PDF superior O estágio em Serviço Social em assentamentos de reforma agrária do MST

O estágio em Serviço Social em assentamentos de reforma agrária do MST

O estágio em Serviço Social em assentamentos de reforma agrária do MST

Não nos considerávamos amantes da pobreza, nem percebíamos o sofrimento humano e a injustiça social como algo inatingível, ao contrário denunciávamos a imposição dos valores do capitalismo no viver campesino, reconhecendo a potência e a resistência das famílias a partir da ruptura da lógica de servidão impostas pela sociedade capitalista. Tentávamos instigar a potência existente nas manifestações das famílias assentadas evidenciando os saberes clandestinos que deflagravam a capacidade desejante de romper com o disciplinamento criado pelas normas e pelos valores morais de sociabilidade. Assim, a escolha ético- político-profissional, destas práticas em Serviço Social, foi feita por uma estética da existência que se abre para a criação de um corpo-nômade que reinventa a vida para torná-la possível, pois propõe um exercício de desconstrução dos conceitos e dos discursos de verdade sobre as famílias assentadas. Na condição de desempregado há um sem terra que busca construir uma outra vida quando se torna assentado e, consequentemente, aprende a cada dia construir linhas de convivência em grupo possíveis de serem modificadas.
Mostrar más

16 Lee mas

ANÁLISE DE TRÊS ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA DE SÃO GABRIEL RS: OS LIMITES DA SUSTENTABILIDADE

ANÁLISE DE TRÊS ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA DE SÃO GABRIEL RS: OS LIMITES DA SUSTENTABILIDADE

O bioma pampa, que forma toda a denominada Metade Sul do RS (MS), é considerado hoje um dos ecossistemas mais frágeis sob os três aspectos da sustentabilidade, pois segundo para muitos autores (CRUZ e GUADAGNIN, 2010; SUERTEGARAY, 2003; ZARTH, P. A.; GERHARDT, M., 2009; ROCHA, 2011) houve perdas significativas dos seus recursos a partir da segunda metade do século XX, quando se intensificou a produção de grãos, especialmente arroz e soja nesta região; em termos de desenvolvimento econômico possui os menores índices de renda e produtividade comparando-a a região norte do estado, o que também resulta a uma perda demográfica crescente. Em função desses fatores a partir da década de 1990 houve uma política pública de assentamentos de pequenos agricultores na região, que tinha a perspectiva de proporcionar novas alternativas econômicas e sociais para a MS. Em São Gabriel houve oito projetos de assentamento (PA) que trouxeram novos atores sociais para o município. Nesse sentido o objetivo deste trabalho é a partir da análise dos dados de três destes assentamentos, analisar como esta política governamental viabilizou a sustentabilidade. Partindo da concepção que a partir das últimas décadas do século XX as políticas deveriam contemplar o triple bottom little, ou seja, se economicamente viável, preservar os recursos naturais e promover a justiça social (ROCHA, 2011).
Mostrar más

7 Lee mas

Os movimentos sociais do campo e a Reforma Agrária do Consenso

Os movimentos sociais do campo e a Reforma Agrária do Consenso

De acordo com as dirigentes entrevistadas, não tem como demarcar qual ocupação que marcou o surgimento do FTL. De acordo com os dirigentes, as discussões para a criação do mesmo tiveram início em 2010, quando lideranças da militância da Reforma Agrária buscavam alternativas sustentáveis dialogando com várias lideranças no Estado da Bahia, tendo na pauta a proteção ao meio ambiente e a preservação da agroecológica, acesso à terra e culturas tradicionais. Porém, surgiram conflitos na Fazenda Candeal, no município de Itapebi, e, nesse momento de enfrentamento, se intensificaram o diálogo com vários territórios na Bahia devido à necessidade de unificação em torno de uma bandeira. A formalização do Movimento aconteceu em 2011, sendo que o primeiro encontro estadual foi realizado em Salvador, no ano de 2013. e) Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) – Surgido no Brasil na década de 1980 se destaca como movimento social do campo brasileiro que tem como bandeira de luta a reforma agrária e a transformação da sociedade. Segundo Fernandes (2000, p. 87), o MST é autônomo porque suas definições não estão subordinadas a outros movimentos ou instituições como partidos, sindicatos, igrejas e outros, e é heterônomo, porque na sua luta pela reforma agrária envolve essas instituições. Todos participam apoiando a luta, entretanto, quem a faz de fato acontecer são os trabalhadores, quando se mudam para a terra com a ocupação em fase de acampamento 4 e depois, assentamento 5 .
Mostrar más

21 Lee mas

As iniciativas e experiências em agroecologia como estratégia de desenvolvimento local em um assentamento de reforma agrária

As iniciativas e experiências em agroecologia como estratégia de desenvolvimento local em um assentamento de reforma agrária

Assim os agentes sociais que estão engajados em um campo têm um certo número de interesses em comum, em suma , tudo aquilo que vincula-se a própria existência do campo. Daí a cumplicidade objetiva subjacente a todos os antagonismos (Bourdieu, 1983). A luta em meio ao campo social pressupõe um acordo entre os antagonistas, como a base social do MST, os latifundiários, o Estado, por exemplo, sobre o que merece ser disputado, no caso a sobrevivência, fato escondido por trás da aparência de algo dado como óbvio, que poderia ser o embate político estimulado pelo MST contra o cultivo da soja transgênica. De certa maneira os agentes sociais que participam da luta contribuem para a reprodução do jogo, como por exemplo, o progressivo aumento da produção de soja nos assentamentos coordenados politicamente pelo MST, contribuindo para produzir uma crença paradoxal no valor do que está sendo disputado, no caso seria a questão da sobrevivência, não a da agroecologia.
Mostrar más

19 Lee mas

Agricultura, questao agrária e reforma agrária no Brasil do século XX

Agricultura, questao agrária e reforma agrária no Brasil do século XX

Já no tocante à ausência de uma política de efetiva reforma agrária por parte do Estado, vale resgatar algumas questões. A mais relevante talvez consista no fato do governo federal desenvolver uma política de assentamentos apenas enquanto resposta ao processo de organização dos vários movimentos sociais em luta pela terra. Em verdade, aquilo que a fala e as práticas governamentais denominam de “reforma agrária” não passa de uma regularização de posses previamente existentes, mas que é veiculada a peso de ouro pela mídia, enquanto forma de envolver os mais incautos nas tramas do discurso “pró-social” das agências estatais que, ao mesmo tempo, “demonizam” os movimentos sociais rurais, sobretudo o MST. De uma forma ou de outra, é fundamental insistir sobre o fato de que foi da luta dos agentes envolvidos na conquista da terra que emergiu a política estatal de implantação de assentamentos rurais, não se tratando, em absoluto, de uma iniciativa autônoma ou “benemérita” por parte do Estado. Entretanto, como insistem alguns autores, é preciso não confundir reforma agrária com política de assentamentos rurais enquanto instrumento de redução de conflitos localizados. Isto porque, em nome desta “reforma agrária”, o governo tornou-se um grande comprador de terras particulares, a preços inflacionados, não com vistas ao estabelecimento dos assentamentos, mas sim à consolidação de sua histórica aliança com os grandes proprietários (52):
Mostrar más

27 Lee mas

REFORMA AGRÁRIA PRODUÇÃO AGRÍCOLA: CASO DOS ASSENTAMENTOS NO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS   RS

REFORMA AGRÁRIA PRODUÇÃO AGRÍCOLA: CASO DOS ASSENTAMENTOS NO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS RS

Mattei (2015) afirma que não se pode ignorar o papel relevante dos agricultores familiares na produção de alimentos básicos que compõem a mesa da população brasileira, além da dinâmica que esse setor possibilita para agropecuária, sobre tudo para as economias locais. Assim, a agricultura familiar representa um setor que ocupa lugar de destaque na produção agropecuária pela sua capacidade de produzir e movimentar a economia nos âmbitos local e nacional. Embora a produção dos assentamentos seja fundamental para abastecer o mercado de alimentos, a sobrevivência dos assentados como agricultor e seu lugar na terra sempre foi um problema político gerador de conflitos, assim, os termos agricultura familiar e agronegócio são conceitos frequentemente geradores de discussões, principalmente pelo fato de que quando trata-se do processo de reforma agrária, esta se tratando de distribuição da propriedade da terra. Assim, o objetivo não é alimentar essa dicotomia, mas analisar importância dos assentamentos da reforma agrária, com destaque para a contribuição na economia dos municípios. Para fins analíticos, será utilizado como estudo o município de Júlio de Castilhos RS.
Mostrar más

8 Lee mas

Os sistemas de proteçăo social em Portugal e no Brasil: uma agenda para o Serviço Social

Os sistemas de proteçăo social em Portugal e no Brasil: uma agenda para o Serviço Social

Acerca aos direitos sociais voltados à insuficiência de meios de subsistência, apesar da universalidade ser preceito da proteção social, quer no Brasil, quer em Portugal, ao aprofundarmos a análise das legislações específicas, constata-se que a “diferenciação positiva” constitui um princípio comum aos dois países. Ambas as leis determinam situações em que é necessário “diferenciar positivamente” determinados indivíduos ou grupos a fim de “proteger” e, de certa forma, garantir a sustentabilidade dos sistemas. Para Portugal, “consiste na flexibilização e modulação das prestações em função dos rendimentos, das eventualidades sociais, nomeadamente, de natureza familiar, social, laboral e demográfica” (Lei nº 83-A/2013, Art 10º). Tem efeitos, em especial, nos subsistemas de proteção familiar e de solidariedade, de atribuição das prestações por encargos familiares, do subsídio social de desemprego, dos subsídios sociais no âmbito da parentalidade, e do rendimento social de inserção. Desta forma, as prestações pecuniárias são estabelecidas tendo em conta os rendimentos, a composição e a dimensão do agregado familiar do beneficiário.
Mostrar más

22 Lee mas

Desafios à pesquisa no Serviço Social: da formação acadêmica à prática profissional

Desafios à pesquisa no Serviço Social: da formação acadêmica à prática profissional

Dessa forma, não se pode considerar as relações entre capital e trabalho como fator único, determinante, das condições objetivas para a construção do conhe- cimento nesta área. Não resta dúvida que elas são importantes, mas outros fatores permeiam as defini- ções que põem o profissional em movimento e dão qualidade ao exercício profissional. Por esta razão, torna-se inaceitável, nos dias atuais, principalmente partindo de profissionais, há pouco tempo graduados e até pós-graduados (lato sensu), a defesa do discurso que prega ser o Serviço Social uma profissão eminen- temente prática. Esse caráter constituiu a sua gênese no Brasil, por volta de 1936; foi fortemente cravado para compor o perfil do tipo de profissional que o sis- tema político brasileiro necessitava para dar ‘respos- ta’ à questão social, ou, melhor dizendo, às suas múlti- plas expressões decorrentes: das desigualdades soci- ais, das injustiças sociais e da expropriação do homem, dos seus bens de produção.
Mostrar más

9 Lee mas

REFLEXÕES SOBRE TRÁFICO DE AFRICANOS, DOENÇAS E RELAÇÕES RACIAIS

REFLEXÕES SOBRE TRÁFICO DE AFRICANOS, DOENÇAS E RELAÇÕES RACIAIS

a origem de muitos dos males que acometiam os brasileiros. Em `mha0 ^*,6 U$#+)&,)* '# O&4/# V&3#0 &+‡2(+%( 36'&)* 52( (+%=* 3&4&%#/# +* N*,"&%#4 '( W#$&'#'( '( O#4/#'*$0 #)$('&%#/# ter descoberto uma nova doença: o ainhum0 /*).724* +#1;0 52( (4( ,*27( "(4# 7*)# '( p#412+, "$(%*, 3#&, &+%(4&1(+%(,q 52($($ dizer serrar? @ #&+G23 #%#)#/# *, '('*, 39+&3*, '*, "6, 52(0 )*3 # '(1(+($#<=* "$*/*)#'# "(4# 3*46,%&#0 #)#7#/#3 ,(+'* p(,%$#+124#'*,q ( )#9#30 )*3* 52( serrados? !%6 *+'( V&3# ,#7&#0 #, )#2,#, ($#3 '(,)*+G()&'#, ( "$*/#/(43(+%( ,( '(/&#3 p# #4123# "()24&#$&'#'( *$1r+&)# '# $#<# (%&R"&)#q0 $#$#3(+%( atingindo os mestiços. A conclusão a que este médico chegara ($# 52( # (+-($3&'#'( *)*$$&# "*$ '(C)&8+)&# +2%$&)&*+#4? 20 No ano
Mostrar más

20 Lee mas

Formadores de professores: focalizando o trabalho docente e a formação continuada no Brasil e na Argentina

Formadores de professores: focalizando o trabalho docente e a formação continuada no Brasil e na Argentina

Os países da América Latina sofreram pressões dos organismos mundiais que têm priorizado a formação dos professores em serviço. No Brasil a regulamentação apresenta desdobramentos em relação aos níveis de escolaridade, sendo um deles o superior que inclui propostas relativas ao uso das novas tecnologias de informação e comunicação (TIC), incluindo a formação continuada de professores em exercício como uma necessidade, dado o número de professores com formação insuficiente. Na Argentina, os estudos apresentaram um discurso de renovar uma legislação com mais de cem anos que impulsionou um processo de transformação educativa expressando as mudanças tanto em relação às políticas específicas quanto nas escolas e no ensino superior; esse processo desencadeou conflitos e novas concepções. Nesse cenário, este estudo tem interesse na detecção e análise de aspectos relacionados aos modelos de formação continuada de professores em serviço na América Latina, focalizando principalmente Brasil e Argentina no que tange o trabalho docente. Busca verificar as práticas em diferentes modalidades de cursos e os desdobramentos no âmbito da gestão organizacional, explorando a atuação docente, metodologias e materiais utilizados, procurando destacar a autonomia em relação à diversidade de propostas. A pesquisa é de natureza qualitativa com procedimentos de análises de documentos, entrevistas e observações, incluindo visitas a algumas províncias argentinas. Os resultados, no limite, levam a pensar em reconfigurações na produção do campo científico-educacional problematizando alterações que vigoram na medida em que se alteram profundamente, na atualidade, várias facetas do trabalho docente, posto que o cenário é alterado, as circunstâncias da relação pedagógica podem ser variadas, as regras, os saberes e as formas de adquiri-los podem ser diversificados nos modelos vigentes.
Mostrar más

16 Lee mas

RESVERATROL ATENUA DANOS OXIDATIVOS GERADOS PELO FERRO EM CAENORHABDITIS ELEGANS

RESVERATROL ATENUA DANOS OXIDATIVOS GERADOS PELO FERRO EM CAENORHABDITIS ELEGANS

Atualmente, estudos tem demonstrado a ação do resveratrol sobre o SNC, promovendo efeito neuroprotetor frente a alguns agentes como podemos citar um estudo de Gonthier et al., (2012), na qual utilizam uma cultura celular de astrócitos para investigar um possível papel do resveratrol frente à neurotoxicidade causada pela administração de etanol. Foi observado um efeito neuroprotetor do resveratrol quando pré-administrado em baixas concentrações. O ferro em acúmulo no organismo também é o responsável por gerar espécies reativas, devido sua alta capacidade redox ele reage com o peróxido de hidrogênio, através da reação de fenton, originando radicais altamente reativos e tóxicos contra as células. Neste sentido, estudos apontam que a alteração na homeostase do ferro estaria envolvida no desenvolvimento de doenças neurodegenerativas (FARINA et al., 2013).
Mostrar más

7 Lee mas

GOVERNANÇA EM ASSENTAMENTOS RURAIS DE SANTA CATARINA - BRASIL

GOVERNANÇA EM ASSENTAMENTOS RURAIS DE SANTA CATARINA - BRASIL

Têm potencialidades em termos de abertura de espaços de democracia participativa mas têm também deficiências que resultam das diferentes capacidades dos atores sociais para essa participação e das seletividades que os seus mecanismos incorporam. Tratando-se de espaços que funcionam na interseção das diferentes racionalidades dos diferentes atores, os seus mecanismos de democracia e prestação de contas são mais indefinidos e variáveis, dependendo das relações de poder e das negociações existentes dentro desses espaços.

11 Lee mas

Incubação em Assentamento de Reforma Agrária: límites e avanços no Assentamento Paulo de Faria (Prata-MG)

Incubação em Assentamento de Reforma Agrária: límites e avanços no Assentamento Paulo de Faria (Prata-MG)

Segundo Nascimento (1998) o setor de alimentos, se devidamente apoiado com tecnologia, gerenciamento e marketing, po- derá ser ocupado pelos pequenos produtores, utilizando-se para isso nichos específicos de mercado. Ele cita o nicho dos pro- dutos artesanais, mas ainda existem os orgânicos, os mercados de vizinhança, entre outros, que devem ser estudados com a mesma atenção. No entanto, vale salientar a observação de Nascimento (1998): esses produtos devem apresentar aspectos de padrão, de embalagem, de sanidade e detalhes de marketing reconhecidos pelos clientes nos produtos do mercado tradicional. Assim, corroborando a ideia de Leite et al. (2004), o acesso à propriedade da terra e o aporte de mão-de-obra familiar para o trabalho no lote são elementos necessários, mas não suficientes para dar plenas condições de produção à população assenta- da. Assistência técnica, crédito e financiamento são essenciais para dar condições produtivas aos agricultores. Por isso a im- portância das incubadoras universitárias. Sob o marco da Economia Solidária, e compartilhando ferramentas de gestão apro- priadas à realidade dos assentados da reforma agrária, pode-se auxiliar os trabalhadores-empreendedores para que os mesmo se tornem produtores de valor agregado, ao mesmo tempo em que se busca superar o paradigma da produção capitalista. Ex- periências nesse âmbito já vêm acontecendo de forma isolada. Se devidamente massificadas, podem gerar mais e melhor trabalho e renda para o agricultor, revertendo o êxodo de jovens para a cidade e gerar trabalho para as mulheres.
Mostrar más

9 Lee mas

O PERFIL SOCIOECONÔMICO DAS (OS) ESTUDANTES

O PERFIL SOCIOECONÔMICO DAS (OS) ESTUDANTES

Existe no Brasil, conforme Ristoff (2014), um perfil de estudante de graduação GH ³HOLWH´ XPD PLQRULD TXH FXUVD R HQVLQR médio e a graduação em idade apropriada, associada às condições socioeconômicas dos estudantes e de sua família. Essa discrepância denota a desigualdade social no Brasil, porém Oliveira (2009) aponta que a partir de 2003, no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, são desenvolvidos e melhorados programas de fortalecimento da universalização da educação superior, como o Programa Universidade Para Todos (ProUni), o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES), e o já citado REUNI.
Mostrar más

7 Lee mas

Estágio Curricular em Saúde e em Psicologia: Análise de Documentos de Domínio Público

Estágio Curricular em Saúde e em Psicologia: Análise de Documentos de Domínio Público

O estágio supervisionado das DCN da Psicologia (Resolução n. 5 de 2011) é uma das formas de exercitar a prática ao longo do curso. Para tanto, é dividido em dois ní- veis: básico e específico, visando integrar os núcleos comum e específico dos currícu- los. Além disso, nas diretrizes, estágios são definidos como “conjuntos de atividades de formação, programados e diretamente supervisionados por membros do corpo docente da instituição formadora”. Sua função é “assegurar a consolidação e a articulação das competências estabelecidas” bem como “o contato do formando com situações, contex- tos e instituições, permitindo que conhecimentos, habilidades e atitudes se concreti- zem em ações profissionais”. Essa definição e objetivos refletem as discussões engen- dradas pela Lei n. 9.394 de 1996, que consistiram em questões como: tentativa de me- lhor conceituação e distribuição da prática profissional e de atividades complementa- res nos currículos; busca de aproximação no contexto da formação acadêmica entre o âmbito teórico e o prático (Marran & Lima, 2011). Os sentidos tecnicistas prevalecem, entretanto, repertórios formativos também irão compor tais documentos.
Mostrar más

22 Lee mas

Imaginação, criatividade e liberdade: pensar a ética relacional em serviço social

Imaginação, criatividade e liberdade: pensar a ética relacional em serviço social

2006b: 146) o que, segundo Deleuze, só é possível através da arte de interpretação divinatória, adivinhação é então o terceiro principio e também aquele que edifica a moral através do estabelecimento de relações entre o acontecimento que ainda não aconteceu – acontecimento puro – e a expressão de ideias que nos são dadas através da profundidade dos corpos, as acções e paixões corporais de onde esse mesmo acontecimento resulta. O quarto princípio implica arquitectar os exemplos específicos que o problema moral acalenta para que os mesmos possam: i) ser delineados juntos e, ii) suas conexões sublinhadas, visando a construção de uma resposta criativamente activa. Por sua vez, o penúltimo princípio descreve a necessidade de representação na adivinhação e no querer do acontecimento presente, porquanto um problema moral requer tanto uma representação do seu acontecimento singular como a expressão individual os acontecimentos, sendo efeitos incorporais, diferem em natureza das causas corporais de que eles resultam; que eles têm leis diferentes das que as regem e são determinados somente pela sua relação com a quase-causa incorporal. Finalmente, o sexto e último princípio, diz-nos que o acontecimento ao qual respeita o problema moral deve ser expresso em termos do seu significado eterno e também representado no seu presente que está a acontecer e ligados à possibilidade de uma nova ética.
Mostrar más

17 Lee mas

CORRELAÇÕES DE PEARSON ENTRE CARACTERÍSTICAS DA CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRARIA

CORRELAÇÕES DE PEARSON ENTRE CARACTERÍSTICAS DA CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRARIA

bezerras confirmada pela correlação positiva (CAFB-0,444**) pode contribuir significativamente para o bom desenvolvimento das mesmas. Da mesma forma o local de fornecimento de água e de alimentação para as bezerras tiveram correlação positiva com as condições da água fornecida, indicando a capacidade de os produtores adotarem um pacote tecnológico, mesmo que de baixo nível de tecnificação, mas que proporcione bons resultados a baixo custo no desenvolvimento das bezerras em suas propriedades. Sendo o fornecimento de água de fundamental importância para o desenvolvimento ruminal das bezerras, a flora ruminal responsável por seu desenvolvimento através da fermentação do concentrado e forragens é dependente de água para sobreviver (Campos and Lizieire, 2000).
Mostrar más

6 Lee mas

A ARTE DE EDUCAR BRINCANDO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NOS ANOS INICIAIS

A ARTE DE EDUCAR BRINCANDO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NOS ANOS INICIAIS

A turma iniciou com grande empolgação porque haveria aulas de Educação Física antes do primeiro de Educação Física propriamente dita, visto que esta turma começaria às práticas de EF no ano seguinte. Os/as alunos/as depararam-se com atividades recreativas e lúdicas quando haviam cogitado que jogarem futebol nas aulas. Foi necessário muito diálogo com a turma explicando os objetivos das aulas ate para haver uma melhor aceitação e gosto pelas atividades propostas. Culturalmente a Educação Física escolar é muito esportivizada ocorrendo um estranhamento, mas com aceitação de outras atividades levadas para a escola.
Mostrar más

6 Lee mas

PERFIL DA CRIAÇÃO DE BEZERRAS NOS ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA DE SANTANA DO LIVRAMENTO

PERFIL DA CRIAÇÃO DE BEZERRAS NOS ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA DE SANTANA DO LIVRAMENTO

BITTAR, C. M. M., SILVA, F. L. M., PAULA, M. R. d., SILVA, J. T., GALLO, M. P. C., OLTRAMARI, C. E., NAPOLES, G. G. O. and SOARES, M. C. Desempenho e parâmetros sanguíneos de bezerros em sistema de desaleitamento precoce suplementados com probiótico de bactérias ruminais. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, v. 17, n. p. 249-261, 2016. BODENMÜLLER FILHO, A., DAMASCENO, J. C., PREVIDELLI, I. T. S., SANTANA, R. G., DE OLIVEIRA RAMOS, C. E. C. and TADEU, G. Tipologia de sistemas de produção baseada nas características do leite. R. Bras. Zootec, v. 39, n. 8, p. 1832-1839, 2010.
Mostrar más

7 Lee mas

OS CONFLITOS DO USO DA ÁGUA EM UM ASSENTAMENTO DA REFORMA AGRÁRIA

OS CONFLITOS DO USO DA ÁGUA EM UM ASSENTAMENTO DA REFORMA AGRÁRIA

O Quadro 1 apresenta os resultados das análises químicas efetuadas para avaliação da qualidade da água. Nota-se que COT, DBO e Cond. apresentam grande porcentagem de pontos fora dos limites aceitáveis (Figuras 4). COT e DBO podem estar relacionados às más condições de saneamento rural ou a contaminação em zonas de recarga. Os resultados de Cond. podem estar relacionados à captação irregular de água por poços tubulares. A presença de Cond, SUR, COT e NO 3 fora dos limites aceitáveis, nos poços, indica a contaminação dos

6 Lee mas

Show all 10000 documents...