Práticas educativas

Top PDF Práticas educativas:

PROJETO PEGADA SEGURA: PRÁTICAS EDUCATIVAS EM SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA

PROJETO PEGADA SEGURA: PRÁTICAS EDUCATIVAS EM SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA

Assim, o Projeto Pegada Segura se justifica pela necessidade da discussão sobre direitos sexuais e reprodutivos na universidade, visto que, existem altas taxas de ISTs e AIDS no município de São Borja, fato relacionado ao sexo inseguro. Portanto, o Projeto tem como objetivo geral promover práticas educativas em saúde sexual e saúde reprodutiva, para que, os (as) alunos (as) desenvolvam autonomia para tomar decisões relacionadas aos seus direitos de sexualidade e reprodução. Especificamente, o Pegada Segura objetiva realizar oficinas geradoras de informação, debate, reflexão e de sensibilização a prevenção, assim como, ser um espaço que supere mitos e preconceitos sobre sexualidade, IST / AIDS / Redução de Danos, contracepção e outros temas que surgirem durante sua realização. Demais, foi colocado um dispensador em todos os banheiros da universidade para distribuição de preservativos masculinos e femininos, gel lubrificante e materiais informativos.

7 Lee mas

Análise da abordagem de temas alusivos à saúde em documentos oficiais relacionados às práticas educativas em Ciências da Natureza

Análise da abordagem de temas alusivos à saúde em documentos oficiais relacionados às práticas educativas em Ciências da Natureza

por exemplo, continua permeando e influenciando as próprias concepções entendidas por saúde nos principais documentos oficiais do país. Essa perspectiva estende-se, inclusive, na própria legislação educacional, como a lei de nº. 5.692 de 1971 – antiga Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN (Ministério da Educação e Cultura, 1971). Após esta lei (décadas depois), teve-se a promulgação de uma “nova” LDBEN (Ministério da Educação, 1996), a qual introduz nuances de abordar temas que tenham relação com a saúde humana – transporte, lazer, saneamento básico, etc., embora timidamente e não de forma explícita. Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio - PCNEM (Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2000) e suas orientações complementares, as quais, não de caráter normativo, buscam implementar, de modo mais abrangente, uma orientação quanto à abordagem de temas (como a saúde) no cotidiano das escolas em uma perspectiva cidadã, mais próximo à realidade brasileira. Debruça-se aqui uma atenção aos desdobramentos dos PCNEM para o ensino das CN: os PCN+ Ensino Médio (Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2002) e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio – OCEM (Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2006). Ambas, em vigência e consideradas relevantes, trazem uma ambiciosa tentativa do Ministério da Educação em propor mudanças curriculares e metodológicas nas práticas educacionais presentes nas escolas (Ricardo e Zylbersztajn, 2007).

25 Lee mas

Formação de professores, linguagem cinematográfica e práticas educativas: experiências de produção de curtas-metragens no ensino de História

Formação de professores, linguagem cinematográfica e práticas educativas: experiências de produção de curtas-metragens no ensino de História

Publicações nacionais mais recentes também colaboram para pensar no emprego de filmes em sala de aula. Selva Fonseca (2009) defendeu o uso de obras cinematográficas nas aulas de História, desde que precedido de necessário preparo didático pelo docente. Waldemir Filho (2007) apontou a importância atribuída aos filmes por parte dos professores de História, pois, segundo eles, essas obras permitem profícua comunicação com os alunos, representam certa filosofia da educação e possibilitam a problematização do conhecimento histórico. Finalmente, há de se lembrar dos escritos de Marco Napolitano (2011), que frisam a significância de o professor possuir entendimento da “estrutura comunicativa e estética de um filme”, ou seja, o conhecimento que os sujeitos envolvidos na experiência audiovisual possuem de cinema e a clareza quanto às condições técnicas oferecidas pela escola. Partindo dessas contribuições, nosso objetivo central será o de interpretar as relações intrínsecas entre o cinema, a história e o ensino de História por meio da abordagem qualitativa, que tem priorizado as possibilidades (e os limites) da ressignificação dos processos formativos e dos saberes da docência em meio à acelerada produção e difusão audiovisual na sociedade contemporânea. É com base nessa abordagem – e de algumas experiências educativas decorrentes dela – que vamos tentar responder às questões feitas no tópico anterior, buscando aliar no diálogo entre o cinema, a história e o ensino preocupações epistemológicas e possibilidades pedagógicas.

28 Lee mas

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INVESTIGANDO A COMPREENSÃO DE PRÁTICAS EDUCATIVAS DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INVESTIGANDO A COMPREENSÃO DE PRÁTICAS EDUCATIVAS DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

Compreendendo a questão: Os docentes acreditam que nas práticas pedagógicas em Educação Ambiental a reciclagem de resíduos deve ser sempre o tema mais importante? Os entrevistados receberam a seguinte questão: Você acredita que nas práticas pedagógicas em Educação Ambiental a reciclagem de resíduos deve ser sempre o tema mais importante? Sim ou não? Por quê?

6 Lee mas

A cultura amazônica e sua aplicação nas práticas de educação em saúde e enfermagem

A cultura amazônica e sua aplicação nas práticas de educação em saúde e enfermagem

RESUMO Introdução: A ordem é viver mais, melhor com mais saúde. Apesar do aumento e acesso às informações, o usuário dos serviços de saúde continua ainda muito impotente na relação que estabelece com os profissionais da área. Objetivou-se relatar a experiência de enfermeiras em identificar como se dá aplicação da cultura amazônica nas práticas educativas com idosos da Unidade de Saúde da Família no Município de Benevides-PA e o conhecimento destas práticas na cultura amazônica. Materiais e Métodos: Trata-se de um relato de experiência, de natureza descritiva vivenciado pelas enfermeiras com um grupo de idosos em uma Unidade de Saúde da Família. Resultados: Os profissionais respeitam sua cultura amazônica através de conversas, oralidade dos mais antigos, espaços comunitários e religiosos para a transmissão dos saberes. Discussão e Conclusões: A Cultura amazônica e as práticas educativas estão presentes nas vidas dos idosos em seus ambientes familiares e comunitários, sendo levado em consideração pelos enfermeiros.

5 Lee mas

TítuloPráticas educativas: um estudo sobre educação ambiental nos parques urbanos e Jardim Botânico de Salvador, Bahia  Brasil

TítuloPráticas educativas: um estudo sobre educação ambiental nos parques urbanos e Jardim Botânico de Salvador, Bahia Brasil

Esses espaços de aprendizagem foram analisados levando-se em consideração as suas características urbanísticas, so- ciais e ambientais, uma vez que se pres- supõe que suas práticas educativas estão representadas por uma multiplicidade de dimensões no processo da educação am- biental no município de Salvador. Sabe- mos que as práticas educativas de incenti- vo a conservação, preservação e cuidado com os espaços verdes representam um

12 Lee mas

PROBLEMATIZANDO PRÁTICAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOB OS OLHARES MÚLTIPLOS E SÍNGULARES DAS CRIANÇAS

PROBLEMATIZANDO PRÁTICAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOB OS OLHARES MÚLTIPLOS E SÍNGULARES DAS CRIANÇAS

Ao passar dos anos em que trabalhei com a Educação Infantil, venho refletindo sobre os diferentes modos de viver a infância a partir das próprias crianças num contexto coletivo em que interagem entre si e com os adultos.Buscando romper com essa concepção, de um trabalho centrado no "eu educador", que sempre propõe e conduz projetos, atividades, brincadeiras, etc, procurei desenvolver meu trabalho pedagógico na Educação Infantil orientado pelo olhar das crianças na sua singularidade. Entendo que o processo ensino-aprendizagemacontece como elemento organizador do cotidiano a partir das indagações e curiosidades trazidas pelos (as) educandos (as). Com isso, foi possível problematizar as práticas de ensino com as múltiplas infâncias, sustentado por um planejamento que parte da organização de propostas, registros e documentações que refletem as histórias e leituras de mundo. Essas propostas estão inspiradas na filosofia de educação para a primeira infância de Reggio Emilia. Neste trabalho busco conhecer, significar, compreender e desenvolver a reflexão em torno da minha atuação pedagógica na educação infantil, partindo da pesquisa documental dos planejamentos e registros dos percursos de ensino-aprendizagem desenvolvidos no período de 2016 à 2017 quando trabalhei com crianças de duas turmas distintas com idades entre 4 e 5 anos. Logo, a metodologia está baseada na abordagem qualitativa, sendo o ambiente natural das experiências vividas com as crianças a fonte direta para a coleta e análise de dados.Aponto que é possível ver as crianças como sujeitos potentes, capazes se serem "donos" de suas próprias experiências, cabendo ao adulto professor tomar a posição de um mediador e observador, ou ainda, como um sujeito que analisa, discursa, mas não detém o controle de uma prática como um todo.

5 Lee mas

Práticas académicas e políticas sobre o aborto

Práticas académicas e políticas sobre o aborto

Porém, o que é progressista hoje pode ser conservador e reacionário ama- nhã. A terceira onda feminista, que emerge entre os anos 1980 e 1990, com destaque para o feminismo negro, o pós-estruturalismo e a teoria Queer, vem para combater o essencialismo. Mulheres negras, lésbicas, trans, empobreci- das, com deficiência e tantas outras bradam que a categoria “mulher” não será mais compreendida através da figura única da mulher branca, rica, cis, hétero e ocidental. Críticas do essencialismo, portanto, apontam para a impossibi- lidade de se definir um sujeito feminino hegemônico. As identidades (ou as posições de sujeito) são múltiplas e relacionais, ou seja, não são dadas a priori, mas surgem através de marcadores da diferença e nas relações de privilégio e opressão. O agente social, portanto, pode ser construído como um conjunto de “posições de sujeito”. Essas posições são constituídas dentro de uma estrutura essencialmente instável, já que são submetidas a práticas articulatórias que se transformam o tempo todo. Logo, não existe identidade social permanente, ainda que categorias como “mulher” e “negro” não possam ser desconsidera- das, como argumenta Anne Phillips (2007, p.15, apud MIGUEL & BIROLI, 2014, p.73), apontando que, apesar dos indivíduos não se definirem em rela- ção a grupos, não podem escapar da discriminação infligidas a eles.

206 Lee mas

Práticas culturais de professores universitários

Práticas culturais de professores universitários

O autor ressalta que as escolhas feitas refletem o estilo de vida do sujeito, por exemplo, as classes populares, por estarem mais próximas do plano da necessidade, logo tenderiam a priorizar a função prática das coisas. Já as elites, uma vez afastadas do plano da necessidade, tenderiam a exaltar a função estética e o estilo. Com efeito, os indivíduos não seriam autônomos e autoconscientes, mas sim orientados por uma estrutura incorporada, “um habitus”. As experiências vividas no ambiente familiar, pelas condições de existência e na forma como o sujeito foi inserido em um meio social, tudo isso refletiria em seu estilo de vida, nas suas preferências (gosto), nas suas práticas e objetivos. Neste sentido, o habitus torna-se o princípio que gera as ações do indivíduo, orientando práticas individuais e coletivas.

15 Lee mas

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRACIÓN DE REDES EDUCATIVAS - SIARED

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRACIÓN DE REDES EDUCATIVAS - SIARED

El sub módulo de Junta Directiva es la sección de SIARED donde se listan las juntas directivas con el nombre de las redes educativas que han sido ingresadas al sistema y que se encuentran actualmente activas a nivel nacional. Algunos usuarios solo podrán ver las juntas directivas que le competen.

121 Lee mas

Guía práctica para elaborar proyectos curriculares

Guía práctica para elaborar proyectos curriculares

Tercer Nivel: Los directores(as) de centros y Redes Educativas deben gestionar la programación de aula por parte de las y los docentes, para que el proceso enseñanza-aprendizaje se desarrolle según el DCNEB y el proyecto curricular. Existen buenas prácticas donde docentes del mismo grado o ciclo dentro del centro o de la Red Educativa, planifican de manera conjunta en una tarde las clases de la próxima semana, o una vez por mes o trimestre las clases del próximo periodo. Así se aprovecha del apoyo colegial, se realiza la planificación más eficientemente, y se asegura que cada docente sigue en la ruta acordada entre todos hacia la mejora de la calidad educativa. En los Centros de Educación Básica, particularmente en zonas rurales, existe un número limitado de docentes especializados para impartir las áreas previstas para Tercer Ciclo. Aquí es importante coordinar bien la asignación de áreas a impartir y para mejorar la calidad educativa se recomienda implementar metodologías innovadoras o la complementariedad con las modalidades alternativas.

82 Lee mas

ACUERDO EJECUTIVO No. 1358-SE-2014 EL PRESIDENTE CONSTITUCIONAL DE LA REPÚBLICA CONSIDERANDO: Que mediante Decreto No. 262-

ACUERDO EJECUTIVO No. 1358-SE-2014 EL PRESIDENTE CONSTITUCIONAL DE LA REPÚBLICA CONSIDERANDO: Que mediante Decreto No. 262-

Artículo 110. La asignación de recursos financieros para la educación por la fuente de la Hacienda Pública se determinará a partir de los resultados y programas establecidos en los planes y proyectos estratégicos institucionales y en los planes anuales de desarrollo, que incluyen estudios de costos por alumno y por sección en cada nivel y modalidad educativa. Artículo 111. Los ingresos propios que generan los centros educativos oficiales se destinan, preferentemente, a financiar proyectos de inversión específicos o a actividades de desarrollo educativo consideradas en el respectivo Proyecto Educativo de Centro. Estos recursos son independientes del monto presupuestal que se les asigne por la fuente de la Hacienda Pública para gastos corrientes y se informará regularmente sobre su ejecución, según la reglamentación correspondiente. Artículo 112. La eficiencia en el gasto en educación se mide, además del criterio de costo-beneficio, por el de atención a las necesidades del servicio educativo. La asignación, programación y ejecución de recursos financieros en todas las instancias del Sistema Nacional de Educación, independientemente de su fuente de financiamiento, se priorizan teniendo en cuenta estas necesidades. Los requerimientos de las instituciones educativas relacionados con la calidad del servicio educativo se atienden prioritariamente.

226 Lee mas

TRAJETÓRIAS DE FORMAÇÃO MUSICAL E PRÁTICAS MÚSICO EDUCATIVAS DE INTEGRANTES DO GRUPO CONFRARIA DO SAMBA

TRAJETÓRIAS DE FORMAÇÃO MUSICAL E PRÁTICAS MÚSICO EDUCATIVAS DE INTEGRANTES DO GRUPO CONFRARIA DO SAMBA

Esta comunicação apresenta indícios preliminares dos resultados de pesquisa realizada para o Trabalho de Conclusão do Curso de Música - Licenciatura da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). O estudo busca compreender as práticas músico-educativas de integrantes do grupo Confraria do Samba, na cidade de Bagé/RS. Como objetivos específicos, a investigação busca: analisar o que é ensinado/aprendido no grupo; desvelar quem ensina e quem aprende; revelar como as formações musicais dos integrantes contribuem para o processo de ensino e aprendizagem no/do grupo; evidenciar as motivações que levam ao desenvolvimento dessa prática musical. Traz como técnica para produção de dados, as observações em campo, entrevistas com integrantes do grupo e diários. A investigação poderá contribuir para a compreensão de como ocorrem os processos de aprendizagem musical nos diferentes espaços músico-educativos.

5 Lee mas

COMPENDIO DE LEYES DEL SECTOR EDUCACIÓN DE HONDURAS

COMPENDIO DE LEYES DEL SECTOR EDUCACIÓN DE HONDURAS

Artículo 110. La asignación de recursos financieros para la educación por la fuente de la Hacienda Pública se determinará a partir de los resultados y programas establecidos en los planes y proyectos estratégicos institucionales y en los planes anuales de desarrollo, que incluyen estudios de costos por alumno y por sección en cada nivel y modalidad educativa. Artículo 111. Los ingresos propios que generan los centros educativos oficiales se destinan, preferentemente, a financiar proyectos de inversión específicos o a actividades de desarrollo educativo consideradas en el respectivo Proyecto Educativo de Centro. Estos recursos son independientes del monto presupuestal que se les asigne por la fuente de la Hacienda Pública para gastos corrientes y se informará regularmente sobre su ejecución, según la reglamentación correspondiente. Artículo 112. La eficiencia en el gasto en educación se mide, además del criterio de costo-beneficio, por el de atención a las necesidades del servicio educativo. La asignación, programación y ejecución de recursos financieros en todas las instancias del Sistema Nacional de Educación, independientemente de su fuente de financiamiento, se priorizan teniendo en cuenta estas necesidades. Los requerimientos de las instituciones educativas relacionados con la calidad del servicio educativo se atienden prioritariamente.

300 Lee mas

Show all 5990 documents...