramente financeiros ou com o intuito de tornar-se uma celebridade midiática.
Mostrar más

217 Lee mas

TRADUÇÃO DO LIVRO LELÊ DE BOCA ABERTA PARA INGLÊS E ESPANHOL

TRADUÇÃO DO LIVRO LELÊ DE BOCA ABERTA PARA INGLÊS E ESPANHOL

O projeto foi executado por meio de metodologias de trabalho colaborativas que reconhecem os diferentes saberes da equipe executora de forma a agregá-los na realização do trabalho. Assim, o projeto teve início com reuniões presenciais destinadas à leitura e à discussão de textos teóricos sobre a tradução, bem como a leitura da obra a ser traduzida: Lelê de Boca Aberta. A equipe foi, então, dividida em dois grupos, ficando cada um responsável pela tradução da obra para uma das línguas adicionais. O trabalho de tradução do texto escrito foi realizado durante o primeiro semestre de 2018 pelos dois grupos compostos, cada um, por um docente e dois discentes da respectiva língua, sempre contando com a consultoria da própria autora da obra. A versão em inglês passou ainda pela revisão final de um bolsista norte-americano (English Teaching Assistant ± Fulbright). Os dois textos escritos foram, então, compilados e formatados, com as devidas ilustrações da versão original.
Mostrar más

5 Lee mas

Aplicação móvel para o modelo pedagógico virtual da Universidade Aberta

Aplicação móvel para o modelo pedagógico virtual da Universidade Aberta

Os processos de ensino/aprendizagem na Universidade Aberta (UAb) são realizados em ambiente virtual, através de uma plataforma de e-learning Moodle [38]. Tendo em conta o Modelo Pedagógico Virtual® (MPV) [10] próprio que rege as formações da UAb, têm sido desenvolvidas diversas adaptações à plataforma, que concretizam as disposições do MPV. O acesso à plataforma é feito via web, através de browser, e a frequência de uma formação à distância na UAb implica necessariamente o uso de um computador (desktop ou portátil) para acompanhar e participar nas interações, e realizar as atividades propostas.
Mostrar más

93 Lee mas

Show all 585 documents...