PDF superior Presença árabe na América do Sul

Presença árabe na América do Sul

Presença árabe na América do Sul

outros condimentos. Recebemos tudo isso indiretamente, pela obra colonizadora de portugueses e de espanhóis. Como reiteradamente salientou Gilberto Freyre, em sua obra maior: “o ponto a destacar é a presença, não esporádica, porém farta, de descendentes de moçárabes, de representantes da plebe enérgica e criadora, entre os povoadores e primeiros colonizadores do Brasil. Através desse elemento moçárabe, é que tantos traços de cultura moura e mourisca se transmitiram ao Brasil. Traços de cultura moral e material” (Freyre, 1969, p. 286-320), que se mostraram decisivos, em uma ampla variedade de aspectos (Freyre contrasta – entre muitos outros exemplos – “a higiene verdadeiramente felina dos maometanos com a imundície dos cristãos”), no tipo de colonização agrária e escravocrata que aqui se empreendeu. Na música, o alaúde de origem árabe teve vasta descendência americana, procriando em verdadeiras famílias de instrumentos: o quatro, cinco, seis e o oitavo venezuelano, a bandola na Colômbia, Venezuela e Cuba, o três e o requinto caribenho, o bandolim e o cavaquinho brasileiro, a charanga do altiplano andino e o banjo dos negros norte- americanos. Isso sem falar na gaita árabe, possível antecessora da gaita ibérica, e do adufe, precursor do pandeiro.
Mostrar más

8 Lee mas

Quando a imigração se transforma em colonização: algumas leituras sobre a presença italiana no sul do Brasil

Quando a imigração se transforma em colonização: algumas leituras sobre a presença italiana no sul do Brasil

A situação italiana de derrota bélica em Adua, em 1896, e as difíceis condições econômicas para a implementação de uma sólida política colonial em direção à África, como faziam França e Inglaterra, constituiu-se em um elemento forte para o desenvolvimento de uma teoria alternativa sobre um colonialismo espontâneo. Além disso, e em direta relação, a necessidade da emigração como válvula de escape, mas também como recurso, na medida em que maciçamente italianos se instalavam em terras sul-americanas, impelia a uma nova política exterior que englobasse esses novos sujeitos no fluxo internacional de capitais e mercadorias. Justificar a emigração e a derrota africana constituem-se em dois elementos chave para compreender o projeto que vai sendo construído na Península Itália em relação a uma colonização espontânea. Quando da conquista da Líbia, em 1911, a política colonial não vai poder prescindir também deste já vasto contingente de expatriados, numericamente representativos na América do Sul e que podem ser fundamentais para a indústria peninsular. Mesmo no fascismo, que busca controlar o fluxo emigratório, o debate sobre qual colonização enfatizar não vai – embora aumentando a ação na África – retirar o olhar do mundo sul- americano, como pode ser observado na política exterior do regime e no álbum de comemoração apresentado. O conceito de colonização permanecesse impreciso, e declinado em duas dinâmicas – conquista e ocupação pacífica – porque é funcional à política itálica e garante um menor atrito com as políticas dos Estados sul-americanos que, por sua vez, são desejosos desta mão de obra, por eles vista como imigrante.
Mostrar más

24 Lee mas

A presença e as potencialidades da Agricultura Familiar na América Latina e no Caribe

A presença e as potencialidades da Agricultura Familiar na América Latina e no Caribe

Por fim, há também razões de ordem social e cultural que não podem ser menosprezadas e nem esquecidas, pois as relações sociais de interconhecimento entre os produtores e compradores são importante característica dos mercados locais, que ajuda a reduzir a insegurança e os custos de transação, que se reflete em custos e preços finais relativos mais baixos. Do ponto de vista cultural, a produção de alimentos segundo as tradições e a dieta alimentar do local é um importante elemento de identidade e de coesão social de comunidades rurais, que não raro também passa a ser um atrativo não tangível do próprio meio rural, por meio do turismo rural. Nesse sentido, a agricultura familiar possui papel importante no fortalecimento das relações entre produtores e consumidores locais de alimentos que pode fortalecer não apenas o acesso aos alimentos, mas ativar uma série de outros elementos que acabam por ser centrais na reprodução das unidades familiares no meio rural.
Mostrar más

33 Lee mas

O lugar da América do sul na política externa brasileira nos governos Lula e Dilma Rousseff

O lugar da América do sul na política externa brasileira nos governos Lula e Dilma Rousseff

Talita Martinelli1 Resumo: O presente artigo refere-se à apresentação dos resultados finais de pesquisa a respeito da política exterior do Brasil para a região sul americana no período de 2003 a 2012, ao considerar os governos Lula e início do governo Dilma Rousseff. Entre os objetivos propostos, a investigação buscou analisar a transição da política externa brasileira entre esses governos, pautado pelas noções de continuidade e ruptura; principalmente quanto a nossa atuação na região latino-americana, tendo como prioridade compreender quais as justificativas para aprofundar as relações com a América do Sul, em detrimento da América Latina. Ao constatar a permanência do Mercosul enquanto tema prioritário na agenda externa brasileira, consideramos que esse não seja o único elemento que explique as mudanças em andamento, portanto, busca-se avançar na compreensão das diretrizes definidas para a inserção internacional do Brasil no subcontinente latino-americano.
Mostrar más

9 Lee mas

Desenvolvimento e políticas culturais de base comunitária na América do Sul : estudo comparado Brasil-Argentina

Desenvolvimento e políticas culturais de base comunitária na América do Sul : estudo comparado Brasil-Argentina

No Brasil, a partir de 2003, surge uma gama de políticas e programas culturais que privilegiam o acesso à cultura e aos meios de produção cultural como um dos elementos norteadores da política nacional de cultura. Além disso, o Ministério da Cultura (MinC) passa a defender que o Estado tem grande papel de promover meios e equipamentos para universalizar a todos os brasileiros o acesso a uma cidadania plena, sendo ao mesmo tempo gestor da política cultural do País e ator garantidor de direitos culturais. Um dos programas mais emblemáticos desse esforço é o Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania (Programa Cultura Viva), que congrega a rede nacional de Pontos de Cultura. Criado em 2004, o programa consolida-se como Política Nacional de Cultura Viva, instituída pela Lei nº 13.018 de julho de 2014 – a “Lei Cultura Viva”. (BRASIL 2005; 2006; 2010a; 2010b; 2015 ). Na Argentina, também a partir de 2003, a política cultural passa a fazer parte de um projeto político nacional “amplo, democrático e inclusivo” de recuperação dos diretos sociais e culturais, onde as organizações sociais de base popular e comunitária têm papel fundamental. Nesse sentido, a então Secretaria de Cultura da Nação Argentina cria em 2011 o programa “Puntos de Cultura”, no âmbito de sua Subsecretaria de Políticas Socioculturais. (ARGENTINA, 2012)
Mostrar más

152 Lee mas

Povos ancestrais, América do Sul e Caribe: epistemologias e poéticas visuais na formação de engenheiros

Povos ancestrais, América do Sul e Caribe: epistemologias e poéticas visuais na formação de engenheiros

Do processo de especialização da industrialização do século XX, observa-se um legado de disjunção e desarticulação dos saberes, deixado pelas circunstâncias do positivismo, que fragilizou a formação de engenheiros, levando-os a excluírem a sensibilidade, a reflexão estética e a diversidade epistemológica de sua formação, criando uma intelectualidade colonizada e fechada. Atenta a essa circunstância, desenvolvi esse esforço teórico-metodológico holonômico, portanto, integrador. Em decorrência da discussão que me propus para esse debate, sobre o fato dos currículos de nosso país jamais terem considerado a necessidade da população não indígena conhecer e aprender sobre epistemologias e estéticas de povos ancestrais dessa região ao sul do globo, pergunto: se tivessem construído esse conhecimento ao longo de sua vida profissional, os docentes, os alunos e engenheiros profissionais teriam aceitado passivamente a satisfação grosseira com que são destruídas aldeias, plantas, animais, prostituídas mulheres, crianças e subjugados líderes nativos, pelo impacto de obras de engenharia no interior do Brasil?
Mostrar más

19 Lee mas

A preeminência na América do Sul como fundamento da política externa brasileira entre 1945 e 1964.

A preeminência na América do Sul como fundamento da política externa brasileira entre 1945 e 1964.

A debilidade de Frondizi manifestava-se na contínua empreitada de alguns mili- tares, à revelia do presidente argentino, contra o governo paraguaio. Esses militares continuavam a apoiar guerrilhas contrárias ao ditador paraguaio, sob o pretexto de afastar a ameaça do peronismo do entorno regional. Em verdade, os militares ar- gentinos estavam descontentes com a aproximação de Stroessner com o Brasil, e a ameaça de perda do espaço econômico paraguaio, dependente do porto de Buenos Aires para o escoamento de sua produção. Da mesma forma, militares argentinos já haviam incentivado grupos armados de direita na Bolívia, onde a perspectiva de aumento da presença econômica brasileira se evidenciava com a construção da fer- rovia entre Santa Cruz de la Sierra e Corumbá e os acordos de Roboré. Em contra- partida, o Brasil sustentava o governo Stroessner, devido a interesses econômicos, em meio a pressões de setores liberais e de esquerda paraguaia contra a ditadura (Moniz Bandeira, 2010: 179-197).
Mostrar más

24 Lee mas

Tradução e globalização da ficção: o exemplo de Alexandre Dumas Pai na América do Sul

Tradução e globalização da ficção: o exemplo de Alexandre Dumas Pai na América do Sul

Traduzido na maior parte das línguas do planeta, mas mais massivamente em espanhol, Alejandro Dumas ilustra os processos de globalização da tradução em curso no século XIX. Não se trata mais, com efeito, como no nascimento das grandes revistas políticas e culturais do tipo da Edinburgh Review ou de sua grande rival, a Quarterly Review, de crítica erudita e de estudo comparado dos autores mais renomados. 41 Trata-se, antes, do que chamamos tradução, quer ela seja completa ou fragmentada, respeitadora ou não das intenções do autor, e de sua expansão no universo graças à difusão da imprensa e dos livros destinados ao grande público. Nesse sentido, um obstáculo foi ultrapassado próximo aos anos 1840 e, mais ainda que para Walter Scott ou Eugène Sue, são Dumas e Dickens que simbolizam melhor essa mudança. Onipresente, viu-se, no México, na Argentina, no Uruguai, no Peru, mas também na Colômbia, em Cuba ou na Venezuela, Alejandro Dumas colonizou as mídias de seu tempo a um ponto desconhecido antes dele e, talvez, inigualado antes de 1914. A popularidade de Victor Hugo, por causa do sucesso de Os miseráveis e aquela de Zola graças a Germinal foram excepcionais, mas não é totalmente certo que elas possam se comparar àquela que envolveu Dumas Pai. 42 O caráter prolífico de sua criação, a lista desmesuradamente extensa de seus romances populares contribuiu grandemente para mantê- lo durante quase vinte anos no topo da lista. Fazendo a felicidade de seus inumeráveis
Mostrar más

11 Lee mas

Identidade e gênero na imigração judaica no sul do Brasil

Identidade e gênero na imigração judaica no sul do Brasil

Já se tratando dos sobreviventes da Segunda Guerra, comparando as relações de gênero na Europa e no Brasil, as diferenças tem a ver tanto com a época em que estavam na Europa e depois no Brasil, quanto com o espaço geográfico e cultural. Na Polônia, por exemplo, a comunidade judaica era muito mais religiosa em comparação com o Brasil, e em comparação a outros países de sobreviventes entrevistados, como Alemanha. As mulheres dirigiam carros na América do Sul, mas não na Europa. Na Holanda, por exemplo, segundo relado de um sobrevivente, as relações sexuais eram para procriar apenas, diferente do que encontrou entre os jovens na América do Sul. Outra diferença é que na Europa as mulheres começaram a trabalhar fora de casa antes que no Brasil, pois aqui isso era ainda “mal visto” naquela época.
Mostrar más

5 Lee mas

IMPEDIDA? A MULHER NA ARBITRAGEM DO RIO GRANDE DO SUL: UM DOCUMENTÁRIO

IMPEDIDA? A MULHER NA ARBITRAGEM DO RIO GRANDE DO SUL: UM DOCUMENTÁRIO

Já no âmbito profissional, isto é, quando as pessoas já exercem a atividade de árbitro(a), outra barreira a ser superada é a repercussão na mídia. No documentário existe um bloco inteiro que aborda o tratamento da mídia para com os árbitros de futebol, o que explica a presença dos jornalistas na narrativa. Determinadas ações dentro de campo podem gerar repercussão conforme o gênero de quem a faz. Árbitro da FGF há 11 anos, Éder Zanella revela que algumas marcações de homens não geram tanta repercussão como se fosse de alguma mulheU ³1yV WLYHPRV D )HUQDQGD DOL GH 6DQWD &DWDULQD TXH IRL PDUFDGD SRU XP HUUR 6H LVVR DFRQWHFHVVH FRP XP KRPHP QLQJXpP IDODULD QDGD´ DILUPD 2 documentário dispõe de discursos que se hibridizam e, ao mesmo tempo, são heterogêneos. É possível observar que na própria fala dos entrevistados, muitas vezes, é possível enxergar dissonâncias, especialmente no que se refere a oportunidades.
Mostrar más

6 Lee mas

O narcotráfico e seus submarinos: um novo elemento na logística do crime na America do Sul?

O narcotráfico e seus submarinos: um novo elemento na logística do crime na America do Sul?

importante situar, neste momento, todo o histórico de políticas de contenção com o apoio norte-americano sendo baseadas em erradicação forçosa (por vezes a manu militari) da matéria-prima de modo indiscriminado – na América Latina, os programas “Coca Zero” – como um exemplo do que deu errado, por vezes abalroando a já citada microeconomia do plantio, cultivo e colheita e assim inserindo comunidades inteiras ora na marginalidade, ora no desemprego, em políticas que ao final não resultam em eficácia, só alcançando a antipatia generalizada, ampliando o espectro motivador estrutural da marginalidade e, na escala dos eixos de formação de pólos de poder nas relações hemisféricas, terminam pro galvanizar nacionalismos antiimperialistas 2 . Na América do Sul, não foi diferente ao longo dos últimos 10 anos, quando a questão explodiu e tomou conta das agendas políticas multilaterais.
Mostrar más

12 Lee mas

Dilemas da integração regional na América do Sul: a lógica territorial da IIRSA e suas implicações socioespaciais

Dilemas da integração regional na América do Sul: a lógica territorial da IIRSA e suas implicações socioespaciais

Na segunda parte do artigo, buscamos problematizar a concepção de desenvolvimento presente nos documentos oficiais da IIRSA a partir das contribuições de Massey (2004), Escobar (1996) e Quijano (2000). Para alcançar esse objetivo, destacamos trechos do discurso do presidente do BNDES no ano de 2003, uma das principais instituições financiadoras dos mega-projetos de integração de infraestrutura em curso na América Latina. Os documentos e pronunciamentos oficiais sobre a IIRSA foram analisados a partir da técnica da análise discurso. Conforme explica Gill (2002), apesar de existirem diferentes perspectivas de análise de discurso, estas possuem como ponto em comum a compreensão de que a linguagem não é uma forma neutra de refletir e descrever o mundo, ao contrário, atua de forma central na construção da vida social. No enfoque proposto por Gill e que incorpora contribuições de quatro vertentes da análise de discurso (correntes ligadas a semiótica social e estudos da linguagem, a teoria do ato da fala e análise de conversação, ao pós-estruturalismo e a análise retórica), considera-se que pelo termo “discurso” podemos entender “todas as formas de fala e textos, seja quando ocorre naturalmente nas conversações, como quando é apresentado como material de entrevistas, ou textos escritos de todo tipo” (Gill, 2002:247).
Mostrar más

26 Lee mas

HOSPEDEIROS DE LEISHMANIA SPP NA REGIÃO SUL DO BRASIL

HOSPEDEIROS DE LEISHMANIA SPP NA REGIÃO SUL DO BRASIL

No ambiente doméstico, após a urbanização da leishmaniose, o cão (Canis familiaris) foi descrito como o reservatório doméstico (Silva et al. 2001), com evidências suficientes. Silva et al. (2005) definiram as condições para tal caracterização do cão como reservatório do protozoário: o encontro da espécie de flebotomíneo vetor naturalmente infectado na mesma região em que foi coletado o suposto reservatório; a sobrevivência do hospedeiro por tempo suficiente para garantir a transmissão da infecção; a prevalência da infecção elevada entre os hospedeiros (acima de 20%); manutenção do parasitismo no sangue periférico ou em lesões na pele em quantidade suficiente para infectar o vetor; e a presença da mesma espécie de Leishmania no reservatório e nos humanos.
Mostrar más

5 Lee mas

ASCARIDIOSE EM ÉGUAS DA RAÇA CRIOULA NA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

ASCARIDIOSE EM ÉGUAS DA RAÇA CRIOULA NA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

Os endoparasitos são uma ameaça frequente para a saúde e bem-estar dos equinos, em particular dos animais jovens, visto que podem ocasionar síndrome cólica, uma importante causa de mortalidade em cavalos (MADEIRA DE CARVALHO, 2006). Os equinos são hospedeiros de uma grande variedade de helmintos gastrintestinais, e o fato de grande parte da criação equina brasileira ser realizada de maneira extensiva, onde os animais permanecem a pasto durante todo o ano, favorecem as constantes infecções por parasitos presentes nas pastagens (MOLENTO, 2005). A presença de Parascaris spp., causador de ascaridiose em equinos, é mais comumente descrita em animais de até aproximadamente 12 meses de idade, sendo os lactentes e desmamados os mais sensíveis (LYONS et al., 2011). Segundo Laugier et al., (2012), a infecção de cavalos adultos é rara, sendo considerado o parasita mais importante dos animais jovens.
Mostrar más

5 Lee mas

A presença negra na história do Paraná (Brasil): a memória entre o esquecimento e a lembrança

A presença negra na história do Paraná (Brasil): a memória entre o esquecimento e a lembrança

Esse descontentamento fez com que, no decorrer do século XIX, o Paraná enquanto 5ª Comarca de São Paulo, tentasse inúmeras vezes o processo de emancipação. Apesar dos avanços nas tentativas, a elite local não conseguiu sucesso até o início da segunda metade do século XIX. Por volta de 1850 o assunto foi considerado pelo Império, pois nessa época, surgiu a preocupação com possíveis invasões dos países vizinhos, além dos reflexos na região sul, da tentativa da elite produtora de charque do Rio Grande do Sul de buscar a emancipação política do Brasil por meio da Guerra da Farroupilha (1835-1845). Dessa forma, regiões de fronteira passaram a ser melhor estruturadas, com vistas a evitar qualquer invasão estrangeira ou processo de emancipação. Esse contexto possibilitou que, as negociações sobre a nova política de emancipação da 5ª Comarca de São Paulo, avançasse com a coroa (CAMARGO, 2004).
Mostrar más

16 Lee mas

Interferência do mulching e das tensões de água no solo na presença do bicho-mineiro e na taxa de enfolhamento do cafeeiro

Interferência do mulching e das tensões de água no solo na presença do bicho-mineiro e na taxa de enfolhamento do cafeeiro

Foi possível observar que houve uma diferença entre as posições geográficas em relação ao enfolhamento do cafeeiro. Na primeira e quarta estação, verão e primavera, observou-se que a posição Sul obteve o menor número de folhas no mês de janeiro, já nos outros meses, a menor taxa de enfolhamento foi o da posição oeste, servindo como posições de referência para os cálculos. A posição que obteve um maior incremento de enfolhamento foi o Norte, nos meses de janeiro, fevereiro, março respectivamente (11,55; 21,13; 30,72) e outubro e novembro respectivamente (38,21; 114,21). Corroborando resultados encontrados por Bicalho (2005), informam que a melhor posição para se plantar uma lavoura cafeeira é na posição Leste-Oeste, pois as duas partes da planta que recebem luz, na parte da manhã e na parte da tarde, obtém um comportamento diferente. A parte que recebe luz pela manhã tem um melhor
Mostrar más

23 Lee mas

A cooperação em defesa na América do Sul: as relações entre Colômbia e Venezuela e os impactos para a integração regional no âmbito da Unasul e do conselho de defesa sul americano

A cooperação em defesa na América do Sul: as relações entre Colômbia e Venezuela e os impactos para a integração regional no âmbito da Unasul e do conselho de defesa sul americano

Nos últimos anos, não só por conta de questões relacionadas ao conflito colombiano e ao narcotráfico, as relações entre os dois países em temas de segurança e defesa foram se deteriorando, gerando um ambiente de desconfianças, suspeitas, tensões e decisões unilaterais, que resultaram num completo abandono dos acordos, mecanismos e perspectivas de coordenação binacional no enfrentamento dos referidos problemas. Com modelos ideológicos e sociopolíticos distintos, os governos de Álvaro Uribe e de Hugo Chávez criaram doutrinas de segurança divergentes, embora parecidas nos aspectos de serem militarizadas, concentradas na figura presidencial e instrumentalizadas para respaldar a popularidade doméstica e a legitimidade internacional desses governos.
Mostrar más

87 Lee mas

A política externa brasileira e a internacionalização das empresas de engenharia e construção na América do Sul, a partir de 2002

A política externa brasileira e a internacionalização das empresas de engenharia e construção na América do Sul, a partir de 2002

Quanto ao funcionamento do financiamento e o mecanismo de garantia CCR, Maria da Glória Rodrigues, assessora especial da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), esclarece que quando um financiamento possui como garantia o mecanismo do CCR significa que o crédito é garantido ou autorizado pelo Banco Central do importador. Trata-se de um mecanismo de pagamento entre Bancos Centrais, no caso, um mecanismo de compensações multilaterais entre os países da ALADI. Assim, na data de vencimento do crédito, o Banco Central do exportador debita o valor correspondente na conta do Banco Central do importador. O desembolso do recurso é realizado em real diretamente ao exportador no Brasil. Reforça a máxima, de que não há, portanto, remessa de divisas ao exterior (Rodrigues, 2006). Outra instituição importante que aponta para o interesse e forma de apoio do governo brasileiro às empresas brasileiras é a discussão e deliberação sobre os financiamentos que ocorrem no Comitê de Financiamento e Garantia de Exportações (COFIG). De acordo com o discurso do presidente Lula no 23° Encontro Nacional do Comércio Exterior, a criação do COFIG, em 2004 146 , vinculado à Câmara de Comércio Exterior (Camex), teve como objetivo agilizar a resposta ao exportador quanto à possibilidade de financiamento. No COFIG decide- se sobre o financiamento e a garantia ao financiamento no mesmo processo. Neste discurso, o presidente também cita o mecanismo do CCR, anunciando a revogação das limitações no seu uso, o que ajudaria a promover a participação das empresas brasileiras no processo de integração regional nos projetos de infraestruturas. De acordo com o presidente: “A prioridade política à integração efetiva da América do Sul tem que ter como contrapartida a prioridade de pagamentos recíprocos”.
Mostrar más

293 Lee mas

Tendência dos Índices de Instabilidade na América do Sul

Tendência dos Índices de Instabilidade na América do Sul

Segundo Fragoso (1998), os diversos índices de ins- tabilidade são diferenciados por tipos de parâmetros, em função da sua complexidade e dos indicativos que fornecem. Os índices K e TT são índices que se baseiam no princípio de que a instabilidade pode ser inferida apenas com base nas diferenças de condições de temperatura e umidade entre dois ou três níveis isobáricos. Com base nestes dados é possível estimar a estrutura vertical da atmosfera analisando os principais processos atmosfé- ricos que influenciam a formação de convecção e futura dissipação. Esses índices são muito úteis e, por serem simples de calcular, quando utilizados em conjunto com a meteorologia sinótica, eles ajudam tanto em pesquisas quanto na parte de previsão do tempo. Já de acordo com Nascimento (2005), os índices são capazes de apontar condições potencialmente favoráveis à ocorrência de tempestades, porém não exploram a questão da iniciação convectiva, e há limitações em usar os valores limítrofes
Mostrar más

6 Lee mas

Reputação, cooperação e defesa na América do Sul

Reputação, cooperação e defesa na América do Sul

A partir disso, a OEA teve concretizadas três resoluções subsequentes (ag/res 2113 xxxv 0/05, ag/res 2246 xxxvi 0/06, ag/res 2270 xxxvii 0/07) que deram caráter legal às medidas de confiança. Como forma, inclusive, de garantir acompanhamento da confecção de estratégias de defesa na América, a OEA vem dando peso às normativas que estejam relacionadas à reputação da própria organização. Dados da organização demonstram que, segundo os informes dos estados membros sobre a aplicação de medidas de fomento da confiança e segurança correspondentes ao período de 1995 a 2005, estão excluídos o Paraguai, a Costa Rica e a Colômbia. Destes, a Colômbia apresenta resistências duras à integração da América do Sul enquanto o Paraguai resiste à entrada da Venezuela no Mercosul, o que sinaliza diferenças nos projetos de regionalização em curso.
Mostrar más

9 Lee mas

Show all 10000 documents...