PDF superior Reflexões sobre a experiência geográfica na era da tecnologia

Reflexões sobre a experiência geográfica na era da tecnologia

Reflexões sobre a experiência geográfica na era da tecnologia

Para ilustrar, relatamos um exemplo recente do que estamos problematizando e questionando: o autor deste texto, nos intermédios dos municípios de Itabuna e de Itajuípe, no litoral-sul do Estado da Bahia, em sua última visita à essa região, é levado por seu irmão para conhecer uma pequena cachoeira conhecida popularmente por “véu de noiva”. Ele, o autor, saca o smartphone de seu irmão, e imediatamente começa a fotografar a cachoeira e ainda faz um pequeno vídeo da mesma e quando dá conta do tempo, já é hora de ir embora daquele lugar. Perguntamos: experienciamos a cachoeira? Sim. Mas de que modo? Mesmo que nada seja experienciável em sua totalidade dada a infinitude de possibilidades de ser de tudo que há, nossa experiência não foi a da cachoeira ela mesma. Nossa experiência imediata foi a do dispositivo, ele mesmo, no seu ato de registro de câmera em fotos e vídeos. A cachoeira foi então retirada de seu contexto, guardada na memória virtual do smartphone, podendo ser acessada a qualquer momento por qualquer pessoa, em qualquer lugar – e muitas são as considerações caso estes registros sejam disponibilizados na internet, mas não discutiremos aqui esse mérito.
Mostrar más

10 Lee mas

Tecnologia e sociedade: reflexões acerca das visões e tensões da tecnologia

Tecnologia e sociedade: reflexões acerca das visões e tensões da tecnologia

Tecnologia e sociedade: reflexões acerca das visões e tensões da tecnologia Resumo. Tendo em vista que é difícil aplaudir sem restrições o avanço científico-tecnoló- gico, a exploração de uma ou de outra compreensão sobre a tecnologia se faz necessária. O desenvolvimento acelerado e a irrupção permanente de novas tecnologias, junto com a vertiginosa renovação de artefatos, plataformas e sistemas tecnológicos, propõem desafios cada vez maiores em matéria de decisões. As mudanças sociais nos países industrializados levaram certos coletivos sociais a compreender que as decisões sobre a tecnologia não são matéria exclusiva de especialistas e são intrinsecamente sociais. Neste artigo de revisão, analisam-se as implicações da tecnologia na sociedade; mais especificamente a relação en- tre progresso e tecnologia e a diferença entre tecnologia e técnica. Posteriormente, discu- te-se o papel da tecnologia na sociedade; examina-se como o uso descontextualizado da tecnologia é arriscado para a sociedade e para o ser humano, e expõe-se a ideia de uma sociedade capaz de compreender a imbricação entre tecnologia e humanidade. Sem dúvi- da, devemos fazer algumas perguntas: qual poderia ser nosso papel na criação desse futuro tecnológico? E que novas formas de identidade humana, ordem política, comunidade e participação cidadã surgem das tecnologias desenvolvidas?
Mostrar más

10 Lee mas

O ensino de genética na formação superior : uma experiência de educação CTS (Ciência – Tecnologia – Sociedade)

O ensino de genética na formação superior : uma experiência de educação CTS (Ciência – Tecnologia – Sociedade)

A educação para cidadania é amparada pela legislação brasileira, que considera o preparo do aluno para o exercício da cidadania uma meta básica a ser cumprida pela educação no Brasil (LDB 9394/96, Art. 2.º). De fato, precisamos de uma sociedade educada em ciências e tecnologia, que entenda como esses aspectos são centrais em toda a sua vida e se relacionam com diversas outras dimensões. A sociedade brasileira está inserida em um contexto de grandes mudanças científicas, econômicas, políticas, ambientais e sociais. Essas mudanças interferem diretamente no modo de viver da população em geral. Como indivíduos pertencentes a uma organização social, é importante que os cidadãos brasileiros estejam a par de tais dinâmicas da nossa sociedade e saibam tomar decisões sobre elas, transformando-as de maneira positiva. O espaço educativo deveria ser explorado, a fim de propiciar reflexões e aprendizagem a respeito de todos esses aspectos e suas implicações. A ciência não constitui um compartimento separado da realidade de um indivíduo, mas é um integrante importante dessa realidade. Um cidadão participativo precisa apresentar uma visão mais crítica da ciência e da tecnologia, entendendo-as como artefatos que não são neutros e passivos, mas instrumentos que moldam a existência humana, influenciando seu modo de viver, agir, se relacionar e entender o mundo. (BOERWINKEL et. al, 2014). Conhecendo como sua vida se relaciona com a ciência e a tecnologia, um cidadão pode participar das decisões tomadas em âmbitos políticos e sociais e melhorar sua qualidade de vida individual e coletiva. Essas ideias partem do pressuposto que um indivíduo pode incorporar, além de uma cultura religiosa, social e histórica, uma cultura que abarque as noções, ideias e conceitos científicos como ferramentas úteis à sua vida, sendo capaz de participar das discussões relativas a essa nova cultura (SASSERON e CARVALHO, 2011).
Mostrar más

129 Lee mas

Reflexões sobre a tecnologia educativa: conceitos e possibilidades

Reflexões sobre a tecnologia educativa: conceitos e possibilidades

O uso das novas tecnologias na sala de aula não garante um processo de ensino e aprendizagem inovador, centrado no aluno e nas suas necessidades. O professor tradicional que gosta das aulas centradas em si mesmo, por exemplo, tenderá a utilizar as novas tecnologias para concentrar ainda mais o processo, enquanto o professor que reconhece a importância de mudanças na sala de aula terá mais facilidade para pensar em formas de utilizar as tecnologias para modificar o processo tradicional e conservador que ainda prevalece em várias escolas. Essa é a questão-chave para a tecnologia educativa: desenvolver novas metodologias para sua incorporação no processo de ensino e aprendizagem – o qual não envolve apenas o ambiente de sala de aula presencial, mas está muito além dele – de modo a educar os jovens de acordo com as exigências complexas da sociedade globalizada. A construção, organização e processamento do conhecimento precisam ser mais interativas, flexíveis e amplas. Para Coutinho (2007), o novo cenário mundial exige “uma abordagem holística do processo educacional que passa pela integração da tecnologia no currículo com vista a uma expansão do mesmo e a uma participação mais ativa dos alunos no processo de ensino/aprendizagem” (COUTINHO, 2007, p. 8).
Mostrar más

18 Lee mas

O acolhimento da religiosidade na psicoterapia : reflexões a partir de uma experiência clínica

O acolhimento da religiosidade na psicoterapia : reflexões a partir de uma experiência clínica

que tinha tendência metafísica e queria fazer hipnose, mas Maurício respondia: “não, hipnose não é momento agora”. [Lia] aprendeu a ter confiança nele. Achava que hipnose iria curar, então queria ir direto. Maurício antes queria conhecer anamnese. Quando chegou o momento em que [Lia] passou a confiar e Maurício começou a pontuar o que são os pontos principais e os secundários, Maurício começou, sem que [Lia] percebesse, um transe muito leve. [Lia] não entendia, mas confiava. Quando surgiu, no meio da terapia, dor na perna muito forte, começou a falar que confiava muito nos Mestres e havia algo espiritual nisso. Quase dois anos depois. [Lia] não sabia se podia falar sobre os Mestres, pois não sabia se Maurício acharia que ela estava vendo Napoleão Bonaparte. Maurício não sabia grau da doença de [Lia] em profundidade. Ambos queriam resguardar o tratamento. Quando [Lia] começou a falar dos Mestres, houve manifestação. Começou com parte física. Depois, simultâneo, reação e insights. Mestres cutucavam para ela dizer. Maurício percebeu que não era apenas questão de doença emocional, mas era ponto que podia ajustar sistema desorganizado de [Lia] no momento. Pouco a pouco, Maurício também perguntava para [Lia]: “se era coisa da religião, dos Mestres, por que [Lia] não ia para a religião?” Ele não podia fazer nada: “Aqui é mente, não é religião. Baixar santo é no terreiro.” 24
Mostrar más

132 Lee mas

Piratas ao mar: reflexões sobre a experiência da prática pedagógica teatral a partir do corpo-voz e da comicidade

Piratas ao mar: reflexões sobre a experiência da prática pedagógica teatral a partir do corpo-voz e da comicidade

No começo eu acreditava que minha pesquisa iria proporcionar àqueles alunos que possuíam o desejo do fazer teatral, a oportunidade de vivenciar o teatro. Porém, ao final de tudo, percebi que quem mais cresceu com “aqueles meninos” – forma carinhosa que eu os chamava - fui eu. Eles são especiais, incríveis, criativos, espertos, atentos ao jogo o tempo todo. Eles são, no presente, o meu tesouro. E continuarão sendo. Eles me surpreenderam. No dia da apresentação, quando eu os vi em cena, percebi que estavam com corpos e vozes muito mais desenvolvidos e transformados do que eu pensava. Grande erro meu acreditar que eles tinham um limite de criação. Penso que nem eles acreditavam na potência de expressão corporal e vocal que tinham. Representaram, dançaram, criaram, imaginaram e colocaram em prática, improvisaram como nunca imaginei que poderiam fazer em cena, com uma plateia de cerca de trezentas pessoas. Eles foram maravilhosos. “Os meninos” surpreenderam a mim e a eles mesmos. Compreenderam que tudo aquilo que viveram foi resultado dos seis meses de trabalho. Se na hora eles sabiam o que fazer e como fazer, sem eu precisar falar como deviam agir na improvisação, é porque estavam apropriados daqueles personagens e do contexto das cenas. Não estavam sozinhos. Eram um grande grupo, unidos, compartilhando o prazer daquele momento.
Mostrar más

99 Lee mas

A invisibilidade da intersexualidade na saúde pública: reflexões a partir da inserção do psicólogo na saúde

A invisibilidade da intersexualidade na saúde pública: reflexões a partir da inserção do psicólogo na saúde

Resumo O Brasil não possui uma diretriz assistencial para a atenção à saúde da população intersexo, o que não impede que intervenções sejam realizadas e acabem por não refletir uma posição oficial do Ministério da Saúde. Partindo do resgate histórico sobre a monstruosidade desenvolvido por Foucault (2010) e das teorizações sobre heteronormatividade e binarismos de gênero apresentada por Butler (2000) e Preciado (2002), também os debates sobre a inserção da psicologia na saúde pública brasileira e das contribuições do ativista Cabral (2001) na interface intersexualidade e saúde, a seguinte pesquisa propõe analisar o serviço de saúde oferecido às pessoas intersexo e as justificativas das intervenções apresentadas pela rede, a partir da experiência de atuação de um psicólogo que atende há 19 anos em um centro de referência do Distrito Federal. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, utilizando como instrumento a entrevista semi- estruturada, na qual foi possível levantar quatro categorias de análise, que denunciam a normalização do cuidado, onde os princípios de integralidade e equidade não são respeitados na atenção hospitalar à intersexos. As intervenções do serviço são exclusivamente cirúrgicas e medicamentosas, demonstrando que a intersexualidade é compreendida como uma doença. Também foi observada a construção binária do gênero, onde a ambiguidade corpórea e subjetiva é combatida como algo da ordem patológica, bem como a expectativa de que a psicologia serviria como uma pedagogia do controle, certificando a coerência heteronormativa na produção de subjetividades longe da ambiguidade. Para avançar nos debates sobre diretrizes de cuidado para a intersexualidade, é preciso refletir sobre os desafios das equipes atuantes no país com a questão intersexo. Discutir os problemas vividos e as soluções encontradas, com base em reflexões amplas sobre a medicalização compulsória e compreensões de gênero e sexualidade.
Mostrar más

79 Lee mas

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública na Modalidade a Distância: uma Experiência Empreendedora1

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública na Modalidade a Distância: uma Experiência Empreendedora1

Resumo: O presente artigo tem por finalidade apontar, dentre as novas modalidades de ensino, a Educação a Distância (EAD) como alternativa de oferta de uma educação inovadora, vinculada ao setor produtivo e ao mercado de trabalho, já que é concebida como uma educação voltada para uma construção criativa e reflexiva que propicia o desenvolvimento de características empreendedoras. Para isso, inicialmente são analisados alguns aspectos da sociedade contemporânea em cujo contexto a educação precisa passar por adaptabilidades em função das modernas formas de comunicação eletrônica, entre outras. Em seguida, fazem-se reflexões sobre EAD e o Empreendedorismo, resgatando origem e conceitos e apresenta-se o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública na modalidade a distância, ofertado pelo Instituto Federal, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC) e vinculado ao projeto da Universidade Aberta do Brasil (UAB), como um exemplo que reúne os dois aspectos apresentados: EAD e empreendedorismo. Considera-se, assim, a EAD um novo caminho para a educação atual que, pela adoção de currículos relevantes, pelo uso de estratégias flexíveis e metodologias inovadoras em ambientes multimídias integrados por redes de comunicação, possibilita o atendimento às expectativas do mundo empreendedor e às exigências sociais e individuais.
Mostrar más

10 Lee mas

Institucionalização e Instrumentos da Política de Economia Solidária: Reflexões à luz da experiência da Bahia

Institucionalização e Instrumentos da Política de Economia Solidária: Reflexões à luz da experiência da Bahia

orçamentário público , dando efetividade aos custos e investimentos em políticas públicas na área, no Plano Plurianual (PPA) de 2008-2011 e, pos- teriormente, no PPA 2012-2015, com recursos significativos do orçamen- to do Estado da Bahia e do Fundo de Combate à Pobreza (FUNCEP). Isso possibilitou a implantação do “Programa Bahia Solidária: Mais Trabalho e Renda” com o objetivo de promover o fortalecimento e a divulgação da economia solidária mediante políticas integradas, visando a geração de trabalho, renda, inclusão social e promoção do desenvolvimento justo e solidário. Posteriormente, em 2011, foi criado o Programa Vida Melhor, que instituiu o Programa Estadual de Inclusão produtiva, que tem como uma de suas frentes de atuação a oferta de Assistência Técnica aos Em- preendimentos Solidários.
Mostrar más

18 Lee mas

Música e experiência na era da reprodução digital

Música e experiência na era da reprodução digital

perspectiva, a inserção no mercado global pode vir acompanhada de um sentir- se “em casa”, cultivando a intimidade. A resiliência da música ao vivo (em Cabo Verde e tantos outros lugares) reve- la que a música, acima de tudo, diz respeito a pessoas. A experiência da música executada presencialmente – sons misturados com aromas, gostos, imagens e calor humano – é baseada na relação pessoal, o que sugere limites ao poder da tecnologia no controle das práticas musicais. Pelo que vimos ao longo deste trabalho, o estado atual da indústria musical pode ser interpretado como um processo de restabelecimento do valor das pessoas. Quando Karl Marx (1951) escreveu sua resposta a Adam Smith no clássico debate sobre a distinção entre trabalho produtivo e improdutivo, 9 ele mencionou a performance do cantor de ópera como uma atividade que existe apenas em uma ação inseparável do pró- prio cantor. Ou seja, tão logo o canto termine, extingue-se também o serviço prestado ao público. O fato de que Marx tenha feito tal reflexão antes da po- pularização do fonógrafo é significativo, mas o que pretendo destacar é que o consumo da performance é inseparável do artista – uma afirmação válida até os dias de hoje. Mesmo no contexto atual em que “computadores fazem arte”, como na canção interpretada por Chico Science & Nação Zumbi, o artista não perde seu valor. A música ao vivo pressupõe relações entre pessoas, não importa quão efêmeras elas sejam.
Mostrar más

22 Lee mas

O que significa a federalização da ciência e tecnologia na Argentina?

O que significa a federalização da ciência e tecnologia na Argentina?

Federalizar el sistema científico argentino es una gran necesidad, por una cuestión de equidad. El 75-80% de los recursos humanos del CONICET están concentrados en la zona central del país y hay grandes esfuerzos que hacen grupos in- cipientes (...) en distintas regiones más alejadas, desde la Patagonia, Noroeste o Noreste del país. Entonces, hemos tomado como decisión del Di- rectorio del CONICET, una decisión importante, muy proactiva en cuanto a la federalización, que ha sido llevar a un 30% el ingreso a carrera del investigador con posiciones asignadas a estas zonas de vacancia geográfica (...) y pretendemos seguir avanzando en la medida que esos cupos vayan generando una distribución más equitativa.
Mostrar más

12 Lee mas

Educação geográfica em época de crise: algumas reflexões

Educação geográfica em época de crise: algumas reflexões

Causas demográficas: a baixa de natalidade e o consequente envelhecimento progressivo da população com consequências graves - decréscimo da população, menor população activa (que desconta para a segurança social) e uma maior população inactiva (que recebe reformas da segurança social) e menor competitividade económica. Causas económicas e financeiras: o abandono progressivo das actividades ligadas ao sector primário, agricultura e pesca. Como sabemos, os agricultores saíram das áreas rurais para as áreas urbanas para exercer profissões menos duras e incertas do ponto de vista económico, o que somado às características da agricultura portuguesa integrada na PAC - Política Agrícola Comum - levou a que os portugueses progressivamente estivessem mais dependentes das importações de alimentos e rações para o gado; a pesca apresenta várias carências e há um longo caminho a percorrer no sentido de superar a situação de crise que se vive no sector pesqueiro; a floresta que é um recurso importante na economia portuguesa é deficientemente cuidada o que tem conduzido a grandes devastações causadas por fogos estivais; as indústrias tradicionais estão decadentes devido à concorrência das designadas “economias emergentes”, aliada a uma inovação incipiente; actividades terciárias têm excesso de activos na administração pública central e municipal; verificou-se uma difícil adaptação à nova moeda, o euro, com consequências graves pois Portugal teve de abdicar de duas importantes políticas: a cambial e a monetária, porquanto a partir desse momento, o Governo passou a dispor de menos instrumentos para atingir os objectivos económicos; rendimentos excessivamente direccionados para a aquisição de casa própria e bens de consumo. Estas são algumas causas da crise, entre muitas outras.
Mostrar más

6 Lee mas

O terceiro espaço na experiência de jovens nas ruas: Desafio para a imaginação geográfica

O terceiro espaço na experiência de jovens nas ruas: Desafio para a imaginação geográfica

La juventud, entendida más allá de la etapa del ciclo vital a la cual corresponde, da cuenta de la construcción de diversas subjetividades. La pluralidad de las formas de ser joven hoy está atravesada por las trans- formaciones de la subjetividad, en el marco de un mundo cada vez más globalizado política, cultural y económicamente y en el que coexisten de manera conflictiva, diferentes proyectos de sociedad. (Reguillo, 2012). Desde la sociología se reconoce la existencia de la juventud (Bourdieu, 1990), y aunque parece un marco clasificado de manera puntual, la ambi- güedad tiende a incluir en una gran heterogeneidad a la diversidad de grupos juveniles, sobre todo de sujetos que desde sus distintas posicio- nes y contextos asumen el mundo. Según señala Reguillo (2012), a partir de su vasta experiencia de campo en los territorios juveniles, la literatura sociológica reciente se propone superar la consideración de juventud como categorización por edad, incluyendo en los análisis la diferencia- ción social y cultural, para entender que su devenir depende en buena medida de las posibilidades que se encuentran en el espacio habitado. Abordar el asunto de las juventudes supone además reconocer las rela- ciones sociales históricamente situadas y representadas, que constituyen diferencias inmersas en redes y relaciones de poder, que se configuran por grupo etario, por género y a nivel institucional, tales como adulto-jo- ven, hombre-mujer, profesor-estudiante.
Mostrar más

13 Lee mas

O Geomarketing na perspectiva geográfica: uma discussão sobre o tema a partir da experiência de estágio do bacharelado.

O Geomarketing na perspectiva geográfica: uma discussão sobre o tema a partir da experiência de estágio do bacharelado.

Trata-se, portanto, de uma unidade territorial adotada pelo IBGE para a organização de seus levantamentos censitários, mas que também permite o detalhamento das informações coletadas nos censos, sobretudo nas áreas urbanas. Por exemplo, para cada setor censitário é possível obter dados sobre características socioeconômicas, como o valor da renda média dos chefes de domicílio, faixa etária e sexo dos habitantes, saneamento, entre outros, possibilitando,

42 Lee mas

As TICs e aulas de artes: reflexões a partir da experiência do curso de especialização na cultura digital

As TICs e aulas de artes: reflexões a partir da experiência do curso de especialização na cultura digital

A presente pesquisa tem como objetivo: Refletir sobre arte e tecnologia e de que forma o professor de artes das séries finais utiliza as TICs (tecnologias de informação e comunicação) em sua prática pedagógica, partindo da experiência do curso de Especialização da Cultura Digital da Universidade Federal de Santa Catarina. A investigação aconteceu com alunos do 9º ano da rede pública estadual do município de Siderópolis juntamente com o professor de artes da turma, tendo como questionamento: Como o professor de artes das séries finais utiliza as TICs em suas aulas, e como os alunos entendem que deve acontecer essa inserção? Para elucidar melhor este tema o diálogo acontece a partir de um referencial pertinente com Navarro (2015), PCNs (1998), Corrêa; Matté (2005), Miranda (2013) entre outros. Discorro sobre temas como tecnologia e educação, o ensino da arte sobre a perspectiva atual e a experiência da intervenção com o uso das tecnologias durante o curso e todas as reflexões que surgiram durante todo o percurso. Esta pesquisa é qualitativa, assumindo a forma de levantamento de dados sobre o tema.
Mostrar más

42 Lee mas

Sobre ética, experiência e subjetividade na contemporaneidade:  reflexões educativas

Sobre ética, experiência e subjetividade na contemporaneidade: reflexões educativas

Quanto a formação por si mesmo, observa-se de modo cada vez mais presente a emergência de um discurso que coloca o indivíduo como centralidade e portador de um discurso legítimo e, portanto, verdadeiro, sobre si e sobre o mundo. Ao não passar pelo crivo do outro, esse modo endógeno de conceber-se a si retroalimenta a manutenção de um modelo de sociedade direcionada ao consumo imediato de imagens e ideias sem necessariamente produzir conhecimento/reflexões sobre estes elementos e seus efeitos no vivente. Como bem afirma Harvey (2012, p.64), somos dirigidos “[...] para a produção de necessidade e desejos, para a mobilização do desejo e da fantasia, para a política da distração como parte para manter nos mercado de consumo uma demanda capaz de conservar a lucratividade da produção capitalista”.
Mostrar más

15 Lee mas

Reflexões sobre a educação popular na perspectiva da economia solidária : relato de experiência pedagógica no Distrito Federal

Reflexões sobre a educação popular na perspectiva da economia solidária : relato de experiência pedagógica no Distrito Federal

15 O PEQUENO E GRANDE COMEÇO ONDE TUDO COMEÇOU Nasci no mês de Junho de 1981, em Tefé no Estado do Amazonas, no hospital São Miguel. Aos cinco anos de idade minha mãe me levou para creche Criança Feliz. Ela trabalhava na parte da tarde e meus irmãos estudavam nesse horário, não tendo ninguém para ficar comigo. Com seis anos ingressei na alfabetização em uma escola pública chamada Antidio Borges Façanha. Era uma escola não muito próxima à minha casa. Lembro-me que minha mãe me levava pela manhã. Íamos caminhando e às vezes eu chegava à escola cansada, mas, gostava de ir para as aulas. Estudava com uma prima, Jancimara, éramos como irmãs. Não me recordo o nome da nossa professora, mas lembro bem do aspecto da escola, que tinha uma estrutura física pequena, porém, bem organizada. Ao fim do ano me formei no pré e tiramos naquele momento uma fotografia. Estávamos vestidas de flor, para apresentação de uma peça teatral chamada “A Linda Rosa Juvenil”. Ainda tenho essa foto, aquele momento foi muito importante. No fim do pré eu já conseguia escrever meu nome. Fiquei empolgada quando comecei a ler e escrever.
Mostrar más

73 Lee mas

A Cidade como experiência de aprendizagem: reflexões ilustradas sobre o currículo educativo da Cidade

A Cidade como experiência de aprendizagem: reflexões ilustradas sobre o currículo educativo da Cidade

RESUMO: Para discutir o currículo educativo da cidade, é importante aten- der-se à definição de «Cidade Educadora» (Bernet, 1990), que determina ser possível aprender na cidade (ou seja, a cidade enquanto contexto/meio edu- cativo), aprender da cidade (ou seja, a cidade enquanto agente educativo) e aprender a cidade (ou seja, a cidade enquanto conteúdo educativo). Estes dois últimos aspetos são particularmente relevantes, nomeadamente no que diz respeito à questão da intencionalidade que, no fundo, é aquilo que distingue uma «cidade educativa» (que são todas, na medida em que todas são passí- veis de apreensão) de uma «Cidade Educadora». Neste artigo, discutiremos o currículo educativo da cidade na sua pluridimensionalidade, invocando os métodos visuais (fotografia e desenho) não apenas como ilustração de um argumento, mas também enquanto ferramentas de apreensão, apropriação e manipulação do contexto urbano e, nessa medida, da experiência educativa da cidade. Empiricamente, este artigo fundamenta-se num projeto de desenvolvi- mento local (2006-2011) baseado em Massarelos, no Porto (Portugal), e mais concretamente nos dados recolhidos junto de crianças e jovens com idades entre os 5-17 anos. Ao discutirmos as perceções, apropriações e projetos de crianças e jovens sobre a cidade, contribuímos para um currículo educativo da cidade mais integrador, mais participado e mais crítico.
Mostrar más

22 Lee mas

Estudo da relação entre experiência e inovação na cultura contemporânea

Estudo da relação entre experiência e inovação na cultura contemporânea

A Inovação é compreendida como intenção de ruptura com processos educacionais conservadores. Nesse sentido as pesquisas em educação matemática mostram-se promissoras, como argumenta o professor em formação: “ As pesquisas podem dar um norte importante para que cada professor possa inovar em suas práticas de mediação da aprendizagem e tornar tudo mais atrativo para que o aluno tenha curiosidade e veja sentido em aprender”. (Participante A). A escrita do professor em formação evidencia uma sua posição enquanto mediador da aprendizagem, contudo acredita a inovação como algo novo e ainda não realizado no contexto escolar. De acordo Cunha (2008), a ruptura com modelos tradici0oais de ensinar e aprender, não significa desconsiderar as contribuições das ciências, mas reconhecer “ [...] outras formas de produção de saberes, incorporando a dimensão sócio- histórica do conhecimento e sua dimensão axiológica que une sujeito e objeto”. (CUNHA, 2008, p.24).
Mostrar más

11 Lee mas

A interação jogador e videojogo na construção da experiência de jogo

A interação jogador e videojogo na construção da experiência de jogo

Regarding the Player element, the main dimensions are Investments , Background and Anticipations ; based on a reinterpretation of the concepts presented by Ermi & Mäyrä[r]

323 Lee mas

Show all 10000 documents...